Cidadeverde.com

O RESGATE DA IMAGEM DE OEIRAS

  • imagem99.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem88.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem77.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem66.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem55.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem44.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem33.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem22.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem15.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem14.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem13.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem12.jpg Carlos Rubens Campo
  • imagem10.jpg Carlos Rubens Campo

Oeiras esteve em festa neste final de semana para celebrar o retorno da imagem original da padroeira da cidade, Nossa Senhora da Vitória, que havia sido levada há mais de 50 anos da paróquia e encontrava-se em poder da família do Monsenhor Leopoldo Portela. A primeira capital do Piauí é uma cidade de reconhecida tradição religiosa e a ausência da imagem era motivo de frustração e tristeza para todos os moradores. Neste caso, história, cultura e religião se misturam, num enredo de mistério e muita negociação.

A imagem de Nossa Senhora da Vitória chegou a Oeiras no século XVII e, em 02 de março de 1697, presidiu a bênção da capela da pioneira freguesia dos “Sertões de Dentro do Piauhy”. Foi nesse local onde foi construída, depois, a atual catedral de Oeiras.

Por tradição dos oeirenses, a imagem, de origem desconhecida, mas provavelmente vinda da Bahia, era guardada por famílias abastadas da cidade. E foi assim que acabou nas mãos do Monsenhor Leopoldo Portela, que a trouxe para Teresina, onde ficou guardada até a semana passada.

Durante anos, toda a cidade se mobilizou para trazer a santa de volta. Houve intervenção até mesmo do  Ministério Público, além da habilidade imprescindível do Bispo D. Juarez Sousa da Silva, para que a imagem retornasse à paróquia de Nossa Senhora da Vitória.

A reentronização da santa começou com uma carreata que trouxe a imagem da entrada da cidade até o local da missa. O IPHAN, o Conselho Estadual de Cultura e o próprio Secretário de Cultura do Estado, Fábio Novo, fizeram questão de acompanhar tão aguardado retorno para  reforçar a importância da imagem para o patrimômio artístico, cultural, religioso e afetivo da cidade.

 

Foto: Carlos Rubem Campos