Cidadeverde.com

Basta de impunidade

Por uma trapalhada do nanico PEN ( Partido Ecológico Nacional), o Ministro Marco Aurélio Mello deixará de levar hoje ao pleno do Supremo Tribunal Federal a discussão sobre a prisão após a condenação em segunda instância. O prazo foi adiado por mais cinco dias. O partido recuou do pedido de liminar após perceber onde estava se metendo. O advogado Kakay tem interesse no caso por conta dos valores milionários das causas dos clientes que representa.

Acontece que o mesmo Supremo Tribunal Federal já discutiu a questão no recente ano de 2016, formando jurisprudência sobre o assunto. Há apenas dois anos, a Corte máxima da justiça brasileira decidiu pelo cumprimento da pena após a condenação em segunda instância. Por que mudar o entendimento agora? A serviço de quem?

A  impunidade tem servido como o maior estímulo para a prática de crimes de toda natureza no Brasil. Confiados na lentidão da justiça, criminosos de colarinhos branco, vermelho e azul desrespeitam a lei e cometem toda sorte de delitos. Muitas vezes, os crimes prescrevem, depois da interposição de sucessivos recursos, a depender de quanto o réu está disposto a pagar por uma boa banca de advogados.

A liberação de condenados após a segunda instância, que está sendo defendida agora para beneficiar o ex-presidente Lula, vai atingir também outros tipos de criminosos, como traficantes, assassinos e, até mesmo, pedófilos, como tratou de explicar o juiz Sérgio Moro. A nação brasileira, no entanto, está farta do compadrio entre poderosos e exige justiça, com o devido cumprimento da pena por parte dos réus.