Cidadeverde.com

Bancada se articula contra retaliação

Foto: Cidadeverde.com

Deputado Átila Lira, coordenador da bancada do Piauí

Virada a página da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, na Câmara dos Deputados, membros da bancada federal do Piauí estão se articulando em Brasília para levar um manifesto ao Palácio do Planalto.

Nesse manifesto, a bancada vai dirigir um apelo diretamente a Michel Temer para que o Piauí não sofra qualquer retaliação do governo federal, por conta da posição de parlamentares do Estado a favor da denúncia para investigar o presidente.

Na votação de quarta-feira passada, o presidente contou com apenas cinco votos dos piauienses. Posicionaram-se pelo arquivamento da denúncia os deputados Átila Lira e Heráclito Fortes, do PSB; Iracema Portella, do PP; Júlio César, do PSD, e Paes Landim, do PTB.

Votaram pelo prosseguimento da investigação contra o presidente os deputados Assis Carvalho (PT), Fabio Abreu (PTB), Rodrigo Martins (PSB) e Silas Freire (Podemos). O deputado Marcelo Castro (PMDB) se absteve e seu voto favoreceu o governo.

Os piauienses que apoiaram o presidente Michel Temer querem, no entanto, que o placar seja zerado, a fim de que os interesses do Estado não sejam prejudicados.

O governo pode perfeitamente atender ao apelo da bancada, pois ele ainda vai precisar de mais votos lá adiante, se quiser tocar as reformas. Resta saber se os que votaram contra o presidente estarão dispostos a acompanhá-lo em futuras votações ou se se manterão contra Temer em qualquer circunstância.

O coordenador da bancada federal do Piauí, deputado Átila Lira, acredita que o Estado não vai ser prejudicado porque alguns votaram contra o presidente. “O Governo Federal está transferindo os recursos normalmente, enfrentando a crise. Todo mundo recebe os recursos de emenda parlamentar normalmente", destacou.

Caça às bruxas

No dia seguinte à queda da denúncia na Câmara, entrretanto, o Diário Oficial da União já circulava com as primeiras exonerações de afilhados de políticos considerados infiéis. O acerto de contas alcançou apenas parlamentares de outros Estados.

Os do Piauí que votaram contra o presidente não têm cargos no governo federal. O único deles que havia indicado nomes para o governoTemer era Rodrigo Martins, que perdeu os cargos depois da primeira votação.