Cidadeverde.com

Menor é acusado de onze homicídios


Quase que diariamente, menores são apreendidos pela polícia, acusados da prática de diversos crimes. Um, no entanto, chamou a atenção pela repetição de atos delituosos. O menor conhecido por "Catita" foi apreendido em mais uma operação policial. Mas ele não é um menor qualquer. Durante a apreensão, os policiais revelaram que ele é hoje uma pessoa extremamente perigosa, acusada de participação em onze homicídios, além de comandar a guerra entre gangs rivais.


Há vários aspectos a serem observados nesse caso. O primeiro deles é como alguém com tão tenra idade pode transformar-se em um sujeito tão violento e temido. Esta é, ou deveria ser, a idade dos sonhos e planos. Sonho de estudar, de tornar-se um atleta, um músico, talvez. Ingressar no mercado de trabalho, namorar, casar, enfim, projetos comuns aos jovens. Em que momento, e por que motivo, o menor Catita desviou-se do caminho para entrar no mundo do crime? Esta é uma indagação que deveria incomodar a toda sociedade, especialmente ao poder público.


Nosso sistema estaria oferecendo oportunidades suficientes, e de qualidade, para quem opta por uma vida dedicada ao esporte, ao estudo ou ao trabalho? E a família? Esta deveria ser o primeiro lugar de educação e transmissão de valores como honestidade, ética, respeito e integridade. Mas muitas delas estão quebradas, despedaçadas, transformando um espaço de aconchego e carinho em lugar de brigas e discussões. Para muitas crianças e jovens, a desestrutura familiar torna o espaço das ruas, ainda que perigoso, mais sedutor que o de casa.


O outro questionamento vai para nossa estrutura judicial que permite que uma mesma pessoa, independente da idade, participe de onze assassinatos e, ainda assim, continue livre para praticar novos crimes. Se não há nenhuma experiência efetiva de ressocialização de jovens, como deveria acontecer, também não é razoável que alguém que há muito já deixou para trás a inocência da juventude possa continuar solto, amedrontando as famílias e tirando a vida de quem ainda sonha com um futuro melhor.