Cidadeverde.com

O governo está rifando o país

Preocupado em aumentar a receita do Brasil, que apresenta um rombo bilionário nas contas públicas, o presidente Michel Temer resolveu rifar o país. Ciente de que só o aumento de impostos não bastaria, até porque a população já está no limite da saturação para pagar mais tributos a um país que gasta muito e gasta mal, o caminho agora é privatizar.

Alguns setores que passarão para as mãos da iniciativa privada devem funcionar até melhor, porque o Estado brasileiro não tem mesmo como administrar uma infinidade de serviços com a lentidão que a burocracia impõe, enquanto a população espera agilidade no atendimento de suas necessidades.

A questão está na dosagem do remédio. A telefonia, por exemplo, mostrou-se muito mais eficiente depois que passou a ser administrada pelo setor privado. Mas daí a privatizar a Casa da Moeda, como é a pretensão do governo federal, anunciada ontem, já é um pouco demais. A moeda nacional é o símbolo de um país, sinal de sua soberania. Entregar a Casa da Moeda ao capital privado é desfazer-se não apenas de um serviço, mas de uma referência nacional. Lembremos que a Casa da Moeda é também a responsável pela confecção dos passaportes, documento que representa a cidadania  de um povo. Sim, os símbolos também são importantes em uma sociedade. Eles nos conferem o sentimento de nacionalidade, ou aquilo que chamamos de pertencimento a um povo.

Em um exercício de imaginação utópica, seria bem melhor pensar em rifar parte do Congresso, diminuindo o número de parlamentares e seus privilégios milionários, que encarecem e envergonham o povo brasileiro. Para alimentar o apetite insaciável dos deputados e senadores, no entanto, não falta dinheiro. O comércio realizado ali não conhece o significado da palavra crise, essa mesma que os brasileiros vêm enfrentando no seu dia a dia.