Cidadeverde.com

Governo define novo piso do magistério

Já quase fechando as cortinas do ano de 2017, o governo anuncia uma boa notícia para o país. O Ministério da Educação baixou uma  portaria estabelecendo aumento de 6,81% para os professores, um índice de quase 4% acima da inflação prevista para este ano. A partir de janeiro de 2018, o valor do piso do magistério passa a ser de R$ 2.455,35.

É lógico que os professores merecem ganhar bem mais que isso.  Mas, ao conceder, pelo segundo ano consecutivo, um aumento superior à inflação, o governo começa a mostrar preocupação com o magistério, peça fundamental no tabuleiro da educação. E por que eu disse no início do texto que a notícia é boa para todo o país? Porque a valorização da educação ajuda não apenas a categoria dos professores, mas a nação inteira.

Quando a educação é de qualidade, o país se desenvolve, as desigualdades sociais diminuem, e a criminalidade, também. Com professores mais motivados, esperam-se melhores resultados em sala de aula. Esta é a única saída possível para o Brasil.

 

Interferência indesejada

 

O Piauí ainda não digeriu a morte da menina Emily em uma ação desastrada de dois policiais militares no dia do Natal. Ecoa em toda a sociedade o sentimento de indignação pelo despreparo dos PMs que roubaram a vida de uma inocente.

Nessa história, é bom lembrar que a culpa não pode recair somente sobre a polícia, mas também sobre a justiça que insiste em conceder liminares para que candidatos reprovados no teste psicotécnico assumam suas funções e portem armas, ameaçando a paz e a integridade das famílias. Se o teste psicotécnico não é para ser respeitado, por que, então, ele é exigido?

A judicialização dessa e de outras questões tem trazido uma série de problemas para a administração pública. Basta lembrar as decisões tomadas no frio gabinete dos juízes para obrigar médicos a internar pacientes em UTis, quando não há vagas nas mesmas. Neste caso, quem se responsabiliza pela vida do paciente que é obrigado a “ceder” sua vaga para o que chega por ordem judicial?