Cidadeverde.com

O breve voo de Caio

 

Quanto tempo vale uma vida? O tempo exato para deixar uma marca, uma lição,uma saudade. Tanto faz que seja 100 ou apenas oito anos. Este foi o breve tempo da longa jornada do garoto Caio Augusto Rodrigues, que comoveu todo o Piauí e deixou uma mensagem para os familiares e para os que acompanharam, de perto ou de longe, o seu drama.


Aos dois anos de idade, Caio foi diagnosticado com uma leucemia bastante agressiva que  o perseguiu  durante seis anos em que ele lutou diariamente na busca pela cura. O garoto de sorriso fácil e luminoso praticamente não conheceu a infância e seus sabores. Enquanto os meninos da sua faixa etária brincavam nos parques, ele estava internado, recebendo transfusões, tentando novos tratamentos.


O leito do hospital foi o cenário mais presente na vida do menino. Mas nem isso tirava-lhe o ânimo ou a esperança. Na maioria de suas fotos, ele aparece sorrindo, com uma candura de comover corações. Ele e a família, ao longo desses seis anos, ensinaram ao Piauí inteiro o sentido das palavras resignação, fé, confiança. Não lembro de ter ouvido ou lido uma só palavra de lamento ou reclamação da família. Havia um cinturão de amor tão forte em torno do Caio que todos nós aprendemos a amá-lo também, pela sua bravura, mas sobretudo pela sua ternura.


Algumas pessoas realmente têm passagem curta entre nós. Elas vêm com uma missão para deixar um ensinamento. Caio deixou vários. E será difícil esquecê-los. Mas os anjos são assim mesmo. Eles chegam, anunciam, deixam sua mensagem e partem de volta ao céu. Foi assim com o Caio também.Certamente, a família dele não é  mais a mesma de oito anos atrás. Ele veio para mostrar a extensão que o amor pode alcançar e como esse amor é capaz de vencer barreiras, superar obstáculos e resistir à dor. 


Agora, livre do sofrimento físico, Caio pode finalmente brincar como qualquer outra criança, sabendo que deixou aqui não apenas uma, mas várias sementes de esperança e também o verdadeiro significado da vida. Uma vida que não se mede pelo tempo cronológico, mas pela intensidade de emoções que se fortaleceram e que foram referência para tantas outras famílias. A partir de agora, pais e mães olharão seus filhos de um outro  jeito, menos preocupados com o conforto material que podem proporcionar-lhes e mais concentrados na porção amorosa que pode existir no relacionamento entre eles. Afinal, a vida pode ter a duração de um breve sopro que não pode ser desperdiçado.