Cidadeverde.com

Os estresses da sucessão estadual

Por um longo período, as oposições do Piauí anunciaram um estrondoso racha na base governista para a sucessão estadual de 2018. Ainda há tempo para que a previsão se confirme, mas, por enquanto, é a oposição que vem sofrendo estresse.

O PSDB, o principal partido de oposição no Piauí, tenta montar um palanque suprapartidário para o deputado estadual Luciano Nunes concorrer ao governo.

O PSB do ex-governador Wilson Martins e o DEM dos deputado Heráclito Fortes e Robert Rios já se apresentaram como voluntários.

PSDB menor

Ocorre que o PSDB chega à sucessão estadual de 2018 praticamente só com a cara e a coragem. O partido vem sendo desidratado desde a sucessão de 2014. O segundo nome da legenda, o ex-prefeito Silvio Mendes, filiou-se ao PP ainda no ano passado.

O prefeito Firmino Filho, a principal liderança da sigla no Piauí e uma aposta das oposições para a sucessão deste ano, não fez por onde entrar na disputa.

Como não participou dos encaminhamentos para a montagem do palanque tucano, também não se sente na obrigação de subir nele.

Não ficou só nisso. Sem perspectiva de reeleição na sigla, o presidente regional do PSDB, deputado Firmino Paulo, pediu desfiliação e está avaliando por qual partido disputará um novo mandato.

O parlamentar é sobrinho do prefeito de Teresina e decidiu debandar da legenda depois que viu a primeira-dama Lucy se filiar ao PP do senador Ciro Nogueira. Ele entendeu que foi um recado do prefeito de que não o apoiaria mais este ano.

Lá vem o Zé!

Mas nem só de baixas vive o PSDB do Piauí. A direção do partido anunciou para o dia 5, quinta-feira, a refiliação do ex-governador Zé Filho. Ele será candidato a deputado estadual e vem com a promessa de uma boa votação do Norte do Estado.

Isso não deve ser comemorado, porém, como uma conquista da oposição. Zé Filho já era oposição. Aliás, um dos poucos que assumiram essa postura com convicção, uma oposição de verdade.

O prefeito Firmino Filho não quis se pronunciar sobre o estresse no PSDB. Alegou que o período da Páscoa é época de recolhimento e silêncio. Mas prometeu quebrar o jejum verbal a partir desta semana.

A situação dele é de absoluto desconforto.