Cidadeverde.com

O caos no Hospital Regional de Picos

Reprodução: Facebook

No Hospital de Picos, pacientes aguardaram atendimento no chão

 

Um vídeo que mostra pacientes agonizando e deitados no chão, à espera de atendimento, no Hospital Regional Justino Luz, em Picos, tomou conta dos portais de notícia, do noticiário de TV e das redes sociais esta semana.

A Fundação Estatal Piauiense de Serviços Hospitalares (Fepiserh) confirmou que as imagens são do Hospital Justino Luz e alegou que o caso ocorreu devido à superlotação.

A nota acrescenta que “em razão das festividades de final de ano, junto ao fato da maioria dos hospitais de pequeno porte da região estarem fechados ou de recesso, a procura pelo Hospital Justino Luz foi bastante superior a média, superando a capacidade instalada do hospital.”

As imagens mostram também alguns dos pacientes próximos a um entulho, dentro do hospital.

Conforme nota da Secretaria Estadual de Saúde, isso aconteceu porque o hospital está passando por uma reforma.

Quadrilha

Coincidência ou não, esse caos no Hospital Regional Justino Luz é mostrado apenas três meses depois que um esquema criminoso foi desbaratado pela Polícia Federal no município de Picos.

A operação Peloponeso, deflagrada no dia 4 de setembro pela PF, teria desviado mais de R$ 17 milhões de recursos do Ministério da Saúde.

Esses recursos, segundo a Polícia Federal, deveriam ser aplicados no tratamento de pessoas com deficiências física, auditiva, visual ou mental.

A PF informou ainda que, para canalizar o atendimento dos pacientes para duas clínicas particulares de Picos, o Serviço de Reabilitação no Hospital Regional Justino Luz foi desativado.

As investigações apontaram que o dinheiro desviado por uma das clínicas seria suficiente para custear o tratamento de 400 mil pacientes.

Se essa gente sem coração foi capaz de roubar o dinheiro destinado ao atendimento dos deficientes, certamente teve peito também para surripiar outras verbas da saúde.

Daí porque, embora chocante, não estranha a calamidade que tomou conta do Hospital de Picos.

Foto: Divulgação

Comissão de Saúde da Assembleia faz inspeção no Hospital de Picos

Estrebaria

Mas não é de hoje que se fazem denúncias relacionadas às precárias condições de atendimento no Hospital Regional de Picos.

O Conselho Regional de Medicina, após inspeções in loco, já determinou a interdição do hospital e de sua maternidade.

No final de maio passado, a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa também fez uma vistoria no hospital.

À época, a deputada Teresa Britto (PV), presidente da Comissão, pediu a interdição de uma das alas.

A parlamentar visitou o hospital juntamente com os deputados Gustavo Neiva (PSB), Francisco Costa (PT) e Lucy Soares (PP). 

“Alguns setores do hospital parecem mais uma estrebaria. Isso é uma vergonha e um descaso com a população. Vamos pedir ao Conselho Regional de Medicina a interdição da ala mais crítica do hospital para melhorias emergenciais”, adiantou a deputada.

Reforma 

A reestruturação do Hospital de Picos foi iniciada em 2016, mas as obras foram embargadas devido a um problema com a empreiteira que tocava a obra, que terminou o contrato com o Governo do Estado.

A Secretaria de Saúde informou que a reforma foi retomada há poucos dias por determinação da Justiça.

O Hospital Justino Luz atende a 60 municípios da região de Picos.

Foto: Divulgação

Reforma do Hospital de Picos, iniciada em 2016, foi suspensa e retomada