Cidadeverde.com

Livro destaca a contribuição dos escravos na formação do Piauí

Um importante e imprescindível resgate da contribuição da mão de obra escrava na formação social do Piauí é contado em uma linguagem clara e acessível na obra da Professora Tânia Pires Brandão, relançada ontem pela Edufpi – Editora da Universidade Federal do Piauí. O livro, apesar de ter sido escrito como dissertação de mestrado da professora na Universidade Federal de Pernambuco, não carrega o peso da linguagem acadêmica, tampouco tem o propósito restrito aos que se enveredam pela área da pesquisa, mas, acima de tudo, é uma história bem contada, que desperta o interesse de todos quantos têm curiosidade sobre o Piauí.

A autora inicia o trabalho mostrando como surgiu a escravidão nas colônias americanas européias, muito mais por uma razão mercantilista que racista. O comércio que se firmava à época precisava de mão de obra em larga escala, que desse conta das vastas colheitas, sem as despesas salariais exigidas pelos trabalhadores da Europa. E para sustentar essa exploração, logo trataram de arrumar argumentos que a justificassem.

Aqui no Piauí, segundo a autora, a escravidão se fez presente desde o início do devassamento territorial, a princípio com os indígenas. Com o fortalecimento da pecuária, que marcou de forma definitiva a nossa colonização, a presença do escravo negro se tornou mais forte. Muitos deles chegavam ao estado junto com o gado e já na segunda metade do século XVII  o escravo foi utilizado de forma expressiva. A média era de 19,1 negros por fazenda, que se agrupavam em núcleos de 7,4 pessoas por cada unidade produtiva.

O livro nos ajuda a conhecer o passado para entender melhor o nosso presente e as desigualdades ainda hoje vividas pela sociedade piauiense. É uma obra que vai além do conhecimento histórico e que se abre como uma janela crítica para a percepção de cidadania. A Editora da UFPI vem desenvolvendo um competente trabalho na edição ou reedição de obras importantes para difusão do saber. E o livro “O Escravo na formação social do Piauí” é mais uma delas.