Cidadeverde.com

O que não pode faltar na plataforma dos candidatos a prefeito de Teresina

A menos de um mês do primeiro turno das eleições municipais, outubro bate recordes de temperaturas elevadas. Nesta época do ano, Teresina chega facilmente à casa dos 40°C, com baixa umidade do ar e uma sensação térmica sufocante. Um combo de calor e desconforto que provoca problemas de saúde, afeta a concentração e compromete o rendimento escolar e laboral.

Por tudo isso, os teresinenses devemos ficar atentos às propostas apresentadas pelos candidatos a prefeito no tocante à sustentabilidade e aos projetos que permitam uma convivência menos sofrida com um clima tão hostil quanto o nosso. O que os candidatos falam sobre preservação do meio ambiente, áreas verdes, parques e coberturas vegetais? Há alguma proposta sobre a implantação de técnicas construtivas nos equipamentos públicos que privilegiem a arquitetura sustentável? Algum incentivo para quem planta e cultiva árvores nas suas calçadas?

Os eleitores precisam cobrar propostas ambientais de quem pretende administrar Teresina, já que este é um problema que tende a se agravar com o passar do tempo e o aumento da cobertura asfáltica e do desmatamento para construção de novos condomínios. Estudos científicos comprovam que as árvores conseguem reduzir a temperatura em até 5°C no seu entorno, melhorando o microclima à sua volta.

Com a transpiração das plantas, que é a saída de água da vegetação, acontece a redução da temperatura do ambiente. A arborização urbana contribui para a obtenção de um ambiente urbano agradável e tem influência decisiva na qualidade de vida na cidade. Vamos pensar nisso na hora de votar.

Uma celebração sem festa

O Piauí celebra este ano um dos aniversários mais tristes da sua história. Marcado pelo peso da pandemia que paralisou o mundo inteiro, o Estado também se viu obrigado a suspender as suas atividades econômicas, culturais, educacionais e esportivas. O resultado é um prejuízo incalculável, não só do ponto de vista financeiro, mas também da saúde e do aprendizado dos alunos. Só hoje, 19 de outubro, as primeiras aulas presenciais estão sendo retomadas. E, ainda assim, apenas para os alunos do terceiro ano do ensino médio e cursos preparatórios para o Enem, além dos estudantes do 8° período dos cursos de graduação.

Para completar, depois de um aparente controle da Covid-19, os números de novos casos da doença, assim como os de mortes, voltaram a subir de forma preocupante. Em parte, devido ao relaxamento das medidas protetivas por parte da população e, em grande parcela, por causa da campanha política que tem proporcionado aglomerações de norte a sul. É como se o voto tivesse mais valor do que a vida.

A situação tornou-se tão grave que o Ministério Público conseguiu um pacto com onze municípios piauienses onde os casos estavam em acelerado crescimento para que as campanhas políticas ficassem suspensas por quinze dias. Medida mais do que razoável, levando-se em consideração que até as aulas, que são bem mais importantes do que campanha eleitoral, foram suspensas.

Por tudo isso, a festa de aniversário do Piauí vai ter que ser postergada. Assim que tivermos uma vacina segura e que a doença estiver sob controle, poderemos comemorar a beleza do Piauí, como ele merece.

Governo prevê aplicação de vacina contra Covid-19 no 1° semestre de 2021

O Ministério da Saúde traz uma boa notícia para os brasileiros: o Brasil deve adquirir 140 milhões de doses de vacina contra o novo coronavírus para serem aplicadas no primeiro semestre do próximo ano. São 100 milhões de doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, mais 20,2 milhões de doses do programa global Covax Facility, uma iniciativa que acompanha o desenvolvimento de várias possíveis vacinas contra a Covid-19. Como seriam duas doses, somam 40 milhões ao todo.

O Ministério da Saúde já destinou R$ 1,9 bilhões para a compra da vacina de Oxford, que irá transferir a tecnologia de produção para a Fiocruz, e R$ 2,5 bilhões para o projeto Covax. É um aceno promissor para um espaço de tempo relativamente curto quando se trata da produção de novas vacinas, que costumam levar bem mais tempo que isso.

A estimativa do governo é iniciar a aplicação das vacinas já no primeiro trimestre do ano que vem, caso elas sejam aprovadas pela Anvisa como seguras e eficazes. É possível, no entanto, que ocorra um atraso, uma vez que elas ainda se encontram em fase de testes e os estudos não foram concluídos.

Os especialistas alertam, porém, que a aplicação da tão sonhada vacina não significa o fim dos cuidados de prevenção, nem uma volta absolutamente tranquila ao antigo modo de vida, porque não se sabe ainda o grau nem o tempo de imunização desses produtos que estão sendo desenvolvidos. Os melhores remédios, por enquanto, ainda são o cuidado e a paciência.

 

Disparo em massa de conteúdo eleitoral pelo WhatsApp pode levar à cassação da chapa

O Ministério Público Regional Eleitoral vai estar de olho, nestas eleições, em candidatos que utilizam o disparo em massa pelo WhatsApp, prática proibida pelo Tribunal Superior Eleitoral desde o ano passado. Mesmo assim, há empresas especializadas nesse tipo de serviço assediando os candidatos.

É bom lembrar que o uso de disparo em massa pelo WhatsApp pode implicar multa e, em última instância, ação eleitoral por abuso do poder econômico e até mesmo a cassação da chapa. Os candidatos também não podem coletar dados das pessoas nas redes sociais ( instagram e facebook) sem o consentimento dos usuários, já que esse procedimento infringe a Lei Geral de Proteção de Dados, em vigor desde o mês de setembro.

As redes sociais têm sido decisivas nas últimas eleições com influência no resultado final do pleito. Isso vem acontecendo no mundo inteiro e o exemplo mais notório foi o da eleição do presidente Donald Trump, nos Estados Unidos. No Brasil, as redes sociais também tiveram papel importante na eleição do presidente Jair Bolsonaro. O assunto é abordado no excelente documentário O Dilema das Redes, em exibição na Netflix.

Por isso mesmo, os órgãos de controle prometem apertar a fiscalização nessa área. E os eleitores também devem colaborar, denunciando o abuso caso sejam alvos desse tipo de disparo.

Posts anteriores