Cidadeverde.com

Enfermeiros e fisioterapeutas ameaçam parar em represália a cortes de salário

O Piauí começa o mês de março sob forte apreensão com relação à saúde. A semana que passou terminou com o registro de 93 mortes em apenas sete dias, o maior número registrado nesse intervalo de tempo desde agosto do ano passado. Hoje, enfermeiros e técnicos de enfermagem do Hospital Municipal do Monte Castelo prometem fazer uma paralisação de advertência, a partir da 9h, contra o corte de salários de 30% a 60%, segundo os profissionais que trabalham lá.

Amanhã, terça-feira, o sindicato dos enfermeiros e técnicos de enfermagem, assim como o sindicato dos fisioterapeutas, convocam seus filiados para uma manifestação em frente à sede da Prefeitura de Teresina. Eles estão revoltados com o que consideram um desrespeito às categorias de saúde, em plena pandemia, quando encontram-se cansados e submetidos diariamente à pressão física e psicológica do enfrentamento à Covid-19. Sem falar no risco a que estão submetidos, muitos deles já infectados. Outros tantos, perderam a vida ao longo dos últimos onze meses.

Esses profissionais denunciam que sofreram corte no adicional de insalubridade, corte de adicional noturno, redução nos valores de plantão e corte de salários do setor Covid. É, de fato, um absurdo que trabalhadores que se arriscam desde março do ano passado, pondo a própria vida em risco e tendo que se afastar de suas famílias para não contaminá-las, sejam tratados sem o reconhecimento que merecem. Em vez disso, denunciam eles, veem seus contracheques reduzidos sem qualquer explicação.

Por meio de nota, a Fundação Municipal de Saúde informa que não houve redução de salário dos profissionais de saúde de Teresina. Diz a nota: “o que houve foi o fim do acréscimo temporário (até 31/12/2020) de 20% no valor da insalubridade, autorizado pelo Governo Federal”.

Os sindicatos contestam o conteúdo da nota. O Promotor de Justiça Eny Marcos Vieira Pontes já agendou uma reunião com as entidades que representam as duas categorias para a próxima terça-feira, receoso de que uma paralisação neste momento agrave ainda mais a já crítica situação da pandemia na capital.