Cidadeverde.com

CAÇA ÀS BRUXAS NO CONGRESSO


Esta quinta-feira já está com cara de Halloween na Câmara Federal, pelo menos para seu presidente, o Deputado Eduardo Cunha (PMDB - RJ). O processo de caça às bruxas foi deflagrado e o Presidente deve ser notificado ainda hoje pelo Conselho de Ética para apresentar sua defesa. Ele terá dez dias para reunir os argumentos com que tentará escapar da cassação do seu mandato de deputado.


Rápido no raciocínio e hábil nas articulações , Eduardo Cunha, no entanto, terá uma árdua tarefa pela frente. O pedido de abertura do processo de cassação do seu mandato foi assinado por 50 parlamentares de vários partidos políticos, inclusive o seu, o PMDB. Além disso, movimentos sociais também  já se manifestam, pedindo o seu afastamento. E até os evangélicos levantaram a voz contra a permanência de Cunha na Câmara.
Mais do que manter contas secretas na Suíça, com dinheiro de origem suspeita, em nome de toda a família, o deputado cometeu um crime imperdoável aos olhos dos colegas: mentiu na CPI ao declarar que não possuía as tais contas.


O rastreamento bancário provou o contrário. Eduardo Cunha perdeu o discurso e agora não tem como justificar o dinheiro depositado clandestinamente na Europa. Até então, ele negava com toda veemência as afirmações feitas em delações premiadas da Lava Jato de que, também ele, teria sido contemplado com o dinheiro de propina desviado da Petrobrás.


Cunha e Dilma vêm se equilibrando em uma frágil corda bamba para manterem seus cargos. Como dois náufragos, apesar de se detestarem, um vinha se apoiando no outro, por meio de chantagens e ameaças. A situação está ficando delicada para ambos. As bruxas estão soltas e já não há mais muito o que fazer.