Cidadeverde.com

Centenário do Padre Lira passa em brancas nuvens

Foto: Gustavo Almeida

Padre Lira. Ao fundo, a sede da Fundaçao Ruralista, em Dom Inocêncio

Passou em brancas nuvens o centenário de Manuel Lira Parente, o Padre Lira, transcorrido na última quarta-feira, dia 4.

O padre Lira foi uma das personalidades mais importantes do sertão do Piauí e se destacou, principalmente, pela sua intensa e longa atuação na área da educação e na luta contra os efeitos da seca no semiárido.

Muitas de suas ações no sertão foram consideradas pioneiras e transformaram radicalmente as vidas de milhares de pessoas.

O Padre Lira começou a sua trajetória na educação ainda aos 13 anos de idade, em 1932, quando ensinava os filhos dos vaqueiros a ler e escrever.

Num primeiro momento, foi professor em Bom Jesus do Gurgueia, sua terra natal; logo em seguida, transferiu-se para São Raimundo Nonato, onde fundou o Ginásio Dom Inocêncio.

Opção pelos pobres

O professor Cineas Santos, nascido na região e ex-aluno do Ginásio Dom Inocêncio, escreveu uma crônica à época do falecimento do Padre Lira, em setembro de 2015, aos 96 anos de idade, destacando que, ordenado em 1945, o sacerdote fez a sua opção preferencial pelos pobres bem antes de a expressão entrar em voga.

“E sabia que só poderia quebrar o círculo da miséria por meio da educação. Sem vacilar, se fez educador.

A fazenda que herdou do pai foi vendida para a construção do Ginásio Dom Inocêncio, em São Raimundo Nonato, em 1948.

Dirigido por ele, com mão de ferro, o velho educandário tornou-se um referência no sertão do Piauí.”

Foto: Gustavo Almeida

Sede da Fundação Ruralista, no município de Dom Inocêncio

A Fundação Ruralista

A Fundação Ruralista, criada por ele no final da década de 1950, com sede a 10 quilômetros da zona urbana de Dom Inocêncio, fez o município ser destaque várias vezes em publicações nacionais, pelas ações desenvolvidas em uma área na qual o governo era completamente ausente.

A Fundação foi criada na região mais isolada do Piauí e mudou a realidade dos sertanejos com serviços totalmente gratuitos. A entidade sobreviveu com doações nacionais e de outros países.

Através da Fundação, o Padre Lira implantou escolas na caatinga, abriu estradas, foi o pioneiro na construção de cisternas com captação de água da chuva, instituiu ensino de bordado para mulheres e fez a primeira maternidade rural do Piauí.

Também promoveu campanhas de vacinação, adquiriu soro antiofídico e construiu aguadas em toda a região.

O modelo educacional na rede de escolas capitaneada pelo padre tinha a grade curricular adaptada à realidade social, econômica e climática da região e chegou a ter material didático elaborado exclusivamente para a entidade.

O objetivo era oferecer educação e condições dignas que fizessem o sertanejo ficar na terra natal.

Na política

Além do trabalho social através da Fundação Ruralista, ele também foi figura importante na política da região. Foi prefeito de São Raimundo Nonato entre 1955 e 1958.

Após fundar o município de Dom Inocêncio, no coração da caatinga, em 1988, governou a cidade por três mandatos, sendo o último deles encerrado em 2007, quando tinha 89 anos.

Dom Inocêncio, a 615 km de Teresina, entrou no noticiário nacional, no final da década de 1980, por ser um município que zerou o analfabetismo.

Imagem: Reprodução

Jornal Correio Braziliense - 18 de julho de 1989

A história do padre

O livro “Um homem contra a seca”, da escritora inglesa Peggie Benton, lançado na Inglaterra em 1972, e traduzido no Brasil, é uma das principais obras sobre a saga do sacerdote piauiense.

Em 2016, o escritor Marcos Damasceno, ex-aluno da Fundação Ruralista e atual vice-prefeito de Dom Inocêncio, publicou a biografia do seu fundador, intitulada “Padre Lira. Monumental homem de Deus”.

O jornalista Gustavo Almeida, outro ex-aluno da Fundação Ruralista, informou que desde 2016 luta-se pela instalação de um memorial na Fundação Ruralista.

O espaço contará a história do padre Manuel Lira Parente e da própria Fundação. Até agora, o memorial não passou de um sonho.

Foto: Cidadeverde.com

Padre Lira, em uma de suas últimas fotos

 

Muito do que o Padre Lira construiu, a duras penas, já foi destruído, como enfatiza Cineas Santos, em sua crônica.

Mas ele deixou um legado que desafiará o poder corrosivo do tempo: o exemplo de educador arrojado.
Esta, a lembrança que fica do Padre Lira, na passagem do centenário dele.