Cidadeverde.com

Inquérito apura danos ambientais causados por empresa de energia fotovoltaica

Depois das denúncias de danos ambientais provocados pela empresa Enel Green Power 22 S/A, responsável pelo empreendimento de geração de energia fotovoltaica no município de Gilbués, 773 km ao sul de Teresina, o Ministério Público instaurou inquérito civil público para avaliar os prejuízos socioambientais causados pela empresa.

A Promotoria de Justiça de Gilbués quer saber mais detalhes sobre o processo de erosão e assoreamento fluvial causados pelo desmatamento da vegetação em volta dos brejos, riachos e cursos d’água que deságuam no Rio Gurgueia. O comprometimento ao meio ambiente é grande e pode ter consequências desastrosas.

O MP encaminhou ofício à empresa requisitando informações sobre os fatos mencionados e documentados em vídeos e fotos pelos moradores da região. No documento, é solicitada a copia integral do Estudo de Impacto Ambiental e do Relatório de Impacto Ambiental ( EIA/RIMA), além do licenciamento do empreendimento. O promotor José Sérvio de Deus Barros quer saber ainda quais as providências que estão sendo adotadas pela empresa. Tudo isso em um prazo de 30 dias.

É um contrassenso que uma empresa instalada para produzir energia limpa prejudique o seu entorno, comprometendo seriamente o meio ambiente e a vida da população à sua volta. O Piauí vem se destacando na produção de energia renovável -  e isso é motivo de orgulho - desde que não traga como efeito colateral danos irreparáveis à natureza.

A empresa Enel enviou a seguinte nota de esclarecimento sobre o caso:

" A Ener Green Power informa que está atuando para analisar os impactos da forte chuva que atingiu a região do parque Solar São Gonçalo na manhã do último sábado. Oo volume de chuva no sábado foi equivalente a 10 dias em relação à média histórica de chuvas para o mês de fevereiro. Cerca de 80 técnicos com 50 máquinas têm trabalhado dentro e fora do parque para conter os efeitos das chuvas. 

Representantes da companhia também visitaram moradores das comunidades de Buritizinho e Macacos para identificar as pessoas afetadas e prestar a assistência necessária. A companhia contratou uma empresa de consultoria especializada, que está realizando um estudo voltado a mapear as áreas atingidas e o possível impacto de chuvas futuras.

A empresa também está fornecendo água potável às pessoas afetadas e mantém um canal de diálogo aberto com moradores, que podem entrar em contato por meio do 0800 285 3455 e da Ouvidoria Móvel, com um profissional que circula pela cidade de São Gonçalo do Gurguéia em um veículo identificado como Enel."