Cidadeverde.com

Eles não aprenderam nada com a Lava-Jato

Alguns gestores públicos parece que não aprenderam nada com as recentes prisões desencadeadas pela Operação Lava-Jato, iniciada em 2014. Os que se acostumaram a meter a mão no dinheiro público se acham mais espertos que os demais e imaginam que o braço da lei nunca os alcançará. Para o bem da Nação, a realidade tem provado o contrário.

A prisão do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), hoje de manhã, como parte da Operação Boca de Lobo, é exemplo disso. É como se Pezão tivesse uma venda nos olhos e não visse o que está acontecendo com seu ex-chefe, Sérgio Cabral, também preso por desvio de dinheiro.

O esquema de recebimento de propinas do atual governador do Rio começou quando ele ainda era vice-governador de Sérgio Cabral, embora mantivesse “um esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”, como destaca a procuradora-geral da república, Raquel Dodge. E continuou até 2015, com a Lava-Jato já em pleno curso.

De acordo com os registros documentais, Pezão recebia uma mesada de R$ 150 mil e acumulou, de 2007 a 2015, mais de R$ 25 milhões, com recebimentos em espécie. Corrigida aos valores de hoje, essa quantia chega a R$ 39 milhões.

Quanta vergonha para os cidadãos cariocas ver um governador de estado sair do Palácio das Laranjeiras preso por corrupção ou, em linguagem mais corriqueira, por roubar o dinheiro da população, que trabalha e vive honestamente pagando seus impostos, à espera de receber serviços públicos de qualidade. Que mais esta prisão seja pedagógica aos novos gestores e que eles tenham a consciência de que o Brasil está mudando. A roda da corrupção, enfim, pode estar encontrando o seu freio.