Cidadeverde.com

PP põe o PT e o PMDB no lugar deles

Foto: Divulgação

Lideranças piauienses com o ministro do Planejamento

A articulação do presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, para acelerar a assinatura do novo empréstimo do Governo do Piauí com a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 600 milhões, não foi apenas o cumprimento do dever de casa para manutenção da aliança com o PT do Piauí. Foi também para pôr ordem na casa.

Para começo de conversa, o PP estava em casa. O presidente da Caixa, Gilberto Occhi,  foi indicado pelo partido quando o presidente Michel Temer assumiu o governo, em maio do ano passado. Nessa condição, só convidou quem quis para o evento de assinatura do contrato, na quarta-feira.

Assim, além do governador Wellington Dias e do secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, nenhum ouro petista foi convidado. Apenas líderes políticos ligados ao PP estiveram presentes ao ato, entre os quais o senador Ciro Nogueira, a vice-governadora Margarete Coelho, a deputada federal Iracema Portella e o deputado federal Mainha e deputados estaduais.

Também não foram convidados políticos do PMDB, o novo aliado do governo estadual. Ao realizarem um evento só para eles, os progressistas mandaram um recado claro para o PT, que os chama de golpistas, e para o PMDB do Piauí: em Brasília, eles são periféricos.

Novo baile

Mas o PP não esperou 24 horas para dar outro baile no PT e no PMDB piauienses. Na noite de terça-feira, uma parte da bancada do Piauí roi recebida em audiência pela direção-geral da Polícia Rodoviária. Os parlamentares foram reivindicar maior fiscalização na BR-135, a “estrada da morte”, no Sul do Piauí.

O deputado federal Assis Carvalho (PT) abasteceu as redações, na quarta-feira, afirmando que havia participado de audiência e que nada seria feito na estrada. E esbravejou: "O que vemos hoje é um governo que não tem a menor responsabilidade com a vida humana. Entendo que temos projetos de médio e longo prazo, mas o que queremos saber é o que a PRF pode fazer em caráter emergencial, precisamos de uma ação imediata para reduzir o número de mortes e acidentes graves na BR 135".

Ontem, o senador Ciro Nogueira levou a bancada ao ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e os parlamentares saíram da audiência com o compromisso de que o governo federal vai alocar, ainda este ano, recursos para intervenção nos pontos mais críticos da estrada. O governador Wellington Dias chegou à reunião ao seu final e saiu dela comemorando a decisão do ministro.

Em resumo, o PP deixou claro quem é que abre porta no momento na Esplanada dos Ministérios. Como na política tudo funciona em mão dupla, o partido vai exigir, claro, que no Piauí seja tratado pelas forças governistas segundo o seu peso político.

Foto: Divulgação

Após reunião com o ministro, uma foto para a história

O almoço do dia

O deputado federal Heráclito Fortes (PSB) recebeu ontem, para almoço, em sua residência, em Brasília, o presidente Michel Temer. O parlamentar garantiu que foi um almoço inocente.

Não é bom duvidar da palavra do deputado, mas não custa lembrar que sua casa funcionou como o quartel-general da conspiração, no processo do impeachment.

Agenda secreta

A propósito, a imprensa deu ainda ontem à tarde o almoço do presidente Temer com o deputado Heráclito Fortes como uma agenda secreta.

Da mesma forma, tratou o jantar do presidente com o ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

Do jeito que a coisa anda, já, já sai a manchete: “Temer se encontra secretamente com Marcela no Jaburu”!

Vitória governista

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, por 16 votos a 9 e uma abstenção, o relatório da reforma trabalhista produzido pelo líder do governo, o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

O relatório de Jucá pede a aprovação integral do projeto saído da Câmara e rejeita a acusação de que trabalhadores perderão direitos com a mudança na legislação.

Jamanta não morreu!

Com a aprovação da reforma trabalhista na CCJ do Senado, o governo, que era dado como morto, politicamente, dá uma demonstração de reação. Jamanta não morreu!

Agora, o texto segue para o plenário do Senado, a última etapa no Congresso.

Greve geral

Será hoje, até o meio-dia, a greve geral convocada pelas centrais sindicais, os sindicatos e os partidos de oposição, contra a reforma trabalhista e pela queda do governo Temer.

Como os rodoviários aderiram, o sucesso do movimento é garantido, já que os trabalhadores ficam sem transporte para chegar ao emprego.

Polícia para

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Piauí convocou para 6 de julho um protesto contra o governador Wellington Dias, às 11 horas, no Palácio de Karnak.

Em nota, a entidade informa que o manifesto é contra os crescentes índices de violência no Piauí.

* De repente, não mais que de repente, como no poema do Vinícius, os defensores da BR-135 saíram da moita. E não são poucos!

* Como indagava aquele conhecido slogan de campanha eleitoral, “por que não fizeram antes?”

* Teriam evitado tanta tragédia e tantas mortes da estrada! Ou essa movimentação toda agora tem a ver com as eleições de 2018?

* Em greve, os servidores do IML de Parnaiba não foram ontem recolher os corpos das vitimas da tragédia que matou cinco pessoas em Cocal. Cadê o MP?

A internação de Joesley

Das redes sociais, a propósito da internação do empresário Joesley Batista, delator-mor da República, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo:

- Alô! Aqui é o presidente Michel Temer.... Pode informar o estado de saúde do Joesley?

- Infelizmente, é grave!