Cidadeverde.com

Livro do Papa lançado hoje em 86 países

O livro do Papa Francisco, O Nome de Deus é Misericórdia, vai ser lançado hoje simultaneamente em 86 países. Resultado de uma longa conversa com o jornalista italiano Andrea Tornielli, o livro traz em 144 páginas um libelo à misericórdia, tema central do seu pontificado. O Papa abriu no último dia 8 de dezembro o jubileu da misericórdia, que se estenderá até novembro deste ano.


Nesta obra, já aguardada pelos católicos do mundo inteiro, o Sumo Pontífice faz um apelo para que os homens exercitem a misericórdia e perdoem uns aos outros, como Cristo. E convida os padres a facilitarem o perdão dos pecados durante as confissões. Quando isso não for possível, diz ele, que seja dada ao menos uma bênção ao pecador.


Afinal, como lembra o próprio Papa no livro, "Deus é um pai zeloso, atento, pronto para acolher qualquer pessoa que dê um passo ou que tenha o desejo de dar um passo na direção de casa. Ele está ali a observar o horizonte, espera-nos, está já à nossa espera." É essa figura de um Deus próximo, humano, e presente que Francisco quer nos mostrar. E, sobretudo, mostrar aos padres da Igreja Católica.


Em um dos capítulos, o Papa faz uma revelação surpreendente e diz que quando entra em um presídio, pergunta-se: " Por que eles e não eu?".  O livro revela o que Francisco já vem realizando na prática. Mostra um homem de coração simples, misericordioso e atento aos mais pobres e feridos pela chaga social. Em determinado trecho, ele diz: "O Papa é um homem que precisa da misericórdia de Deus. Disse-o sinceramente, inclusive perante os prisioneiros de Palmasola, na Bolívia, perante aqueles homens e aquelas mulheres que me receberam com tanto afeto. Relembrei-os de que também São Pedro e São Paulo estiveram presos." 


Francisco pode até não saber, mas ele já está definitivamente preso ao coração dos fiéis que aprenderam a amar-lhe por sua simplicidade e generosidade de coração. É o Papa que caminha ao lado dos mais frágeis e que reconhece, humildemente, os pecados da própria Igreja e pede perdão por eles.