Cidadeverde.com

O Custo Temer

Foto: Agência Brasil

Presidente Michel Temer

A chamada grande imprensa noticiou ontem que as negociações do presidente Michel Temer com os deputados, para garantir que a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República seja sepultada na Câmara Federal, envolveram pelo menos R$ 12 bilhões.

O jornal O Globo informa que a esse montante devem ser acrescentados cargos e benesses de valor inestimável, como a mudança no combate ao trabalho escravo. Só de emendas parlamentares pagas desde o início de setembro foram R$ 881 milhões, escandaliza-se O Globo.

O jornal enfatiza que o Palácio do Planalto acelerou a liberação de recursos para o empenho de emendas parlamentares obrigatórias desde setembro, quando apareceu a segunda denúncia contra Temer.

Atenta aos fatos, como deve ser, a chamada grande imprensa faz estardalhaço em cima uma prática corriqueira da política nacional, o ‘toma lá, dá cá’.

Embora isso não seja novidade, a exposição dos fatos, ou a especulação sobre eles, tem o seu lado positivo. As podridões da República não devem ser jogadas para debaixo do tapete.

O que a mídia não diz

Mas essa mesma grande imprensa escamoteia duas verdades absolutas. Ou seja, mostra o suposto Custo Temer, quanto o Brasil paga para o presidente ficar. Porém, não mostra a conta de quanto o país pagaria para ele sair.

Como fica, por exemplo, o processo de recuperação da economia, hoje o problema mais grave do Brasil? Quantos trabalhadores mais perderão o emprego, além dos 13 milhões que já foram postos no olho da rua, em função da recessão econômica iniciada em 2015?

A imprensa sabe que Michel Temer não cai, em razão das denúncias feitas contra ele. Apesar disso, ela não informa  que, quando terminar o seu mandato, e sem a blindagem do cargo de presidente e sem a caneta do poder, ele será chamado a acertar todas as suas contas com a justiça. Só aí se saberá se ele é inocente ou culpado.

Se essas informações chegassem a todos os brasileiros, o país não viveria dias tão cheios de engodo e de desesperança, nos quais a pauta principal é apenas a que interessa aos políticos, com uns apoiando o presidente em troca de benesses e outros a atacá-lo exclusivamente de olho no voto. O povo que se lixe!

 

Telequete

O tempo fechou ontem na sessão da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, por causa do projeto de lei do governo aumentando novamente a alíquota do ICMS para vários produtos e serviços.

O presidente da Comissão, deputado Evaldo Gomes (PTC), e o líder da oposição, deputado Robert Rios (PDT), quase vão às vias de fato.

Votação amanhã

Ao final da tumultuada sessão, houve o entendimento no sentido de que o projeto seja votado na reunião de amanhã.

O governo tem cinco dos sete votos da comissão, contando com o do seu presidente.

PP vota contra

A surpresa foi o anúncio do presidente regional do PP, deputado Júlio Arcoverde, de que a bancada do partido votará contra o governo nesta matéria.

O PP é aliado de primeira hora do governador Wellington Dias, mas não aceita o aumento da carga tributária neste momento de crise.

O partido tem três votos na Assembleia – Júlio Arcoverde, Belê Medeiros e B. Sá Filho.

Prejuízo

Júlio Arcoverde disse que, mais que a decisão da bancada do PP, prejudica o governo é a posição do secretário de Segurança, deputado federal Fábio Abreu (PTB), que foi para Brasília votar a favor da denúncia contra o presidente Michel Temer.

O líder do PMDB, deputado João Mádison, concordou que a posição do deputado Fábio Abreu em nada ajuda o Piauí.

Sem retaliação

O deputado Fábio Abreu esclareceu ontem que está em Brasília para votar pelo prosseguimento da denúncia contra o presidente por uma convicção pessoal.

Ele não acredita que o Piauí venha a ser retaliado pelo Planalto por conta disso.

Entrou água...

O apressado come cru. O Supremo Tribunal Federal decidiu devolver ao TCE-PI o direito de concluir a votação do parecer que vai recomendar a manutenção ou o cancelamento da licitação que deu à empresa Aegea (Águas de Teresina) o direito de explorar o sistema de saneamento básico da cidade.

A decisão é da ministra Carmén Lúcia, presidente do STF.

Onde parou

No TCE, a votação foi suspensa, a princípio, por um pedido de vistas do conselheiro Luciano Nunes, quando o placar era de 4 a 1desfavorável às pretensões do Governo do Estado e da Aegea.

O Tribunal de Contas não anulava a licitação por completo, mas exigia a apresentação de uma nova proposta de preços.

Liminar

Agora, o que estava impedindo que a votação do parecer do TCE fosse concluída era uma decisão liminar concedida pelo desembargador José de Ribamar Oliveira, do Tribunal de Justiça.

A ministra Carmem Lúcia, com essa decisão, anula a liminar.

Pressa

O governo se apressou em assinar o contrato e repassar os serviços da Agespisa para a Aegea, em Teresina, antes da conclusão do processo no TCE e na Justiça.

Um caso típico de criação do fato consumado.

Foto: Divulgação

Assédio - Ontem, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM), e o seu colega Heráclito Fortes (PSB) sentaram-se à mesma mesa por alguns minutos, no cafezinho da Câmara. Mas foi o tempo suficiente para um batalhão de repórteres políticos cercar os dois parlamentares. Ao final, soube-se que Rodrigo Maia tomou chá de jasmim. Faz parte do kit que Heráclito Fortes tem no cafezinho da Câmara.

 

 

*O Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado do Piauí (Sindilojas/PI) informou que as lojas do Centro e shoppings estarão fechadas na segunda-feira, dia 30.

* O feriado será por conta da passagem do Dia do Comerciário. Na terça-feira, dia 31, o comércio voltará ao funcionamento normal.

*A deputada Rejane Dias (PT) foi a Brasília acompanhar suas emendas orçamentárias na Câmara, mas já voltou ao batente da Secretaria de Educação.

*A Assembleia Legislativa aprovou, ontem, requerimentos do deputado Robert Rios (PDT) solicitando ao TCE informações sobre o uso dos recursos do Plamta (Plano Médico de Assistência e Tratamento).

 

Relógio do atraso

Do humorista Fraga:

- O Brasil se guia pelo horário de Brasília. O que explica qualquer atraso do país.