Cidadeverde.com

Brasil vai mal na prova do PISA

A Organização para a Cooperação e  Desenvolvimento Econômico – OCDE – divulgou hoje em Paris os dados referentes à avaliação do PISA – o maior programa de avaliação de educação básica do mundo, que mede o desempenho de jovens estudantes em 79 países. As provas são feitas nas áreas de leitura, matemática e ciências.

O Brasil registrou discreta melhora, mas ainda continua com um desempenho pífio,  deixando o país nas últimas posições do ranking estabelecido pela OCDE. Nosso melhor  aproveitamento foi na área da leitura. Nesse quesito, o Brasil ocupa o 57° lugar. Já em matemática, o país registrou seu pior desempenho, ficando em 70° lugar. No caso de ciências, a posição do Brasil é a 66ª.

O foco da avaliação este ano foi a leitura. Os organizadores da prova perceberam que os smartphones estão mudando a formar como os jovens lidam com o texto e resolveram aprofundar os testes nesta área. A maioria dos estudantes brasileiros não consegue fazer uma interpretação correta de texto, o que compromete o seu desempenho em outras disciplinas.

Infelizmente, a educação não tem sido prioridade no Brasil. Ao longo do tempo, os professores, principais artífices desse processo, foram desvalorizados. As escolas, salvo raras exceções, são mal equipadas, não possuem bibliotecas ou laboratórios. E, para piorar o cenário, o atual Ministro da Educação, Abraham Weintraub, está mais preocupado com um discurso ideologizante do que com o rendimento dos alunos.

Neste cenário que se estende de norte a sul do Brasil, cabe louvar alguns exemplos aqui no Piauí que se destacam justamente porque fogem à média nacional, com resultados promissores. É o caso da educação municipal de Teresina, Oeiras e Bom Jesus, que vêm mostrando que é possível ensinar com qualidade, mesmo em uma realidade econômica desfavorável.