Cidadeverde.com

Manchas de óleo avançam e prejudicam a pesca no Piauí

Foto: Agência Brasil

Litoral nordestino: poluição das praias tem origem desconhecida e combate lento

 

As manchas de óleo que poluem as praias do litoral nordestino desde o início de setembro avançaram, informou o Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA), formado pela Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e pelo Ibama.

As manchas de óleo cru já atingiram 268 localidades em 94 municípios de todos os estados nordestinos, numa extensão de 2,5 mil quilômetros.

No Piauí, conforme a Marinha, seis praias foram afetadas pelas manchas que estão poluindo a costa da região Nordeste.

Os últimos registros aconteceram no dia 30 de setembro, nas praias de Atalaia, Peito de Moça e Coqueiro - em Luís Correia - e Pedra do Sal – em Parnaíba. O primeiro caso foi registrado no dia 28 de setembro na praia do Arrombado, e no dia seguinte em Cajueiro.

A pesca do camarão

O desastre ambiental afetou ainda o ecossistema do Delta do Parnaíba, entre os estados do Piauí e Maranhão. A contaminação pode quebrar o ciclo de diversas espécies marinhas do litoral brasileiro, com impacto também socioeconômico nas comunidades que vivem no seu entorno.

O governo federal proibiu a pesca de três espécies de camarão na divisa do Piauí com o Ceará. A medida extraordinária, assinada pelo Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes Cordeiro, foi tomada em virtude das manchas de óleo que atingem o litoral do Nordeste.

De 1º de novembro a 31 de dezembro desse ano não podem ser retirados do mar camarões rosa (Farfantepenaeus subtilis e Farfantepenaeus brasiliensis), branco (Litopenaeus schmitti) e sete barbas (Xiphopenaeus kroyeri).

Durante o período do defeso fica vedado o transporte, a estocagem, o beneficiamento, a industrialização e a comercialização de qualquer volume de camarões das espécies proibidas.

Segundo o governo, a situação é excepcional "em decorrência da grave situação ambiental resultante de provável contaminação química por derramamento de

Prejuízos

Na Câmara Federal, os deputados que são membros da Comissão Externa criada para apurar as responsabilidades pela contaminação do litoral do Nordeste por petróleo criticaram ontem a lentidão do governo federal em tomar providências para conter as manchas de óleo antes da chegada às praias.

Os parlamentares também lamentaram os prejuízos que serão causados ao turismo na alta estação, já que há relatos de voos e pacotes sendo cancelados.

Os integrantes da comissão questionaram ainda a edição da instrução normativa (IN 52/19), do Ministério da Agricultura, proibindo a pesca de várias espécies de camarão e lagosta em pontos específicos do Nordeste.

A comissão marcou nova reunião para hoje, ao meio-dia, para votar requerimentos com solicitações de providências às autoridades.

O governo ainda não sabe como controlar esse tipo de poluição.

(Com informações da Agência Câmara e Cidadeverde.com)