Cidadeverde.com

São Paulo tem é a aprender com Teresina

Há quem diga que o eleitor piauiense é muito pouco exigente, pois aprova sem pestanejar os seus governantes, por menos que eles façam. Quem lança essa crítica é porque certamente não tem acompanhado a desenvoltura do prefeito de São Paulo, João Dória Jr. (PSDB). Desde a posse, ele tem protagonizado uma sucessão de factóides e vem sendo aplaudido por isso.

O prefeito começou o seu mandato, no início de janeiro passado, vestido de gari. E aprontou outras de lá para cá. A revista Veja desta semana traz uma reportagem informando que Dória completou um mês no cargo consagrado como um fenômeno no Facebook: postou 31 vídeos sobre a sua rotina e obteve em média 1,4 milhão de visualizações em cada um.

Uma das peças, em que visitava uma unidade de saúde no bairro Butantã, teve 4,2 milhões de visualizações. São números de fazer inveja a qualquer ídolo youtuber, como destaca a revista. Nesse vídeo, o prefeito entra na unidade e, de cara, pergunta às servidoras se “está faltando muita coisa”. No final, telefona ao secretário da área, repassa os pedidos e arremata com uma frase de efeito: “A saúde tem urgência!”.

Ontem, o prefeito paulistano fez sucesso na grande mídia de São Paulo andando de ônibus...

Ou São Paulo estava muito mal de administração, mas muito mal mesmo, até dezembro passado, ou está muito carente agora, ao ponto de se deleitar com essas peripécias midiáticas do prefeito.

Ora, nos anos 50 do século passado, o prefeito Jânio Quadros, cujo centenário está sendo lembrado em 2017, já lançava mão desse tipo de expediente. Era comum ele fazer visitas de surpresa às repartições públicas, escolas, postos de saúde, etc, a fim de verificar a qualidade do serviço oferecido à população. E angariar popularidade, naturalmente.

Era de se esperar que São Paulo já tivesse virado essa página e que não fosse na onda de um prefeito que procura impressionar através dessas pirotecnias.

Em Teresina, por exemplo, desde o seu primeiro mandato, em 1997, o prefeito Firmino Filho, tucano como Dória, tira dois dias da semana para visitar bairros e vilas, a fim de inspecionar obras, conversar com a comunidade e ouvir suas reclamações. É uma tradição que vem desde os tempos do prefeito Wall Ferraz. Todos os seus sucessores a seguiram.

Essas visitas do prefeito de Teresina, de tão rotineiras, já nem dão mais mídia. Neste aspecto, São Paulo tem a aprender com Teresina e botar o seu prefeito para trabalhar de verdade.

 

 

A teoria e a prática

O professor e sociólogo Fernando Henrique Cardoso passou a vida escrevendo livros sobre a política e a governança.

Quando ele assumiu a presidência, viu que na prática a teoria é outra, como ensinava Joelmir Beting.

Passou

No exercício do governo e passando sempre por cima de suas teses acadêmicas, ou seja, fazendo o contrário do que pregava em seus livros, FHC foi posto contra a parede. Aí ele não encompridou a história:

- Esqueçam o que escrevi!

Impedimento

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, indicado ontem para a cadeira do falecido ministro Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal, defendeu em sua tese de doutorado, apresentada na Faculdade de Direito da USP, em julho de 2000, que, na indicação ao cargo de ministro do STF, fossem vedados os que exercem cargos de confiança "durante o mandato do presidente da República em exercício".

Gratidão

Com essa proposta de impedimento, Alexandre de Moraes buscava evitar "demonstração de gratidão política".

Por esse critério, ele próprio estaria hoje impedido de ser indicado pelo presidente Michel Temer para o Supremo.

Agora, como tucano que é, só falta indicado para o Supremo repetir FHC:

- Esqueçam o que escrevi!

 

Semelhança

A propósito, o presidente Michel Temer dizia que seu compromisso era mandar para o Supremo um ministro à semelhança de Teori Zavascki.

Com a indicação de seu ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, chegou bem perto, mas apenas em relação às ‘cabeleiras’ do falecido e do indicado.

 

 

Os novos delegados de polícia tomam posse na segunda-feira, anunciou ontem o secretário de Administração, Franzé Silva.

Ele confirmou também, em entrevista ao programa “Cidade Verde Notícias”, ao meio-dia, na Rádio Cidade Verde FM 105.3, o pagamento parcelado do piso do professor.

A primeira parcela, de 4%, já foi implantada na folha de janeiro e a segunda, de 3,76%, será paga em julho, como no ano passado.

O presidente do Sesi, ex-ministro João Henrique Sousa, reclama que o governador Wellington Dias humilha o PMDB, com a promessa de cargos toda semana.

Simples assim!

Na estreia do jornalismo da Rádio Cidade Verde, ontem, o governador Wellington Dias contou esta do mundo futebolístico que ele ouviu do publicitário Siqueira Campos, que, por sua vez, já ouviu de um velho técnico de futebol quando ele jogava bola no Ceará:

- Não há mistério em campo: basta correr em zigue-zague, avançar na direção da área do time adversário e chutar uma bola indefensável.