Cidadeverde.com

Caso Abraão Gomes: onda de assassinatos por encomenda ensanguenta o Piauí

Foto: Cidadeverde.comTribunal do Júri reunido para julgar acusado de mandar matar o deputado Abraão Gomes

O Tribunal Popular do Júri de Teresina está reunido desde a manhã de hoje para o julgamento do advogado Virgílio Bacelar, acusado de ser o mandante do assassinato do deputado estadual e agropecuarista Abraão Gomes. O crime aconteceu há 28 anos e está na iminência de prescrever.

Antes das 10 horas, o Conselho de Sentença já estava composto, sendo formado por sete homens. A previsão é de que o julgamento se encerre por volta da meia-noite de hoje.

O deputado foi morto a tiro de escopeta quando retornava para casa, no bairro Ininga, em Teresina, depois de participar da sessão da Assembleia Legislativa. O impacto do disparo foi tamanho que o corpo do parlamentar foi parar no banco do passageiro.

O caso foi investigado, inicialmente, pelo delegado Francisco Carlos do Bonfim Filho, depois por Adelário Leal e, por último, por Francisco das Chagas Costa, o “Bareta”. O pistoleiro Alcides Nery foi preso e condenado como autor do crime. O advogado Virgílio Bacelar foi apontado como mandante.

A conclusão do inquérito policial foi a de que se tratava de crime político, pois a morte de Abraão Gomes teria beneficiado a família Bacelar, que disputava com o deputado o poder municipal em Porto.

A polícia descobriu que um tesoureiro da Prefeitura de Porto havia feito uma guia de depósito bancário na conta de Alcides. Na delegacia, o servidor confessou que fez o depósito a mando de Virgilio Bacelar, irmão do prefeito Dó Bacelar. Os comprovantes do depósito bancário e o depoimento do tesoureiro foram juntados aos autos.

Onda de pistolagem

O deputado Abraão Gomes foi uma das vítimas de uma violenta e audaciosa escalada de crimes de pistolagem iniciada no Piauí no final da década de 1980. Os alvos foram os políticos, em sua maioria prefeitos, mas foram assassinados também empresários, policial e jornalistas. Quase todos os assassinatos ficaram na impunidade. Alguns até já caíram no esquecimento. Eis as vítimas dos crimes de maior repercussão:

*Em 28 de julho de 1987, é executado dentro de casa, em Teresina, após longa sessão de espancamento, o jornalista e empresário Hélder Feitosa, diretor presidente do jornal O Estado e das Rádios Poty AM e FM.

*Em 29 de abril de 1989, é morto com vários tiros de revólver, em Teresina, o ex-presidente da Associação Piauienses de Municípios (APPM), Francisco Luiz de Macedo, médico e ex-prefeito de Padre Marcos. Ele  jogava sinuca com um grupo de amigos quando foi traiçoeiramente alvejado por desconhecidos, sem chance de defesa.

*Em 29 de agosto do mesmo ano, é assassinado a tiros de escopeta, na porta de sua residência, em Teresina, o deputado estadual Abraão Gomes (PFL), ex-prefeito de Porto e agropecuarista. O deputado acabava de sair da sessão da Assembleia Legislativa.

* Em 14 de setembro de 1989, o delegado Arias Filho foi morto com três tiros, pelas costas, por um policial militar, a poucos metros da Secretaria de Segurança, no centro de Teresina. Ele investigava, como delegado especial, o assassinato do policial Leandro Safaneli, ex-namorado de uma filha do coronel Correia Lima.  Ao término da apuração, Arias Filho apontou o coronel como mandante do homicídio. Dez anos depois, Correia Lima foi preso como chefe do Crime Organizado no Piauí.

*Na noite de 1º de julho de 1990, é executado a tiros de revólver o prefeito de José de Freitas, José Gerardo Pontes Linhares. O assassinato foi em frente ao Hotel Municipal, naquela cidade.

*Em 9 de abril de 1992, é morto também a tiros o prefeito Joaquim Fonseca dos Santos, de Redenção do Gurgueia, no Sul do Piauí.

*Na noite de 11 de abril de 1996, é morto dentro de casa o prefeito de Altos, Cézar Augusto Leal, ex-presidente da APPM.

*Na noite de 11 de dezembro de 1996, é executado em Teresina o prefeito recém-eleito de Aroazes, Manoel Portela de Carvalho.

*No dia 8 de agosto de 1997, é assassinado com um tiro na cabeça, em Luzilândia, o prefeito do município, Raimundo Nonato Marques.

*Na madrugada de 19 de setembro de 1998, é torturado e morto numa emboscada o apresentador de TV Donizetti Adalto, candidato a deputado federal pelo PPS.

*No dia 13 de janeiro de 1999, é morto na porta de casa o prefeito de Capitão de Campos, João Batista Filho, o “João Brígida”.

(Com informações do livro O Piauí no Século 20 - 100 fatos que marcaram o Estado entre 1900 e 2000)