Cidadeverde.com

O perigo muito além do coronavírus

O inevitável aconteceu, como já era esperado. Os casos do novo coronavírus, antes restritos à distante China, agora estão aqui ao nosso lado. Depois de chegar à Itália, a propagação foi rápida por toda a Europa e, dessa forma, é claro que chegaria ao Brasil. Com a globalização, já não há nada mais longe, as fronteiras se aproximaram e tudo se tornou impressionantemente perto. O problema é que o fim das barreiras geográficas trouxe junto o fim das barreiras sanitárias.

O Brasil está se preparando para enfrentar esta nova ameaça e evitar que ela venha a trazer maiores danos como ocorreu na China ou no Japão, por exemplo, que suspendeu as aulas por dois meses. Na Itália, onde o número de mortes já chega a 17, onze pequenas comunas do norte do país – o equivalente a cidades no Brasil –estão em isolamento. Grandes eventos comerciais e turísticos que fazem parte do calendário italiano foram cancelados, como o tradicional carnaval de Veneza e o Salão Internacional  do Móvel de Milão, causando um prejuízo ainda incalculável.

Por aqui, muitos outros tipos de doenças comprometem o cotidiano dos cidadãos. Mesmo antes da chegada do vírus ao Brasil, o Piauí já estava sem aulas por causa da greve dos professores que cobram melhores salários para trabalhar. No vizinho estado do Ceará, até a última contabilidade, foram registrados 195 assassinatos desde o início da greve dos policiais.

Vejam bem a comparação: 17 mortes na Itália mobilizaram o país inteiro. No Brasil, 195 mortes já não são capazes de comover governantes e governados. Nós, brasileiros, enfrentamos medos e batalhas diárias. No ano passado, 754 pessoas morreram vítimas de dengue no Brasil. E a cada 15 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito em nosso país. Portanto, não há que haver pânico com relação ao coronavírus. Precisamos, sim, de cautela e planejamento para enfrentar o covid-19.