Cidadeverde.com

PSDB não entra no jogo do PT e desaponta

O assunto que abre a semana política é a decisão do PSDB de seguir na base do governo Temer. O partido decidiu que estará com o presidente até o fim, se não surgir um fato novo capaz de entornar ainda mais o caldo da política.

Os tucanos anunciaram que tomariam uma decisão sobre a aliança com o governo após o julgamento da chapa Dilma-Temer, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A chapa foi absolvida na sexta-feira.

Então, a decisão do PSDB de continuar no governo não surpreende, embora venha sendo muito criticada. As críticas partem dos adversários do presidente Michel Temer e do PSDB.

Ora, o que o PT e seus aliados esperavam dos tucanos? Que fizessem o jogo deles e chutassem o banquinho no qual o presidente da República está pendurado pelo pescoço? O que o PSDB ganharia dando mais força aos petistas e agravando ainda mais a crise, que já é aguda?

O PSDB, como o PT e os demais partidos, prestarão contas de seus atos nas urnas, se não forem alcançados antes pelo braço da justiça.

É lá, no julgamento popular, que se saberá quem, afinal, tem o mínimo de sintonia com as necessidades do país e quem, na percepção do eleitor, apenas joga para a plateia e quer ver o circo pegar fogo.

O circo, no caso, é o Brasil.

Foto: Divulgação

Bancada discute prioridades no orçamento

Orçamento

A Bancada Federal do Piauí discutiu ontem a liberação e a redistribuição de duas Emendas de Bancada Impositivas de 2017, no valor total de R$ 118,6 milhões.

Os recursos, contingenciados por meio do Decreto Nº 9.018, de 30 de março de 2017, serão destinados para as áreas de Saúde e Transportes.

As obras

Desse total, os parlamentares decidiram alocar cerca de R$ 27 milhões para obras na BR 343, do Balão da Avenida Miguel Rosa até o Morro do Uruguai, em Teresina, tendo em vista que os projetos só estarão concluídos no segundo semestre.

Da mesma forma, destinaram R$ 91 milhões para manutenção dos serviços de assistência ambulatorial em unidades de Saúde no interior do Estado.

Segundo o deputado federal Mainha (SD), cada parlamentar vai consignar para os municípios a alocação desses recursos.

Luto em Corrente

O agropecuarista Jesy Lemos Paraguassu faleceu ontem, em Teresina, aos 93 anos de idade. Ex-prefeito de Corrente por dois mandatos,realizou uma obra inovadora, carreando para o Município melhoramentos impensáveis para as condições da época, conforme depoimento do ex-prefeito Jesualdo Cavalcanti.

Por isso, Corrente passou a ser conhecida pelas duas épocas: antes e depois do Jesy.

Jesy Paraguassu com Jesualdo Cavalcanti

Cautela

O prefeito Firmino Filho acredita que a cautela é uma posição responsável para enfrentar o atual momento político brasileiro.

Na sua avaliação, trava-se um embate institucional, com uma guerra sem fronteiras, entre a Presidência da República e o Ministério Público.

Para ele, é fundamental que se busque um consenso dentro do Legislativo para que o país possa atravessar a atual crise.

Futuro sombrio

É difícil, segundo o prefeito de Teresina, imaginar o que será 2018, sem uma perspectiva de solução para a crise política e com a economia em situação crítica, registrando 14,5 milhões de desempregados.

Ele acha fundamental aguardar mais três meses para ver o que vai acontecer no país.

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

O prefeito Firmino Filho nos estúdios da Rádio Cidade Verde

* A jornalista Miriam Leitão relatou ontem que sofreu agressão verbal de uma delegação de militantes petistas em um voo de Brasília para o Rio.

* Curiosamente, não apareceu um só feminista para prestar solidariedade à vítima.

* No Brasil, mais da metade da população está com sobrepeso, informa o endocrinologista Wallace Miranda.

* O governo está desengavetando o projeto de correção da tabela do Imposto de Renda em 4%.

* A Igreja de Nossa Senhora do Amparo comemorou ontem os 190 anos de fundação da paróquia. O templo foi construído em 1852.

Sobrevivência

Do prefeito Firmino Filho, sobre as especulações de que seu nome é uma das opções para a sucessão estadual de 2018:

- No atual quadro de incertezas, o que queremos, de verdade, é chegar em 2018. Sobreviver a tudo isso não é pouco.