Cidadeverde.com

"Não há perigo de Rodrigo Maia trair", diz Heráclito

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

O deputado Heráclito Fortes no "Cidade Verde Notícias"

“Hoje, querem derrubar o presidente Michel Temer. Mas, amanhã, se o presidente cair, vão querer fazer o mesmo com o Rodrigo Maia (presidente da Câmara) ou o Eunício Oliveira (presidente do Senado)”. A avaliação, em tom de alerta, é do deputado federal Heráclito Fortes (PSB), sobre os rumores dando conta de que o presidente da Câmara articula na surdina a queda do presidente da República.

“Ele (Rodrigo Maia) não está movendo uma palha para que isso aconteça. Não há perigo de o Rodrigo trair o presidente”, garante Heráclito, que tem trânsito livre tanto com Michel quanto com o presidente da Câmara. “O Rodrigo [Maia] sabe das consequências. Ele sabe que hoje querem derrubar o Michel e que amanhã vão querer fazer o mesmo com ele”, avisa.

Em entrevista, ontem, à Rádio e à TV Cidade Verde, Heráclito Fortes desqualificou as acusações contra o presidente. “Ele [Michel Temer] não é esse bandido, esse cara à toa que infelizmente estão querendo pintar. Ele é um parlamentarista, um homem de responsabilidade, um jurista”, enfatiza.

Efeito dominó

Na avaliação de Heráclito, o Brasil vive hoje algo semelhante ao governo de Getúlio Vargas, em 1945. Com a derrubada de Vargas, o então presidente do Supremo, ministro José Linhares, assumiu o cargo de presidente da República.

“Há esse desejo de derrubar todos os políticos na linha sucessória para que a ministra Carmén Lúcia assuma a presidência, mas devemos usar a política para acabar a crise atual e não agravá-la", sugeriu.

Para Heráclito Fortes, a proposta de eleições diretas é uma hipocrisia. "No Brasil não temos a tradição da renúncia. Isso não vai acontecer”, avisa.

O deputado disse que o recesso parlamentar será propício a que os parlamentares façam uma reflexão melhor sobre a situação do país e possam analisar bem a denúncia contra o presidente da República, que será votada no plenário da Câmara no início de agosto.

Foto: Reprodução

Votação de Dilma no Piauí no 1º turno

Dilma senadora

São muitos os fatores favoráveis ao eventual lançamento da candidatura da ex-presidente Dilma Rousseff ao Senado pelo Piauí, em 2018.

Em primeiro lugar, o PT leva em conta que, quando Fernando Collor sofreu o impeachment, em 1992, ele voltou como senador.

Dilma estaria na mesma situação.

Popularidade

Em segundo lugar, está a grande aceitação da ex-presidente junto ao eleitoral piauiense. No primeiro turno da campanha que a levou à reeleição, em 2014, ela obteve 70% dos votos no Estado.

No segundo turno da mesma eleição, saltou para 78,30%. Com isso, o Piauí só perdeu para o Maranhão, que deu à presidente 78,75%.

Lá e cá

No Rio Grande do Sul, onde tem domicílio eleitoral, a petista perdeu a eleição no segundo turno.

Em Minas Gerais, a sua terra natal, ganhou por pouca diferença do senador Aécio Neves (PSDB).

E mais

O Maranhão tem um aliado de primeira hora da ex-presidente Dilma, o governador Flávio Dino (PCdoB), mas ele tem candidatos de sobra ao Senado.

No Piauí, é diferente. O PT só tem a senadora Regina Sousa como candidata à reeleição.

Poderes

A tese apontada pelo deputado Heráclito Fortes (PSB), de que estão inflando a Justiça brasileira contra os outros dois Poderes – Executivo e Legislativo – começa a ser vista também pela imprensa estrangeira.

Nos últimos dias, os jornais Le Soir, da Bélgica; Le Monde, da França; New York Times, dos Estados Unidos; e El País, da Espanha, apontaram abusos do Judiciário e do Ministério Público brasileiros.

Jonal El Pais dá destaque para protagonismo do Judiciário no Brasil

Batalhão

A Assembleia Legislativa aprovou ontem requerimento do presidente da Casa, deputado Themístocles Filho (PMDB), que solicita ao governador Wellington Dias a criação de um Batalhão de Polícia Militar no Município de Esperantina.

Com o Batalhão, o parlamentar pretende oferecer melhores condições de trabalho ao policial militar e instalações mais adequadas para atender a comunidade de Esperantina e das cidades vizinhas.

Cavalo de Troia

O ex-juiz Márlon Reis, um dos idealizadores da Lei da Ficha Limpa e hoje advogado da Rede, disse que a "emenda Lula", embutida no bojo da reforma política em discussão no Congresso, é um "cavalo de troia".

"Na verdade, é um cavalo de tróia, porque vem com uma capa de algo que já vinha sendo reivindicado pelo movimento contra a corrupção eleitoral, a antecipação da habilitação, mas isso vem junto com uma outra medida extremamente negativa e injustificável.", critica.

Endereço certo

O relator da reforma política, deputado Vicente Cândido (PT-SP), incluiu em sua proposta a proibição de prisão de candidatos pré-habilitados a disputar eleições até oito meses antes da votação.

A emenda tem endereço certo: o ex-presidente Lula, avalia o idealizador da Ficha Limpa.

* Pelo menos 20 deputados federais do PSB estão num pé e noutro para debandar para o DEM do deputado Rodrigo Maia. Aí tem!

* A governador em exercício Magarete Coelho bateu o pé: o PP vai lutar para continuar com a vice-governadoria em 2018.

* Quem também bateu o pé pela vice do PT foi o deputado João Madison. Ele quer a vaga para o PMDB e, mui especialmente, para Themístocles Filho.

* O governador Wellington Dias é madrugador. Seu primeiro compromisso oficial no Canadá será hoje, mas ele já está no país desde sábado.

Arco e flecha

Do deputado Heráclito Fortes (PSB), sobre o aviso do procurador-geral da República de que tem mais flechas para disparar contra o presidente Michel Temer:

- Daqui a pouco o presidente estará que nem São Sebastião, com flechadas por todo o corpo.