Cidadeverde.com

No fundo, governadores querem o Fundo

Foto: Thamandro Fabricio/CCom

Governadores discutem segurança pública em Teresina

 

Reunidos ontem em Teresina, para debater o avanço da violência no Nordeste e as formas de combatê-la, os governadores da região acabaram por transferir a solução do problema para o governo federal.

Algumas ideias foram lançadas, como a criação de uma coordenação para o sistema de inteligência especifica no Nordeste. Esse sistema seria integrado por secretários de Segurança indicados por cada governador.

Sua missão seria a de fazer um trabalho integrado da segurança pública. Como não são meninos, os governadores querem que as operações sejam executadas por agentes da Força Nacional.

O Fundo

Os governadores deixaram claro que estas e outras ações de combate à criminalidade no Nordeste precisarão de aporte de recursos do governo federal. Daí a veemente defesa que eles fazem da criação do Fundo de Segurança Pública, nos moldes do Sus (saúde) e do Fundeb (educação).

Com a decisão do governo federal de fazer intervenção militar no Rio de Janeiro e criar o Ministério Extraordinário da Segurança Pública, os governadores nordestinos, quase todos adversários políticos do presidente Michel Temer, compreenderam que o problema número 1 do país, hoje, é a violência.

De olho na reeleição, eles não quiserem deixar o presidente falando sozinho sobre o assunto.

 

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

João Henrique na Rádio Cidade Verde 

Jogando a toalha

O ex-ministro João Henrique jogou a toalha. Ele anunciou ontem a suspensão da Caravana Piauí em Movimento e que não irá mais defender a sua candidatura a governador.

João Henrique explicou que tomou a decisão depois de ser comunicado pelo MDB de que, se ele saísse vitorioso na convenção, os deputados do partido deixariam a legenda no dia seguinte.

A debandada

Primeiro, o comunicado foi feito pelo presidente regional do MDB, deputado federal Marcelo Castro, em conversa que os dois tiveram na segunda-feira da semana passada.

Agora, a decisão dos parlamentares foi tornada pública pelo secretário-geral do partido, deputado estadual João Mádison, em entrevista à televisão.

João Henrique disse que os deputados do MDB reconheceram que a sua pregação pela candidatura própria ganhou força e até admitiram a vitória dele na convenção, mas avisaram se desfiliariam em massa.

- De que adiantaria eu ganhar e não levar? Jamais iria impor esse tipo de sacrifício ao meu partido, ou seja, o de causar o seu esfacelamento.

Sem rompimento

O ex-ministro, que atualmente preside o Sesi, garantiu que não sairá do MDB, no qual está filiado há 38 anos, e que aguardará os desdobramentos do episódio. Ele comunicará sua decisão ao partido, oficialmente, no próximo dia 19.

João Henrique disse que recebeu convite do presidente Michel Temer para atuar no núcleo da campanha do candidato do governo ao Palácio do Planalto.

Violência e bancos

Outra ideia lançada no Encontro dos Governadores do Nordeste é para que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) ajude no financiamento de ações para combater os assaltos aos bancos nos municípios.

A proposta foi apresentada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Como se os bancos já não pagassem impostos para também ter direito a segurança.

E como se o dinheiro que perdem nos assaltos não tivesse seguro.

Pois bem!

Segundo Flávio Dino, a quadrilha batizada de "Novo Cangaço" não fecha cidades para roubar aparelhos celulares, mas de explodir agências bancárias.

"Vamos colocar a Febraban na mesa, incluir na lei, colocar taxas e isso valeria para empresas de valores também", propôs, valentemente.

Nenhum dos governadores propôs para que os policiais postos à disposição dos palácios voltem para os quarteis e as ruas.

Cofre fechado

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), concordou com o governador Flávio Dino para buscar ajuda da Febraban.

Segundo ele, o presidente Michel Temer não tem interesse em ajudar financeiramente os governadores do Nordeste.

"Os recursos (governo federal) não vão vir. O governo não tem expertise e não tem boa vontade. É preciso cobrar da Febraban", propôs.  

Quem veio

Governadores presentes ontem ao Encontro sobre Segurança Pública: Camilo Santana  (PT) – Ceará; Flávio Dino (PC do B) – Maranhão; Paulo Câmara (PSB) – Pernambuco; Renan Filho (PSD) – Alagoas; Ricardo Coutinho (PSD) – Paraíba; Robinson Faria (MDB) - Rio Grande do Norte; Rui Costa (PT) – Bahia e Wellington Dias (PT) – Piauí.
O governador de Sergipe - Jackson Barreto (MDB) – faltou, mas enviou o vice.

O tempo fechou

O caldo entornou em Esperantina. O Diário Oficial dos Municípios publicou uma declaração pública do vice-prefeito  Jânio Ferreira de Aguiar Filho (PSB), afirmando que não assumiu o cargo de prefeito durante a ausência da prefeita Vilma Amorim (PT). Ela viajou para a Itália no mês passado e, segundo denúncia que está sendo apurada pelo Ministério Público, não pediu licença à Câmara Municipal. Já existe um movimento pela cassação do mandato dela e a situação se complica com a declaração do vice-prefeito.

Imagem: Reprodução

 

Vice-prefeito complica a situação da prefeita de Esperantina

 

 

* A chave 14 que o MDB deu no ex-ministro João Henrique, com ameaça de desfiliação em massa, é a mesma que o PTB dará no ex-senador João Vicente Claudino.

* Isso, naturalmente, se ele levar a diante a ideia de voltar ao partido para ser candidato a governador pela oposição nas próximas eleições.

* O PTB do Piauí está mais grudado no governo do que chiclete. Coisa de fazer inveja ao PT e ao MDB.

* Era uma vez Lula. A derrota de ontem no STJ foi acachapante. O Supremo não terá condição de derrubá-la.

 

As águas vão rolar

Do ex-ministro João Henrique Sousa, sobre o novo revés na caminhada do MDB do Piauí para a sucessão estadual de 2018, com a suspensão da campanha pela candidatura dele a governador:

- Daqui até julho, muita água ainda vai passar por baixo e por cima da ponte.