Cidadeverde.com

O homem que sabe demais

Lula mal encerrava a caravana pelo Nordeste, tentando recuperar o seu prestígio no reduto onde sempre obteve maioria, e a delação do ex-ministro e amigo pessoal, Antônio Palocci, cai como uma bomba sobre sua cabeça. Palocci era braço direito de Lula, chegou até mesmo a ser cotado para ser seu substituto no Planalto. Não havia negociação que não passasse por ele.

A proximidade e confiança existente entre Lula e Palocci no passado é justamente o que dá peso às suas palavras. Ele participou diretamente de todos os acordos e conversas entre o então presidente e os empreiteiros desejosos por obter vantagens nas contratações de obras públicas. Para serem atendidos nesses desejos, abriam os cofres generosamente.

O “italiano”, como consta nas planilhas da Odebrechet, resolveu falar e contar tudo o que sabe, inclusive confessando os próprios erros. Em um passado recente, Lula havia postado uma mensagem em seu twitter, declarando total apoio e confiança em Palocci.

O acordo de delação do ex-ministro nem chegou ainda a ser homologado, mas ele já deu muitas pistas do que sabe e do que ainda pode revelar. Falou sobre o pagamento de palestras a Lula no exterior, o sítio de Atibaia, o terreno do Instituto Lula e mais R$ 300 milhões de bônus para as despesas de campanha. São declarações extremamente comprometedoras.

Essa avalanche de denúncias veio exatamente na semana de estreia do filme Polícia Federal – A Lei é para Todos, que conta os bastidores da Lava Jato. Ontem, na sessão vespertina , a plateia aplaudiu espontaneamente ao final do filme. Sintoma de que as coisas não andam bem para a estrela petista.