Cidadeverde.com

Teresina, cidade acolhedora

Teresina celebra hoje os seus 167 anos de fundação. Não sou teresinense de nascimento. Aqui cheguei, vindo de Água Branca, no interior do Piauí, aos 15 anos, para dar prosseguimento aos meus estudos.

O ano era 1978, quando Teresina festejava seu 126º aniversário. Dos meus 57 anos, 41 anos foram vividos aqui, dispensando algumas boas oportunidades para morar fora.

Portanto, mais teresinense, impossível! Teresinense, a princípio, por necessidade e, depois, por opção. Teresinense, como se diz, de coração!  

Quando aqui cheguei, há quatro décadas, a capital recebia, então, os primeiros sopros de modernidade, mas tinha ainda o aspecto de uma cidade acanhada, com jeito interiorano.

As novas avenidas asfaltadas, bem iluminadas e ajardinadas; as praças pavimentadas com pedras portuguesas e resfriadas por fontes luminosas; o teatro novinho em folha; o estádio Albertão e os novos palácios e edifícios, as esculturas da Igreja da Vermelha – eram conquistas muitos recentes. E me fascinavam.

A essas eram acrescentadas outras conquistas que enchiam os olhos de sua gente, com a autoestima em alta, diante desses novos cartões postais.

Aí entravam a bela reforma da Praça Saraiva, a construção da Praça-Monumento Da Costa e Silva, o Centro de Convenções, o Verdão, a restauração da Igreja de São Benedito e a implantação do maior projeto de abastecimento de água da história da capital, com capacidade para atender a sua população até o ano 2000.

Era também um tempo de forte corrente migratória, com milhares de pessoas sendo atraídas, principalmente, para os grandes conjuntos habitacionais que espichavam a cidade para outras regiões.

De lá para cá, vi muitas outras transformações nas feições urbanística, humana e sentimental de Teresina, que a tornaram uma outra cidade bem diferente daquela que conheci há quatro décadas.

Um traço, porém, se mantém inalterado, atravessando os tempos e resistindo às mudanças. É do espírito acolhedor, que não faz distinção entre seus filhos de berço e os adotivos.

Todos são abraçados com o mesmo afeto e o mesmo fervor pela cidade hospitaleira.

Então, no que pese todos os problemas comuns às cidades do seu porte, como o da mobilidade urbana e o da violência, Teresina ainda guarda, na exuberância de seu verde, na mansidão das águas de seus rios e no aconchego de seu calor – ambiental e humano, já cantados em versos mil – aquela mão estendida, o coração aberto e o espírito contagiante da cidade acolhedora.

É isso que nos cativa.

Parabéns, Teresina! 

 

Bolsonaro costura nova relação com o Nordeste

Fotos: Wiiliam Souza

O presidente Bolsonaro em Parnaíba

 

Entre mortos e feridos, escaparam todos na primeira visita oficial do presidente Jair Bolsonaro ao Piauí. Ele foi ontem a Parnaíba para participar das comemorações alusivas aos 175 anos da cidade, visitar um megaprojeto de fruticultura irrigada e inaugurar uma escola do Sesc que funcionará no modelo militar.

O governador Wellington Dias foi recepcioná-lo no aeroporto de Parnaíba e o encontro entre os dois ocorreu sem curtos-circuitos. Foi o primeiro encontro do presidente com um governador nordestino depois que ele chamou de “paraíbas” os governadores do Maranhão e da Paraíba.

Antes de visitar o Piauí e depois do choque com os governadores de oposição, o presidente fez outras duas viagens ao Nordeste, ambas à Bahia, porém não foi recebido pelo governador Rui Costa (PT), com quem andou trocando farpas través das mídias sociais.

Wellington Dias aproveitou o encontro institucional e protocolar com o presidente para reforçar o interesse do Piauí na retomada do projeto Tabuleiros Litorâneos: “Recebemos o presidente da República com o devido respeito e ao lado da comitiva fizemos um sobrevoo sobre os Tabuleiros Litorâneos com fruticultura irrigada e que tem uma das maiores produções de frutas orgânicas do Brasil. Agradeci pelo povo do Piauí pela retomada dos investimentos que vão ampliar produção e mais trabalho na região com esse projeto”, disse Wellington. 

No mesmo tom

A cortesia do governador do Piauí não alterou, contudo, o tom político do discurso do presidente. Ele deixou claro que vai esticar a corda com os governadores nordestinos até o fim, se eles não soltarem a ponta dela.

Bolsonaro ressaltou, no entanto, que não fechou porta para nenhum governador. O presidente reclamou que eles é que se reuniram e fizeram uma frente política contra seu governo, querendo separar o Nordeste do resto do Brasil. E isso, avisou, ele não vai admitir.

Jogando mais lenha na fogueira da tensão entre o governo federal e os governadores nordestinos, ele afirmou que a reforma da Previdência deve ser aprovada no Senado com os Estados fora das mudanças, já que os governadores não moveram uma palha para aprovar a PEC na Câmara dos Deputados.

Em discurso para a multidão no aeroporto de Parnaiba, ele garantiu que vai varrer "a turma vermelha do Brasil", em referência ao PT e aos seus aliados da esquerda.

 

Bolsonaro quebra o protocolo e se aproxima da multidão

Canal direto

Bolsonaro deixou claro também que vai procurar estabelecer um canal direto com os prefeitos do Nordeste e com o povo.

Em Prnaíba, ele quebrou o protocolo diversas vezes para ficar mais perto da multidão que o assediava. Também chegou a parar o carro oficial para cumprimentar e abraçar moradores de uma rua da cidade, no trajeto da comitiva presidencial.

O prestígio que deu ao prefeito Mão Santa é também um indicativo dessa nova postura do Planalto. O presidente convidou também para a sua comitiva o prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), e o presidente da APPM, Jonas Moura.

Com isso, Bolsonaro dá início a uma nova era nas relações do poder central com os políticos do Nordeste, cujas lideranças regionais passaram os últimos 15 anos alinhadas ao projeto do PT.

Ficou evidente que os tempos, agora, são outros.

 

Enfrentando a fera

O governador Wellington Dias decidiu ontem que irá a Parnaíba recepcionar o presidente Jair Bolsonaro, que faz hoje a sua primeira viagem oficial ao Piauí e a terceira ao Nordeste em menos de um mês.

O presidente vem para as festividades alusivas ao aniversário de Parnaíba, a convite do prefeito Mão Santa, que é seu amigo; visitar projeto do governo federal da área de irrigação (Tabuleiros Litorâneos) e inaugurar obras.

Wellington Dias estava dividido quanto à sua presença hoje em Parnaíba. Chegou até a cogitar uma viagem a Brasília, nesta quarta-feira, para evitar o encontro com Bolsonaro.

Ele deve ter avaliado, até ontem, que não iria se sentir confortável ao lado de um presidente que soltado a língua contra os governadores nordestinos.

Prevaleceu, no entanto, o seu lado pragmático. Talvez o governador pouco tenha ganhar indo recepcionar o presidente. Mas teria a perder, pois seria candidato a entrar na lista dos "paraíbas".

Nela já estão com lugar garantido os governadores do Maranhão e da Paraíba.

A expectativa era, no entanto, a de que, ao final, Wellington comparecesse à recepção ao presidente em sua primeira visita ao Piauí.

O governador Wellington Dias é um político de diálogo fácil, sem dúvida o mais ponderado dos governadores oposicionistas.

Ele sabe temperar suas discordâncias e diferenças com os adversários com um tom adequado às críticas. Não é de excessos nem de chiliques. Assim, mais uma vez, ele decide com maturidade política.

Dessa forma, o governador faz a sua parte, portando-se como estadista. Que o presidente também faça a dele!

 

 

Foto: Yala Sena/Cidadeverde.com

A escola que será inaugurada hoje em Parnaíba

Queda e coice

A Justiça Federal decidiu ontem negar o pedido de suspensão da inauguração da Escola do Sesc, hoje, em Parnaíba.

E decidiu também negar o pedido de retirada do nome do presidente Jair Bolsonaro da escola.

Duas derrotas para os que ingressaram com ação popular contra a iniciativa na Vara Federal Cível e Criminal da SSJ de Parnaíba.

A decisão foi assinada pelo juiz federal José Gutemberg de Barros Filho.

Em ruínas

Em sua decisão, o juiz destaca: “Reputo fato público e notório na cidade de Parnaíba que o prédio onde funcionará a escola, aparentemente tombado por sua importância histórica e cultural, estava há muito tempo abandonado e deteriorado, de forma que os atos de reforma, revitalização e utilização do mesmo para fins educacionais estão em conformidade com a finalidade pública e o interesse social.”

Efeito contário

Sobre o pedido de suspensão da solenidade: “(...) Depreendo, pelo contrário, perigo de dano inverso, na medida em que se está na iminência do evento, onde o Poder Público e a entidade do terceiro setor já arcaram com os preparativos e a organização, contando com a participação de diversas autoridades públicas municipais, estaduais e federais. Isso sem falar no constrangimento e contratempo, decorrentes de uma suspensão às vésperas do evento, pelo qual passarão as autoridades e os convidados que programaram o seu deslocamento para participar da solenidade marcada para ser realizada no “Dia de Parnaíba”.

E o nome?

E sobre o novo nome do estabelecimento: “Quanto ao nome a ser dado à escola, tem-se que o prédio e os serviços a serem prestados serão custeados e realizados pela FECOMÉRCIO/PI, entidade paraestatal que possui normas internas de administração e gerenciamento, bem como de fiscalização. Mostra-se, pois, controversa a questão jurídica quanto à vedação de a entidade conferir nomes de pessoas vivas em seus estabelecimentos.”

Stand by

O presidente do Sistema Fecomércio Sesc/Senac, Valdeci Cavalcante, informou ontem à noite que, por cautela, a entidade chamou melhor colocar nome da escola somente após a inauguração.

Para tanto, ele pretende conversar hoje com o presidente Bolsonaro, que, embora informado, ainda não confirmou se aceitava a homenagem.

 

 

* O economista Raul Velloso seguiu ontem a Parnaíba, para fazer palestra na II Semana de Economia da Universidade Federal do Delta.

* O evento se realiza dentro da Semana do Economista e homenageia o ex-ministro Reis Velloso, irmão dele.

* Raul Velloso foi a Parnaíba acompanhado da esposa e do sobrinho Assis Veloso, professor da Universidade Federal do Piauí.

* Acompanham hoje o governador Wellington Dias em sua viagem a Parnaíba os secretários de Governo, Osmar Junior, e de Saúde, Florentino Neto, ex-prefeito da cidade.

 

 

Te cuida, Fábio Novo!

A Academia Piauiense de Letras e a Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan) lançaram, na sexta-feira passada, o livro ‘Integração Nacional da Economia Brasileira e Transamazônica: Desenvolvimento Rural e Urbano’, de autoria do professor Raimundo Nonato Monteiro de Santana. O secretário de Planejamento, Antônio Neto, brindou os presentes com uma bela programação cultural, incluindo palestra do professor Feliciano Bezerra sobre a obra literária do escritor Chico Buarque, performance de Assunção e Carol e interpretação de canções do artista por Dimas Bezerra. Quando foi saudar os presentes, o presidente da Academia, Nelson Nery Costa, não se segurou e arrancou gargalhada da plateia:

- E faço uma saudação especial ao secretário Antônio Neto, que, pelo visto, está querendo o lugar do Fábio Novo (secretário de Cultura).   

Teresina ganha mais 500 salas de aula

Fotos: Divulgação/PMT

A inauguração do CMEI Ramsés Ramos, na zona Sudeste de Teresina

 

Teresina ganhou, nos últimos 5 anos, perto de 500 salas de aula, na rede municipal de ensino.

Para se ter uma ideia deste feito, basta lembrar que, no primeiro governo Alberto Silva (1971-1975), quando o Piauí deu o maior salto de sua história na construção de escolas públicas, as salas de aula feitas no período não chegaram a 1.000, em todo o Estado.

Naquela época, jorrava dinheiro farto das torneiras do Ministério da Educação. Era o tempo do "milagre brasileiro". E o secretário de Educação do Piauí era o professor Wall Ferraz.

Teresina consegue hoje esse desempenho com o país mergulhado em profunda crise econômica e, portanto, com grande escassez de recursos públicos.

A melhor escola

Mas isso não é tudo. Apesar desse avanço fenomenal na abertura de novas salas de aula, nos últimos 5 anos, Teresina é também a cidade brasileira com menor custo por aluno entre todas as capitais do país.

Não bastasse, é ainda a capital com a melhor avaliação do Ministério da Educação, ou seja, a que alcançou maior Nota do Ideb, nas séries iniciais e nas finais do ensino fundamental.

No popular, conforme o Ideb, Teresina é a capital com melhor ensino público do Brasil. Aí um esforço ccontinuado de mais de 20 anos em busca da qualidade na escola pública.

Inauguração

Essas conquistas foram celebradas ontem, na inauguração do Centro Municipal de Educação Infantil Ramsés Ramos, no residencial Deus Quer, no bairro Bom Princípio, zona Sudeste de Teresina.

A nova creche já está em pleno funcionamento e foi entregue como parte da programação oficial do Aniversário de Teresina, atendendo até 380 crianças.

Durante a solenidade, que contou com a presença de pais, secretários municipais, vereadores, líderes comunitários, técnicos da Secretaria Municipal de Educação e outros convidados, o prefeito Firmino Filho destacou o compromisso de sua gestão com a educação.

“Chegamos até aqui com muito trabalho, priorizando a educação acima de tudo. E ainda temos muito a fazer. Cada escola inaugurada é uma oportunidade a mais. Assim, entregaremos muitas outras nos próximos dias”, adiantou.

 

A nova escola é inaugurada em pleno funcionamento

Matrícula recorde

O novo CMEI chama atenção pela estrutura grandiosa e a bela arquitetura, com espaços devidamente climatizados e arejados.  A escola funcionará com turmas a partir do berçário, recebendo crianças de 6 meses de idade a 5 anos.

Já são 25 mil crianças matriculadas nessas escolas, de um total de mais de 92 mil matrículas em toda a rede municipal, um recorde.  

O Centro Municipal de Educação Infantil Ramsés Ramos possui salas de aulas climatizadas, sala multiuso, refeitório, solário, pátio coberto e todos os espaços com acessibilidade.

A obra custou um total de R$ 2.736.963,82, recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e da Prefeitura Municipal de Teresina.

Segundo o secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma, já foram investidos cerca de R$ 60 milhões na Educação Infantil nos últimos sete anos.

Foto: Arquivo

Poeta Ramsés Ramos

A homenagem

O CMEI homenageia o poeta, tradutor, advogado, músico e jornalista piauiense Ramsés Ramos, que faleceu em Moscou, em 20 de setembro de 1998, aos 35 anos de idade.

Poliglota, ele acompanhava o então presidente do Superior Tribunal de Justiça, Pablo Ribeiro, em visita oficial à Rússia, na condição de chefe do Cerimonial de Relações Exteriores do STJ.

Ele morou em vários países e foi assessor da presidencia da Organização Internacional de Jornalistas (OIT), sediada em Praga.Foi assessor também da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), em Brasília.

Sua produção literária foi interrompida pela morte inesperada, mas ele deixou uma consistente obra poética, reunida em livros que publicou e em outros que foram editados postumamente.

A família participou da inauguração, através de seus irmãos Garibaldi, Carla e Renzo Bahury Ramos. Amigos do poeta, como o jornalista e escritor Kenard Kruel, também se fizeram presentes à homenagem.

Saudade e gratidão

Ramsés Ramos foi meu colega no curso básico (1º ano do ensino médio), em 1978, na Escola Técnica Federal do Piauí, hoje IFPI.

Ele é um dos autores biografados em meu livro “Sociedade dos Poetas Trágicos”, lançado em 2004 e com segunda edição de 2006.

O livro focaliza 10 poetas piauienses que morreram jovens. Entre eles, estão ainda Mário Faustino, Toquato Neto e Lucídio Freitas.

O escritor Zuenir Ventura, da Academia Brasileira de Letras, recebeu este livro com surpresa e entusiasmo: “Não é em qualquer lugar que se pode encontrar um livro só sobre os que se foram antes, como “Sociedade dos Poetas Trágicos”.

A justa e merecida homenagem da Prefeitura de Teresina a Ramsés Ramos, 21 anos depois de seu falecimento, encheu de saudade e gratidão a sua família e a todos nós que tivemos o privilégio de conviver e aprender com ele.

Bolsonaro quer chuva de honestidade no Nordeste

Foto: Cidadeverde.com

A canção citada por Bolsonaro fala da exploração política da seca

 

Às vésperas de uma nova viagem oficial à região – a terceira, em menos de um mês, para participar do aniversário de Parnaíba e de inaugurações na cidade.– o presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem que o Nordeste “sempre precisou” de uma “chuva de honestidade”. 

Ele fazia referência à canção com esse título, de autoria do compositor e cantor pernambucano Flávio Leandro, que faz uma crítica contundente à exploração política da seca.

Bolsonaro conversava descontraidamente com admiradores e com cinegrafistas que o aguardavam à saída do Palácio da Alvorada.

Em um gesto inusitado, o que está se tornando uma característica pessoal dele, Bolsonaro pegou o microfone da TV Globo e fez um pedido à emissora e às demais TV’s:

“Eu queria que a Globo botasse no ar um vídeo com uma canção lá do Nordeste que se chama ‘Chuva de honestidade’. A Globo e as demais emissoras de televisão, porque eu acho que é uma canção mais velha que eu, (de) 1954, e que o Nordeste sempre precisou foi disso, chuva de honestidade. E o Brasil agradece”, afirmou.

Canção-denúncia

O presidente acertou na escolha da canção, mas se equivocou quanto ao ano de sua composição. Seu autor tem apenas 50 anos e só entrou no mundo artístico depois de 1995.

A música-denúncia que trata do mesmo tema e que é dos anos 50 é o baião de Luiz Gonzaga e Zé Dantas intitulado “Vozes da seca”.

Flávio Leandro sofreu influência musical de Luiz Gonzaga e várias composições suas já viraram sucesso nas vozes de Flávio José, Elba Ramalho e outros artistas nacionais.

Além de compositor e cantor, Flávio Leandro é auditor fiscal da Receita Estadual de Pernambuco.

Seria demais exigir que Bolsonaro, que certamente não sabe mais que a letra da “Canção do Exército” e talvez algumas músicas de sofrência, tivesse essas informações.

Mas valeu a dica!

Música vetada na campanha

Conforme o site  OP9 – que integra o Sistema Opinião: TV Clube/Record (Pernambuco), TV Ponta Negra/SBT (Rio Grande do Norte), TV Borborema/SBT (Campina Grande), TV Manaíra/Band e Rádio Band News FM (João Pessoa) e TV Ponta Verde/SBT (Alagoas) – em 2018, em resposta a uma postagem da música em um perfil de apoio ao então candidato a presidente pelo PSL, o cantor proibiu o uso da canção por todas campanhas políticas do segundo turno.

Eis a letra da música recomenda ontem pelo presidente e, abaixo, o link para o vídeo da canção postado em seu canal no Youtube pelo artista:

 

“Quando o ronco feroz do carro pipa, cobre a força do aboio do vaqueiro
Quando o gado berrando no terreiro, se despede da vida do peão
Quando verde eu procuro pelo chão, não encontro mais nem mandacaru
Dá tristeza ter que viver no sul, pra morrer de saudades do sertão

Eu sei que a chuva é pouca e que o chão é quente
Mas, tem mão boba enganando a gente, secando o verde da irrigação
Não! Eu não quero enchentes de caridade, só quero chuva de honestidade
Molhando as terras do meu sertão

Eu pensei que tivesse resolvida, essa forma de vida tão medonha
Mas, ainda me matam de vergonha, os currais, coronéis e suas cercas
Eu pensei nunca mais sofrer da seca, no nordeste do século vinte e um
Onde até o voo troncho de um anum, fez progressos e teve evolução

Israel é mais seco que o nordeste, no entanto se investe de fartura
Dando força total na agricultura, faz brotar folha verde no deserto
Dá pra ver que o desmando aqui é certo, sobra voto, mas, falta competência
Pra tirar das cacimbas da ciência, água doce que regue a plantação.”

(Reprodução: cifrasclub.com.br)

 

Música "Chuva de honestidade":

https://www.youtube.com/watch?v=yQd-EhAXY8Y

 

A nova escola do Sesc e a homenagem a Bolsonaro

Foto: jornaldaparnaiba.com

A fachada principal da nova escola do Sesc

 

Um equipamento que bem poderia ser recebido com festa por todos no Piauí transformou-se em alvo de uma acirrada polêmica nos últimos dias.

Trata-se da nova escola do Serviço Social do Comércio Comercial (Sesc), em Parnaíba, a ser inaugurada na próxima quarta-feira, dia 14, no aniversário da cidade, com a presença do presidente da República.

A nova escola está sendo instalada em um antigo prédio histórico, que de 1927 até o final da década de 1950 abrigou o Ginásio Parnaibano, símbolo de orgulho da cidade, situado na avenida principal do centro histórico, a Getúlio Vargas, antiga Rua Grande.

Com o passar do tempo, o velho ginásio, por onde passaram personalidades do quilate de Alberto Silva, Chagas Rodrigues e Reis Velloso, foi desativado.

Outros estabelecimentos de ensino funcionaram sucessivamente no prédio. Por último, ele abrigou o Curso de Direito da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), que transferiu-se para outras instalações.

Foto: jornaldaparnaiba.com

O prédio antes da reforma

Às traças

Assim, há anos, o velho e majestoso prédio estava entregue às traças, todo deteriorado, com sua estrutura física comprometida e sem que ninguém, absolutamente ninguém, quisesse assumir a responsabilidade por ele.Desde 2013, estava interditado pelo Corpo de Bombeiros.

Ofícios e outra papelada correram de mão e mão, de gabinete em gabinete, cobrando uma imediata intervenção no prédio, antes que ele viesse a desabar. Todos os signatários fizeram ouvido de mercador.

O Sistema Fecomércio Sesc/Senac, que tem em sua bagagem um história de empreitadas semelhantes, como a completa restauração do prédio da antiga União Caixeiral, também no Centro de Parnaíba, transformado no belíssimo Centro Cultural Ministro Reis Velloso, abraçou a ideia da recuperação do prédio do velho Ginásio Parnaibano, com o apoio da Prefeitura de Parnaíba.

Foto: Divulgação/Sesc

A história da escola em bronze

A nova escola

Em tempo recorde, pôs o prédio novamente de pé, dando-lhe nova roupagem, com mobiliário de primeira qualidade e equipamentos de primeiro mundo, restaurando a sua missão de educar, sua beleza arquitetônica e a sua dignidade histórica. Cada passo foi devidamente acompanhado pelo Iphan.

A nova escola vai funcionar com 400 alunos do ensino fundamental, nos dois turnos, com a metodologia pedagógica do Sesc. A grade curricular inclui disciplinas como Educação Moral e Cívica, lições de civismo, patriotismo e respeito aos símbolos nacionais.

Os alunos vão aprender pelo menos dois idiomas estrangeiros, a tocar dois instrumentos musicais e a praticar dois tipos de esporte.

No primeiro momento, oferecerá as séries do ensino fundamental e, à medida que as turmas forem concluindo o curso, será ofertado o ensino médio. A escola só começa a funcionar em janeiro, mas a procura já é grande.

Um de seus atrativos será a formação profissional com a participação do Senac Piauí, onde estudantes vão aprender lições de empreendedorismo. A ideia é formar empresários, empreendedores, geradores de empregos.

O estopim da polêmica

Mas aí veio o estopim da polêmica: a escola terá disciplina militar, até buscando resgatar uma tradição histórica da cidade. Parnaíba já teve uma escola militar, no século 19, e uma Academia de Polícia, no Governo Mão Santa.

Isso, porém, não é tudo: a Direção Regional do Sesc decidiu dar à sua nova escola o nome do presidente Jair Bolsonaro.

Por uma coisa ou pela outra, ou pelas duas, os críticos do governo viram aí uma boa oportunidade para entrarem de penetra na festa. E abriram nas mídias sociais as suas baterias contra a escola e a homenagem.

Ninguém mais lembra do estorvo que era o velho e abandonado prédio, pelo qual os incomodados de agora não moveram uma palha no sentido de recuperá-lo e atribuir-lhe uma função social.

Agora, com tudo zelosamente feito, aparecem até muitos ‘pais da criança’, com falsas certidões de nascimento em mãos.

É o Piauí, onde quem faz tem que enfrentar ainda a fúria de quem não faz!

Fotos: Divulgação/Sesc

O mobiliário da nova escola do Sesc, em Parnaíba

 

Farinha pouca, meu pirão primeiro

Começou a discussão da próxima grande reforma, na área tributária. É a pauta principal da economia neste segundo semestre.

E os governadores, especialmente os do Nordeste, já quase de pires na mão, defendem a unificação de tributos regionais (ICMS e ISS).

Mas a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) reagiu. Em nota, a entidade destacou a "necessidade urgente" de simplificação do sistema tributário brasileiro para melhorar o ambiente de negócios no país e promover a geração de emprego e renda.

Porém, de saída, os prefeitos batem o pé em pelo menos uma questão: que a arrecadação do ISS continue a cargo dos municípios.

"Não abrimos mão que o ISS continue como um imposto de esfera municipal, sem ser incorporado por nenhum outro ente, porque sabemos que, se isso ocorrer, os municípios sairão perdendo, ou seja, em última instância, a população perde", destacou a frente.

O posicionamento foi após uma reunião do Fórum de Secretários de Fazenda e Finanças dos Municípios, esta semana, em Brasília.

De acordo com a FNP, o ISS é o imposto que menos impacta na competitividade no país.

Além disso, as prefeituras, segundo a Frente, já têm feito a lição de casa no sentido de modernizar a arrecadação desse tributo.

Em resumo, que ninguém toque no ISS na reforma, a não ser para aumentar as receitas dos municípios, o que não parece ser o caso.

Então, como ensinava o genial e irreverente Stanislaw Ponte Preta, de saudosa memória, “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

 

 

Sem dono

Após a tragédia no Parque Rodoviário, em abril deste ano, decorrente do rompimento de uma barragem clandestina construída em um imóvel da região, ninguém quis se apresentar como dono do terreno. Ninguém.

E seguiu-se um jogo de empura-empurra que não sei se já acabou.

Pais da criança

Agora, em Parnaíba, dá-se o contrário: um prédio escolar que estava entregue às traças há anos, deteriorando-se, sem ninguém querer de assumir a responsabilidade por ele, já interditado pelo Corpo de Bombeiros, foi recuperado pelo Sesc e transformado em um dos cartões postais da cidade.

Bastou isso e todo dia aparece alguém se apresentando como dono do imóvel.

Que tal?

A Caixa e o Nordeste

A bancada do Nordeste acertou ontem com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, a instalação de uma equipe para acompanhar diretamente a relação entre a instituição e a região.

A informação foi dada ontem pelo coordenador da bancada nordestina, deputado federal Júlio César (PSD-PI), após encontro dos parlamentares do Nordeste com o presidente da Caixa.

Segundo Júlio César, o investimento da Caixa na região é pífio.

- Depois do Norte, somos a região com menor número de investimentos feito pela Caixa – reclamou.

Foto: Divulgação

Novo livro - A governadora em exercício Regina Sousa, o ex-governador Wilson Martins, o reitor da Ufpi, Arimatéia Dantas Lopes, a vice-reitora Nadir Nogueira, o presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery, e o presidente da Academia de Medicina do Piauí, Itamar Costa, entre os que prestigiaram o lançamento, ontem à noite, do novo livro do neurocirurgião Benjamin Pessoa Vale. A obra recebeu o título de “Retrato inconcluso”.

 

 

* O médico e ex-deputado estadual Gérson Mourão faleceu ontem, em Teresina, aos 90 anos.

* Na Câmara Municipal de Teresina, a previsão é de que pelo menos cinco partidos desaparecerão após as próximas eleições.

* Hoje 15 partidos têm representação na Casa, em sua maioria nanicos sem condição de repetir nas urnas as suas façanhas das eleições passadas.

* Além do FGTS, com R$ 260 milhões do saque imediato, o PIS vai liberar pelo menos R$ 40 milhões no Piauí a partir de setembro.

* A informação é do superintendente estadual da Caixa, Jonathan Valença, que está montando esquema especial nas agências para atender ao público.

 

 

O tempo

Do humorista Fraga:

- Eu sou do tempo que o tempo dava tempo.

Da China, Wellington rebate críticas de Bolsonaro

O governador Wellington Dias está na China, em viagem oficial, há quase uma semana, porém atento ao que acontece no Brasil.

De Pequim, ele mandou um despacho rebatendo as novas críticas do presidente Jair Bolsonaro, para quem os governadores do Nordeste querem dividir o país.

Segundo Wellington Dias, as declarações presidente são incompreensíveis. Ele disse que, pelo contrário, os governadores nordestinos estão é trabalhando muito pelo Brasil.

O governador defendeu também o Consórcio Nordeste, criado pelos governadores dos nove estados da região e também criticado pelo presidente Bolsonaro.

Wellington Dias afirmou que o consórcio facilita a atração de investimentos externos para o Nordeste e que ele tem ainda projetos voltados para previdência pública, conectividade e segurança.

Para o futuro, o Consórcio almeja o desenvolvimento conjunto em frentes como educação e turismo, segundo o governador.

Sem fundamento

De fato, neste aspecto, a crítica do presidente ao Consórcio Nordeste soa descabida.

Se se trata de uma frente política dos governadores nordestinos para enfrentar o presidente, aí é já outra história...

Porém, se vai funcionar da forma como indica o governador Wellington Dias, unindo as forças políticas do Nordeste com vistas ao desenvolvimento regional, não existe sentido para as críticas.

Os governadores do Sul e do Sudeste também criaram seu consórcio agora. Trata-se do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), que reúne os sete Estados das duas regiões.

São membros desse Consórcio os governadores Eduardo Leite (RS), Carlos Moisés (SC), Ratinho Júnior (PR), João Doria (SP), Wilson Witzel (RJ), Renato Casagrande (ES) e Romeu Zema (MG).

Não consta até agora que o presidente tenha feito alguma crítica a qualquer um desses governadores pela criação do Consórcio deles.

 

 

Foto: Divulgação/Ascom-Faepi

Posse da nova Diretoria da Faepi, presidida pelo deputado Júlio César

Posse na Faepi

A nova Diretoria e o Conselho Fiscal da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Piauí (Faepi) tomou posse ontem, em Teresina, para o período 2019-2023.

Reconduzido à presidência da Federação para um novo mandato, o deputado federal Júlio César (PSD) destacou a parceria e o fortalecimento dos sindicatos rurais e também os trabalhos realizados à frente da entidade, como a conquista da renegociação das dívidas rurais.

Metas

Júlio César disse que entre as metas da nova gestão estão a de trabalhar para a segurança no campo, pelo aumento de oferta de créditos junto ao Banco do Nordeste e diminuição de encargos financeiros, além de melhoria da infraestrutura.

Representantes do Sistema S, do Governo do Estado, produtores, presidentes e representantes de sindicatos rurais e colaboradores do Sistema Faepi Senar–Pi prestigiaram o evento, realizado no auditório do Sebrae.

Saque do FGTS

O saque imediato do FGTS, liberado pelo Governo Federal, vai injetar só no Piauí mais de R$ 260 milhões, a serem distribuídos entre 800 mil trabalhadores inscritos no programa.

A informação é do superintendente estadual da Caixa Econômica Federal, Jonathan Borges.

Os saques começam em 13 de setembro, no limite máximo de R$ 500 por conta.

Política sempre

O almoço de aniversário do ex-deputado Heráclito Fortes, em Brasília, repercutiu nos meios políticos.

O site O Antagonista publicou declarações do ex-parlamentar sobre o governo Bolsonaro.

Tudo ou nada

Conforme Heráclito Fortes, “Este governo é aquela história: ‘Pode acontecer tudo, inclusive nada’. Mas ninguém aposte no fracasso dele [Bolsonaro]. Porque, no campo dele, ele joga bem. Bolsonaro desagrada muita gente, mas acerta de vez em quando. E até 2022, ele teria tempo de reverter eventuais desgastes”.

Foto: Divulgação

Lançamento - O neurocirurgião Benjamim Pessoa Vale lança hoje, a partir das 19 horas, na Livraria Anchieta, o seu segundo livro. Em “Retrato inconcluso – abrindo os olhos para enxergar o mundo”, um livro de crônicas, o autor, na construção de uma espécie de autorretrato, mostra um cidadão comum, um sertanejo transformado pela educação, que carrega o sertão na alma, no olhar e nos gestos.

 

 

* A pensão por morte poderá ser inferior ao salário mínimo. Foi o que decidiu ontem o plenário da Câmara dos Deputados.

* Os deputados rejeitaram uma proposta de mudança na reforma da Previdência impedindo que a pensão por morte fosse menor que um salário mínimo.

* O texto principal da reforma foi aprovado pelos deputados, em 2º turno, na madrugada de ontem, por 370 votos a favor, 124 contra e 1 abstenção.

* A expedição de uma carteira de trabalho dura pelo menos 40 dias. Isso em um país com mais de 12 milhões de desempregados.

 

 

República da Caserna

Sobre a presença de militares no Planalto, o ex-deputado constituinte Heráclito Fortes declarou, no almoço pelo seu aniversário, com a presença de políticos, conforme registro do siste O Antagonista:

- O Brasil é hoje uma República da Caserna, porque o povo quis assim.  Quem tem que se acostumar com isso somos nós [políticos tradicionais].

Ninguém quis rebater Bolsonaro por preconceito contra "governador ladrão"

Todo mundo acompanhou: em conversa informal com um de seus ministros, gravada pela imprensa, o presidente Jair Bolsonaro chamou governadores do Nordeste de “paraíbas” e quase cai uma banda do mundo.

Os governadores, com os brios feridos, imediatamente publicaram nas redes sociais uma nova carta aberta ao presidente acusando-o de estar discriminando a região.

Bolsonaro, que não foge de uma briga, por mais besta e sem futuro que ela seja, disse que sua crítica não era genérica e que estava falando particularmente de dois governadores – o do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) e o da Paraíba, João Azevêdo (PSB).

Nova carga

O presidente Jair Bolsonaro voltou na segunda-feira ao Nordeste. Foi a segunda visita dele à região em menos de um mês. E na próxima semana ele vem ao Piauí.

Nessa segunda visita, Bolsonaro veio inaugurar a primeira etapa da usina solar flutuante, instalada pela Chesf em Sobradinho, na Bahia, e não deixou pedra sobre pedra.

O presidente afirmou que governadores da região "fazem politicalha" e querem transformar o Nordeste "em uma Cuba".

E voltou a negar que tenha agido com preconceito contra os nordestinos, quando chamou governadores do Nordeste de ‘paraíbas’.

Na Bahia, o presidente voltou a carregar nas tintas. E descarregou:

- (...) Não existe esta questão de preconceito. Eu tenho preconceito é com governador ladrão que não faz nada para o seu estado.

Sem resposta

Desde ontem, estou, como muitos outros, aguardando uma nova carta aberta dos governadores do Nordeste, desta vez cobrando satisfação pela nova declaração do presidente.

Não é possível que eles, os governadores, que ficaram tão melindrados quando se sentiram chamados de “paraíbas”, não tenham se incomodado quando Bolsonaro afirma que tem preconceito com governador ladrão. Ou vão fazer de conta que não foi com eles?

Os governadores nordestinos estão na obrigação de vir a público novamente e exigir que o presidente aponte quem é governador ladrão.

Eles não podem simplesmente calar e aceitar a carapuça.

Todos sabem que, pelo seu modo desassombrado e sem freio na língua, Bolsonaro prontamente vai dizer quem é que é ladrão.

Ou então vai dizer que, mais uma vez, foi mal interpretado e, assim, ninguém, entre os governadores, carregará nas costas a pecha de ladrão.

Coragem, governadores! Cadê a carta?

 

 

Foto: Divulgação

Rafael Fonteles apresenta aos governadores, em Brasília, proposta para reforma tributária

Reforma Tributária

O secretário da Fazenda, Rafael Fonteles, apresentou ontem em Brasília, no Fórum dos Governadores, a proposta do Comsefaz (Comitê de Secretários Estaduais de Fazenda, Receita ou Tributação dos Estados) para a Reforma Tributária. Rafael Fonteles é o presidente do Comsefaz.

Ele disse que os governadores fecharam consenso em torno dos principais pontos da proposta do Comitê, especialmente o que assegura a gestão e autonomia dos Estados sobre o ICMS.

Emenda substitutiva

Segundo Rafael Fonteles, a proposta dos Estados modifica oito pontos da PEC 45, que propõem o novo sistema de tributação do país, de autoria do deputado Baleia Rossi, que já está em discussão na Câmara Federal.

O texto final da proposta dos Estados será fechado na próxima terça-feira, dia 13, em Brasília. Segundo Rafael, a proposta deverá ser apresentada como emenda substitutiva à PEC 45.

A Lava Jato e o Piauí

O site O Antagonista publicou ontem que o governador Wellington Dias (PT) ficou apreensivo com a 62ª fase da Lava Jato, deflagrada na semana passada para investigar o Grupo Petrópolis, dono da cervejaria Itaipava.

O site lembra que no primeiro mês de seu terceiro mandato, em 2015, Wellington Dias concedeu isenção fiscal ao fabricante da cerveja Itaipava por 15 anos.

“Não foi um benefício qualquer: tratava-se da isenção de 90% do ICMS”, enfatiza.

A isenção

Ainda ontem, o Governo do Estado divulgou nota sobre o assunto, veiculada no mesmo site. É a seguinte:

“O Governo do Estado informa que o benefício fiscal à Cervejaria Itaipava foi concedido ainda no governo Wilson Martins. A portaria chegou a ser alterada no governo Zé Filho, onde foi concedido outro benefício fiscal para a cervejaria. No governo Wellington Dias houve alteração no decreto que, posteriormente, foi revogado para que o Governo avaliasse o impacto da concessão do benefício. Por decisão judicial, o benefício foi restabelecido. Hoje, em virtude da Lei complementar 160/17, todo o histórico de benefícios foi legalmente convalidado.”

Heráclito

O ex-deputado Heráclito Fortes (DEM) não veio este ano para a tradicional missa em ação de graças pelo seu aniversário, no Santuário da Vila da Paz, mas a data não passou em branco. 

Os 69 anos do ex-parlamentar foram comemorados em sua casa, no Lago Sul, área nobre de Brasília, onde recebeu a visita de outros sem-mandato, como Marcus Pestana (PSDB), Danilo Forte (PSDB) e José Carlos Aleluia (DEM).

E tome conversa sobre política!

 

 

* A Maternidade Dona Evangelina Rosa será interditada novamente a partir de hoje pelo Conselho Regional de Medicina.

* Os médicos conselheiros fizeram uma vistoria de avaliação no hospital e recomendaram a nova interdição, aprovada pelo Conselho.

* A ausência de leitos disponíveis, a presença de lodo nos banheiros, chuveiro com vazamento estão entre as irregularidades encontradas.

* Foram anotadas também infiltrações nos tetos com mofo, mau cheiro, cadeiras com revestimentos rasgados e pisos descolando.

 

 

O teste das urnas

Quando soube que o vice-prefeito Luís Júnior está arrumando as malas para deixar o MDB e seguir viagem com o prefeito Firmino Filho, o presidente do partido, em Teresina, deputado Themístocles Filho, ex-padrinho político do emedebista, deixou escapar:

- Para alguém se tornar um líder político reconhecido, é bom que comece como vereador e ganhe outras eleições.

Eletrobras garante no Supremo que não deve ao Piauí e quer é receber R$ 1,3 bi pela Cepisa

Sabe aquela ação judicial do Governo do Piauí cobrando cerca de R$ 800 milhões do governo federal, a título de indenização pela venda da Cepisa?

Pois bem! A Eletrobras apresentou a sua defesa, na quinta-feira passada, junto ao Supremo Tribunal Federal. A contestação foi encaminhada à relatora do processo, ministra Rosa Weber.

A Eletrobras informa que, no dia 31 de maio deste ano, foi realizada audiência de conciliação na qual, após proposta formulada pelo Estado do Piauí, foi proferida uma decisão da ministra.

Nessa decisão, Rosa Weber determinou a suspensão do processo pelo prazo de 60 dias, para que as partes pudessem analisar a possibilidade de uma composição sobre o objeto da ação.

Prejuízo

A Eletrobras alega que, após detida análise interna de todo o histórico e dos fatos relacionados ao caso da Cespisa, verificou ser inviável a realização do acordo proposto.

E garante que essa operação com o Governo do Piauí deu foi prejuízo à empresa.

Conforme ainda a defesa da Eletrobras, quando ocorreu a federalização da Cepisa, em 1997, a companhia estava no vermelho.

Mas esse não foi o principal motivo para o governo federal decretar a federalização.

Segundo a Eletrobras, isso se deu porque a precária situação operacional da Cepisa, à época, estava travando o desenvolvimento do Piauí.

A Eletrobras informa ao Supremo que aportou mais de R$1 bilhão e 600 na Cepisa, desde o início da federalização, sem qualquer retorno do capital investido.

E mais: de acordo ainda com a Eletrobras, a Cepisa é que deve hoje R$ 1 bilhão e 300 milhões à empresa.

Como diria Deoclécio Dantas, o seribolo está criado! Ao invés de pagar R$ 800 milhões cobrados pelo Governo do Piauí, a Eletrobras quer é receber R$1 bilhão e 300 milhões do cobrador, pois de acordo com a defesa, na época da federalização o Governo do Estado não assumiu as contingências da empresa.

 

 

Foto: Pablo Cavalcante/Rádio Cidade Verde

Deputado Julio César, coordenador da Bancada do Nordeste

Pingos nos is

O coordenador da Bancada do Nordeste, deputado federal Júlio César (PSD-PI), informou ontem que o café da manhã com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, será na próxima quinta-feira, em Brasília.

O encontro com os parlamentares nordestinos foi marcado pelo próprio presidente da Cef, para explicar como estão os investimentos da Caixa na região, no Governo Bolsonaro.

Queda

Na semana passada, o jornal O Estado de São Paulo revelou que a Caixa reduziu a concessão de novos empréstimos para o Nordeste.

O jornal apurou, em levantamento baseado nos números do próprio banco e do sistema do Tesouro Nacional, que o Nordeste recebeu cerca de R$ 89 milhões em empréstimos concedidos pela Caixa, de janeiro de 2019 até o mês passado.

Discriminação

O valor é equivalente a apenas 2,2% do total distribuído para todo o País no mesmo período, R$ 4 bilhões.

Em 2018, a região recebeu 21,6% dos R$ 6 bilhões concedidos pela Caixa em operações para governos regionais. 

Júlio César garantiu que a bancada não aceitará qualquer discriminação à região.

Foto: Álvaro Carneiro

Os governadores de São Paulo e do Piauí na China em busca de investidores

Negócio na China

O governador Wellington Dias iniciou, ontem, uma série de encontros na China. A primeira reunião foi com membros do Conselho da China para a Promoção do Comércio Internacional (CCPIT).

Foram discutidas oportunidades de investimentos das empresas no Brasil, com destaque para o Nordeste. 

Abrindo portas

 “Essa primeira agenda permitiu uma aproximação do nosso estado com a CCPIT, o que abre caminhos para estreitarmos relações entre empresas da China no Piauí e as do Piauí na China, já que o CCPIT hoje representa o interesse de aproximadamente 200 mil empresas e funciona como o braço governamental que faz o acompanhamento, a integração para as áreas de comércio exterior, importação e exportação e também centraliza e acompanha as empresas chinesas que investem em outros países e as empresas de outros países também que investem na China”, destacou Wellington.

Foto: Divulgação/Sebrae-DF

Mais empresas - O Sebrae-DF lançou ontem em Brasília o Programa Cidade Empreendedora. O objetivo do programa, a ser executado em parceria com o Governo do Distrito Federal, é fortalecer o pequeno empresário e incentivar o surgimento de novos empreendedores. O investimento será de R$ 6 milhões. Da esquerda para a direita, João Henrique Sousa, diretor Administrativo Financeiro; Rose Rainha, diretora Técnica; José Humberto, secretário de Governo; Jamal Bittar, presidente da Fibra e do Conselho do Sebrae DF; governador Ibaneis Rocha e o superintendente do Sebrae DF, Waldir Oliveira. A solenidade foi no Palácio do Governo de Brasília.

 

 

* O vice-prefeito Luís Júnior jogou as cartas na mesa: vai seguir o grupo do prefeito Firmino Filho na sucessão de 2020.

* Ele foi indicado para o cargo pelo presidente do MDB de Teresina, deputado Themístocles Filho, que agora está em outra.

* O emedebista quer lançar o ex-deputado Dr. Pessoa como candidato a prefeito, em uma chapa de oposição, tendo o deputado Robert Rios como vice.

* O deputado federal Júlio César toma posse amanhã, às 9h, no segundo mandato de presidente da Federação da Agricultura do Piauí.

 

 

Aviso aos navegantes

Do presidente Jair Bolsonaro, ontem, em Sobradinho, na Bahia, dando nova estocada nos governadores nordestinos, que se sentiram discriminados por ele:

- (...) Não existe esta questão de preconceito. Eu tenho preconceito é com governador ladrão que não faz nada para o seu estado.

Posts anteriores