Cidadeverde.com

RIOS QUE CHORAM

Teresina tem o privilégio de ser banhada por dois rios. E, mais ainda, de contar com o encontro desses rios na sua área urbana. No entanto, a cidade não está sabendo cuidar do seu patrimônio natural. Para ser justa, não é uma responsabilidade só de Teresina, mas de todo o Estado.

O Rio Parnaíba é o maior rio genuinamente nordestino e divide os Estados do Piauí e Maranhão. Nasce na chapada das Mangabeiras, no sul do Piauí, e percorre 1.450 km até desembocar no Oceano Atlântico, onde forma o Delta do Parnaíba, o único Delta em mar aberto das Américas. Um cenário deslumbrante que encanta a todos que o conhecem.

Nem precisa sair de Teresina para perceber o quanto o rio está maltratado. Os bancos de areia que se apresentam no leito do rio são o sinal mais visível do assoreamento e do desmatamento das suas margens, especialmente na região do Baixo Parnaíba.  De barco ou canoa, a visão é mais triste ainda. É possível ver esgotos sendo despejados nas águas do Velho Monge sem nenhum tratamento, poluindo um dos maiores tesouros que possuímos.

O Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba teve seus limites ampliados de 729.813 hectares para 749.848 hectares, mas não foi suficiente para garantir a proteção que o rio reclama. Hoje, no Dia Mundial do Meio Ambiente, o Parnaíba chora agonizante por falta de preservação. Os que o destroem parecem não entender que a sobrevida do rio está ligada diretamente à nossa própria existência.

O Rio Poty também sofre o descaso de quem deveria cuidar por sua saúde, ou seja, todos que dele se beneficiam. Mas a consciência ambiental ainda não foi incorporada pelos piauienses como uma necessidade para garantir a própria sobrevivência da espécie humana. Fossas são despejadas nas águas do rio, que acabam cobertas por uma incômoda camada de aguapés em parte da sua extensão urbana.

Os pescadores do Poty, uma tradição da zona norte, já não encontram mais peixe para pescar. E como poderiam? Como pode um peixe vivo viver fora da água limpa? População, empresários e Poder Público precisam entender que os rios Parnaíba e Poty não são apenas belas molduras para a nossa cidade, mas fonte de vida e  que  preservá-los  não é questão de opção, mas obrigação de cada um e de todos ao mesmo tempo.