Cidadeverde.com

Leônidas Melo e seu tempo

Imagens: Reprodução

Capas do livro de memórias de Lêonidas Melo (1ª ed - 1976) e (2ª ed. 2019)

 

Poucos políticos do Piauí escreveram suas memórias. Um deles foi Lêonidas de Castro Melo, nascido em Barras, em 1897.

Médico de largo prestígio, ele foi também o político piauiense que passou mais tempo no governo, no século 20.

Governou o Estado por dez anos, a partir de 1935, na Era Vargas. 

Seu período foi de muitas realizações, sendo a maior delas a modernização de Teresina, na onda das reformas urbanas do Estado Novo.

Sua obra mais lembrada é o Hospital Getúlio Vargas, inaugurado em 1941.

Ele implantou também a primeira rede de esgotamento sanitário da capital, para servir ao recém-construído HGV.

Tempos de fogo

Mas sua época foi marcada também por grandes agitações na política estadual e ainda por episódios rumorosos, como os incêndios dos casebres de palha, em Teresina.

Leônidas Melo governou com mão de ferro e aposentou três desembargadores arbitrariamente, porque eles se negaram a aprovar o nome de um irmão dele, que era juiz, para o Tribunal de Justiça.

Ele deixou o Palácio de Karnak derrotado nas urnas e humilhado.

Era, porém, de uma honorabilidade inatacável. Apesar de tanto tempo de poder e de mando, deixou o governo mais pobre do que entrou.

Sofreu privações financeiras e teve que vender leite de vaca para completar a renda familiar.

Elegeu-se deputado federal em 1950 pelo PSD (Partido Social Democrático), do qual foi um dos fundadores.

A seguir, foi eleito para o Senado da República, cumprindo aí seu último mandato eletivo, que se concluiu em 1963.

Memórias

Em 1976, nas comemorações de seus 79 anos, publicou “Trechos do meu caminho”, o seu livro de memórias. Morreu cinco anos depois.

A primeira edição estava esgotada há muitos anos e a segunda acaba de sair pela Academia Piauiense de Letras.

No prefácio da nova edição, o professor e acadêmico Dilson Lages, barrense como Leônidas Melo, afirma que o autor “legou algumas das mais belas páginas do memorialismo na literatura piauiense.”

É uma obra que ajuda no conhecimento e na compreensão de um dos períodos mais ricos e mais conturbados da história do Piauí, no século passado.