Cidadeverde.com

Kitesurf vira alvo de notificação em Barra Grande

Nos últimos anos, a faixa litorânea compreendida entre Barra Grande e Barrinha, no Piauí, se tornou uma das mais disputadas por quem deseja um cenário de tranquilidade e  com beleza  natural preservada. O lugar chamou atenção não só pelo cenário paradisíaco, mas também pelos ventos fortes, ideais para a prática de kitsurf. A combinação desses fatores logo atraiu praticantes do esporte vindos de todo canto, que passaram a frequentar a praia e disputar competições até internacionais. Até escolas de kite foram montadas.

Mas a prática desordenada e sem limites regulatórios já começa a causar problemas para os banhistas e moradores da região. Ontem, um casal de médicos que possui casa na comunidade, notificou o Ministério Público, pedindo a intervenção do poder público e das instituições responsáveis pela regulamentação da prática esportiva para proteção dos banhistas e moradores.

O casal relata que no último domingo quase foi atingido por uma prancha de kitsurf em alta velocidade, quando tomava banho de mar a apenas cinco metros da praia. Segundo os médicos, esse tipo de incidente tem ocorrido com indesejável constância, ameaçando a segurança de quem frequenta essas praias.

O esporte, de certa forma, ajudou a dar visibilidade ao local e atraiu investimentos como restaurantes e pousadas, mas, sem dúvida, precisa de uma regulamentação para que seja praticado dentro de uma faixa de segurança para não atingir os banhistas. É perfeitamente possível conciliar os interesses, o que não dá é para fechar os olhos para uma situação que põe em risco a integridade física de quem só deseja um relaxante banho de mar.

 

                                                                    PRAIAS SEM RESPEITO COM A POPULAÇÃO

 É lamentável o desrespeito com banhistas que se tem constatado em algumas praias do Piauí, como em Barrinha e Barra Grande, no Município de Cajueiro da Praia. Verifica-se que banhistas em geral, principalmente crianças e idosos, não tem mais segurança para usufruir de nossas praias, devido a prática irresponsável de kitesurf na faixa de praia rasa, de 5 a 15 metros da margem, no meio de banhistas, colocando em risco a integridade física das pessoas, como já temos observado em vários acidentes nestas regiões, principalmente na faixa de praia da Pousada Bob Z até o restaurante La Orla, no Praia de Barrinha, bem como na faixa de praia da Pousada BGK até a Pousada Manati, em Barra Grande. No último domingo, dia 18.08.2019, eu e minha esposa fomos surpreendidos por uma prancha de kitesurf a 1 metro de nossas costas, em alta velocidade, fato recorrente. Após reclamarmos com o praticante do esporte, fomos literalmente atacados por este, que fez a volta e rotornou pronunciando palavrões, velejando com a prancha em nossa direção, a cerca de 2 metros e gritando para procurarmos outra área para banho, estando nós a cerca de 5 metros da margem da praia, profundidade aproximada de 60 cm. Com a proliferação de escolas de kitesurf nestas praias, no entorno de pousadas e restaurantes, esta situação tende a se agravar. Como Cidadão Honorário Cajueirense e morador do Povoado Barrinha há cerca de 32 anos, tá tivemos conhecimento, presenciamos e já chegamos até a atender, como médicos, banhistas atingidos por linhas de kitesurf descontrolado naquela praia. Há também registro anterior de vítima de acidente com prancha e grave traumatismo facial, em praia vizinha. Ressalta-se que boa parte dos praticantes são iniciantes no esporte, sem domínio adequado do equipamento, o que aumenta o risco de acidentes. Faz-se necessária a intervenção do poder público e das instituições responsáveis pela regulamentação desta prática esportiva, para proteção dos banhistas e pedestres circulantes destas praias estabelecendo-se o devido zoneamento de áreas seguras para a prática, bem como a participação dos proprietários de pousadas, bares e restaurantes das praias, no processo de conscientização dos envolvidos e no protesto contra as práticas irregulares.

 Franck Janes Paula Lira - Médico               Maura Gomes Barbosa – Médica.