Cidadeverde.com

A volta do financiamento privado das eleições

A reforma política vai e volta e não sai do lugar. Mas não se iluda: apenas um e único ponto interessa verdadeiramente aos parlamentares – é o financiamento de campanha. O mais é perfumaria, como diria Juscelino Kubitschek, ao analisar os embustes políticos de seu tempo.

O desespero dos congressistas tem sentido. Ele decorre do fim do financiamento privado, proibido desde as eleições municipais do ano passado. Então, eles querem levantar urgentemente um fundo público de financiamento, já chamado de Fundão e também de “Bolsa Eleição”.

Ou fazem isso ou ressuscitam o fundo privado, que existiu até as eleições de 2014. As doações das empresas para os candidatos foram proibidas porque se viu que o dinheiro que irrigava as campanhas políticas sangrava os cofres públicos, através de licitações viciadas, propinas e outras traquinagens.

O Brasil é um país capitalista. O esperado, portanto, seria que os candidatos tirassem dinheiro do próprio bolso para custear suas campanhas. Ou que o conseguissem ‘multando’ os parentes e ainda convencendo os amigos e a empresas a acreditarem em seus projetos.

Mudanças

Portanto, o financiamento privado, devidamente regulamentado, ainda é o mais indicado para o Brasil. Não faz sentido um país que ameaça cortar R$ 10 do salário mínimo despejar quase R$ 6 bilhões apenas na campanha eleitoral.

Para que o financiamento empresarial volte, e sem os vícios do passado, a reforma deve dar, entre outros, os seguintes passos:

1. Fixar um teto para as doações; ele já existe para a pessoa física.

2. Estabelecer que uma empresa ou um mesmo grupo empresarial com CNPJs diferentes só pode doar para um candidato a cargo majoritário (presidente, governador e senador);

3. Exigir que, nos casos de presidente, governador, senador ou deputado federal e estadual, a empresa só possa fazer doação para candidatos do mesmo partido, ainda que em estados diferentes;

4. Determinar que a doação seja feita exclusivamente através de depósito em conta corrente do candidato aberta especificamente para esse fim;

5. Proibir expressamente a doação oculta;

Propaganda

Para fechar com chave de ouro a reforma, nesse quesito, os programas eleitorais passariam a ser exibidos apenas com o candidato e a câmera, apresentando sua plataforma eleitoral, sem outros recursos tão caros aos marqueteiros, como efeitos, imagens externas, edição, etc. – pois estes encarecem sobremaneira a propaganda eleitoral e falsificam candidatos;

O país não teria opção mais razoável, mais decente e mais democrática no momento.

Foto: Divulgação

Na posse na presidência da Codevasf, Avelino Neiva recebe cumprimentos de Heráclito

Posse

A ideia inicial era fazer uma festa de arromba, mas ela evoluiu para um ato simples e meramente protocolar. Refiro-me à posse do economista Avelino Neiva na presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Ele assumiu o cargo ontem, em ato realizado no gabinete do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

Bandeiras

O novo presidente da Codevasf garantiu que vai lutar pela transposição do Rio São Francisco e pelo desenvolvimento dos Cerrados piauienses.

Neiva afirmou ainda que trabalhará para que o país tenha um transporte a custo baixo a partir da navegação do Rio Parnaíba.  

A solenidade contou com a presença de deputados e senadores da bancada piauiense, entre eles o padrinho de sua indicação, Heráclito Fortes.

Campanha

O líder da Oposição na Assembleia Legislativa, deputado Robert Rios (PDT), solicitou ontem ao procurador regional eleitoral que proíba o ex-presidente Lula de fazer campanha eleitoral extemporânea no Piauí.

Lula chega ao Estado através do município de Marcolândia e visita ainda Picos, Teresina e Altos.

Imagem: Reprodução

Armas

O sistema prisional do Piauí foi contemplado com novas armas, equipamentos de proteção individual, viaturas, munições e granadas.

A informação é do gerente da Casa de Custódia de Teresina, tenente Jean Carlo Bezerra, que articulou junto à Força Nacional, para que a Secretaria de Justiça do Piauí recebesse o material de segurança.

De acordo com Jean Carlo Bezerra, são duas viaturas; 20 carabinas calibre 5.56; 30 pistolas calibre 40; 30 pistolas de choque taser; 30 bastões polímero 60cm; 30 bastões polímero 90cm; 20 capacetes balísticos; além das munições, granadas e equipamentos de proteção individual para os agentes de segurança prisional.

Mais armas

A Secretaria de Justiça do Piauí também está adquirindo, com recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen), 500 pistolas calibre 40; outras 60 carabinas calibre 40; e mais de 100.000 unidades de munições e cartuchos.

O reforço na parte de segurança faz parte do Plano de Modernização do Sistema Prisional.

Foto: Pedro Rodrigues

Novas ruas - A Prefeitura de Teresina realizou ontem à noite a solenidade de entrega de placas com nomes de ruas às famílias das pessoas homenageadas. O evento fez parte do programa oficial dos 165 anos da cidade e foi presidido pelo prefeito Firmino Filho. Entre os homenageados com nomes de 110 ruas, estão Capitão Mayron, Dr. Chico Ramos, Djalma Costa e Silva, Donizetti Adalto, Leôncio Ferraz, José Raimundo Teixeira e Silva e Marco Veloso. A cerimônia foi encerrada com show do cantor Clodo.

*A empresa Águas de Teresina já começa dando "ratada". E justamente onde não poderia nem deveria.

* Clientes que pagavam as contas de água em débito automático junto ao Banco do Brasil não efetivaram o pagamento da
fatura.

* Motivo: a empresa não possui convênio com o BB, que é o banco oficial dos servidores públicos estaduais.

* O governador Wellington Dias assinou com o Banco do Nordeste a prorrogação, até julho de 2018, para assinatura de empréstimo no valor de R$ 59 milhões.

O capitalizador

Ontem, após a posse de Avelino Neiva na presidência da Codevasf, o deputado federal Heráclito Fortes destacou que as questões do Nordeste, e em especial as do Piauí, estarão agora sob o olhar de um piauiense que sabe dos seus problemas e das suas necessidades. Para ele, Avelino Neiva é um técnico que tem sangue político e saberá unir as duas coisas à frente da Codevasf. O parlamentar exultou:

- Além disso, Avelino tem decisões rápidas e eficientes e age como um pacificador, um capitalizador que une a bancada.