Cidadeverde.com

Brasil possui 26 estudos clínicos com transfusão de plasma em pacientes com Covid

Uma estratégia que vinha sendo estudada clinicamente no Brasil como forma de controle da Covid-19 ganhou destaque depois que a FDA, a agência reguladora norte americana, autorizou seu uso em pacientes infectados pelo novo coronavírus. Trata-se da transfusão do plasma sanguíneo de pacientes já recuperados da doença para pacientes infectados em estado grave.

Nos EUA, essa técnica recebeu forte pressão do presidente Donald Trump para que fosse adotada no país, embora os resultados dos testes ainda sejam inconclusivos. Aqui no Brasil, existem pelo menos 26 estudos clínicos que estão sendo desenvolvidos, com resultados seguros e promissores, porém ainda não definitivos. O que impede um entusiasmo maior com os resultados obtidos até agora é que essa técnica é cara e de difícil acesso.

A transfusão de plasma não é exatamente uma novidade na ciência. Ela já vem sendo utilizada há mais de cem anos no controle de outras doenças infecciosas. Mais recentemente, foi aplicada no tratamento da SARS, MERS e Ebola. Mas, devido a complexidade do processo, não se imagina que seja usada em larga escala.

A expectativa maior, portanto, está nas vacinas. E muitos projetos já estão bem adiantados. É possível que a primeira vacina esteja pronta até o final deste ano. Até lá, o que resta fazer é manter o distanciamento social, fazer uso das máscaras de proteção facial  e conservar  as práticas de higiene pessoal.