Cidadeverde.com

Cepisa teve prejuízo de meio bilhão em 2016

A Cepisa/Eletrobrás Piauí se prepara para divulgar em setembro um relatório mostrando a situação geral da empresa. Com a peça em mãos, o governo federal pretende encontrar compradores para a empresa. Alguns dados que certamente irão compor esse relatório já podem ser adiantados. E eles não são nada animadores.

O balanço anual da distribuidora aponta um prejuízo de R$ 506,7 milhões em 2016. Outro dado estarrecedor: as perdas técnicas e comerciais da empresa somaram 1.230,9 mil quilowatts – mais que quatro três vezes a produção de energia da hidrelétrica de Boa Esperança, com capacidade instalada de 272 mil quilowatts.

A destacar, contudo, que tanto as perdas de energia quanto o prejuízo bruto da empresa em 2016 foram menores que os registrados no exercício anterior. Em 2015, o prejuízo da Cepisa ficou em R$ 562,8 milhões, o que na soma dos dois exercícios financeiros bate na impressionante casa de R$ 1,062 bilhão.

Mas o prejuízo foi menor quando liquidados juros, impostos, depreciação e amortização, chegando a R$ 246.566 mil negativos em 2016, representando uma redução de 35,7% em relação aos R$ 383.307 mil negativos registrados em 2015.

Furto de energia

As perdas com energia estão concentradas no furto e desvio: 909.218 quilowatts, ou seja, o furto de energia corresponde a mais que três vezes a produção da usina de Boa Esperança e a praticamente toda a energia gerada nos parques eólicos já instalados no Piauí.

As perdas técnicas também são escandalosamente altas: 321.751 quilowatts, o que evidencia problemas técnicos causados provavelmente por menor investimento que o necessário ao longo dos últimos anos.

Calotes

Além das perdas de energia, a empresa ainda lida com um crônico problema de inadimplência, a ponto de no balanço de 2016 ter fechado com um provisionamento de R$ 145 milhões para os chamados “créditos de liquidação duvidosa”. São aquelas contas de energia de clientes afeitos ao calote recorrente.

Isso tudo num ano em que a receita operacional bruta foi menor em 1% em relação ao exercício anterior. Em 2015, a Cepisa teve uma receita operacional bruta de R$ 2,120 bilhões, caindo para R$ 2,100 bilhões no ano passado.

Com esses dados, não será uma tarefa tão fácil achar compradores para a Cepisa. Mais: se aparecerem interessados, eles certamente irão querer comprar a companhia a preço de banana. (Colaborou Cláudio Barros)

Foto: Pablo Cavalcante

O coordenador da Gaeco/MP, Rômulo Cordão, nos estúdios da Rádio Cidade Verde

Delação premiada

O coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), promotor de Justiça Rômulo Cordão, avaliou ontem que as investigações contra a corrupção avançaram no Brasil após a aprovação da Lei da Colaboração Premiada, de 2013.

É dessa lei que a força-tarefa Lava-Jato tem lançado mão para desmontar e denunciar quadrilhas que atuavam nos setores público e privado.

Violência

Um dia depois de a Secretaria de Segurança divulgar uma pesquisa indicando a queda da taxa de crimes violentos letais intencionais (homicídios dolosos, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e feminicídio) caiu em 19% no Piauí, o Sindicato dos Delegados de Polícia Civil aproveitou a passagem do Dia Policial Civil e soltou ontem uma nota apresentando um quadro diferente da segurança pública no Estado.

Crise na polícia

Diz a nota do Sindicato dos Delegadosque a Polícia Civil do Piauí vive uma crise generalizada, "a qual recai na problemática de falta de recursos humanos e estruturais.”

E prossegue: “Na capital e no interior os distritos seguem sem condições mínimas de investigação, com viaturas sucateadas, combustível insuficiente, delegacias insalubres, carência de agentes e escrivães, e Delegados acumulando inúmeras cidades.”

O povo cansou

Por fim, o Sindicato critica: “O fracasso da atual política de segurança é nítido, e a voz que emana vem do povo, que não aguenta mais conviver com tamanha violência. Não há propostas objetivas para enfrentar o crime.”

Gavetas limpas

Alegria de pobre dura pouco, como ensina o ditado popular. Pois não é que o único piauiense que chegou ao governo Temer já caiu, após dez meses no cargo.

O presidente da Funasa, engenheiro Henrique Pires, limpou as gavetas, e, com a sua saída, limpa também a área para acomodar nomes do mais novo partido brasileiro, o “Podemos”, ex-PTN (Partido Trabalhista Nacional), extinto em dezembro do ano passado.

Fome de cargos

O partido renasceu com fome voraz por cargos. E cresceu o olho para a Funasa.

O “Podemos” tem 13 deputados federais e o presidente Michel Temer está no desespero, contando voto na ponta do lápis, para aprovar suas reformas no Congresso.

E nesse jogo do toma lá, dá cá, entrega a Funasa ao novo partido em troca dos votos de seus parlamentares.

Saneamento

Henrique Pires estava na presidência da Funasa na cota pessoal do presidente Michel Temer, que já o havia indicado para o cargo no governo Dilma.

Ele vinha articulando e tocando projetos de saneamento básico para pelo menos 100 municípios piauienses.

Com a sua saída da Funasa, as chances para esses projetos seguirem adiante agora ficam bem remotas.

Dia da Polícia

O desembargador Edvaldo Moura, que já foi delegado de Polícia, informa: o dia 20 de abril é que é o Dia do Policial Civil e 21 de abril, o do Policial Militar.

Segundo ele, a Polícia Civil do Piauí foi instituída pelo Visconde da Parnaíba no dia 9 de maio, sendo oficialmente instalada no dia seguinte, mas a data não é lembrada.

*A Prefeitura abriu mais 100 vagas para o Fórum Teresina Participativa. As inscrições podem ser feitas no site: www.teresinaparticipativa.com.br.

*O prefeito de Parnaíba, Mão Santa, inaugurou ontem, no Centro da cidade, a Biblioteca Senador Alberto Silva.

*Mauro Tapety, o 14º suplente de deputado convocado para assumir o mandato na Assemleia Legislativa, já começou a pagar a fatura.

*O novo deputado do PMDB lançou para 2018 a chapa Wellington Dias para governador e Themístocles Filho, vice.

CPI na Câmara

Do vereador Édson Melo (PSDB), diante da proposta  do vereador Dudu do PT para criação de uma CPI na Câmara Municipal de Teresina com o objetivo de apurar a citação do nome do prefeito Firmino Filho como suposto beneficiário de doação de caixa-2 na campanha eleitoral:

- Isso já está sendo apurado pelas instâncias competentes. CPI é para quando não existe uma investigação. O vereador Dudu sabe disso, mas parece que bebeu Itaipava.