Cidadeverde.com

Empresário denuncia propina no Piauí

Fotos: Reprodução/Facebook-Margarete Coelho

Empresários e políticos após reunião na Fecomércio

 

Uma bomba foi lançada na segunda-feira, em Teresina, em uma reunião de representantes de diversos setores da classe empresarial do Piauí com lideranças políticas.

O encontro foi realizado na sede da Fecomércio e contou com a presença do senador Ciro Nogueira, da vice-governadora Margarete Coelho, do deputado federal Júlio César, do ex-governador Zé Filho e de outras lideranças políticas e empresariais, como o próprio presidente da Fecomércio, Valdeci Cavalcante.

Em sua fala, o presidente da Associação Piauiense de Construtores de Obras Públicas do Piauí, empresário Artur Feitosa, fez desabafos e críticas ao governo. E foi mais longe: ele denunciou que, além da burocracia e do atraso nos pagamentos das empresas, existe ainda a propina no caminho dos empresários.

Artur Feitosa denunciou, textualmente, (…)  A burocracia é um negócio terrível. A propina que precisamos pagar até para os porteiros das secretarias do Estado, isso tem que acabar, porque isso acaba com as empresas, especialmente as pequenas. (…)”

 

Encontro de empresários com políticos, na Fecomércio

Repercussão

A denúncia já é pública e corre nas redes sociais em vídeo postado em vários grupos e começa a ganhar repercussão nacional. Ontem, o vídeo foi postado no site O Antagonista, de Diogo Mainard.

Ontem também, o promotor de Justiça Fernando Santos, responsável pela Promotoria de Patrimônio Público do Ministério Público Estadual, informou que abrirá dois inquéritos para apurar a fala do empresário, um civil público e outro penal.  

Distorção

O empresário Artur Feitosa mandou-me ontem, via WhatsApp, uma mensagem afirmando que suas palavras na sede da Fecomércio foram distorcidas:

“Ha uma distorção na interpretação de minhas palavras. Me referi a burocracia draconiana. Para nossos processos andarem, os funcionários pedem toda sorte de coisas. Lanche, rifas, lista para ajudar alguém doente, passagem de ônibus, etc. Aí, ou nos submetemos ou os processos simplesmente não andam. Se não corremos atrás, o governo esquece que está devendo e simplesmente não paga. Esse foi o motivo da minha fala.”

 

 

Foto: Redes sociais

O incêndio propagou-se pelo último andar do hotel

Incêndio

Um incêndio de grandes proporções atingiu ontem, no meio da tarde, o último andar do Hotel Blue Tree Rio Poty. Os bombeiros levaram quase duas horas para apagar as chamas.

Seis hóspedes foram resgatados pelos bombeiros e encaminhados para hospitais.

Os demais, bem como os funcionários, conseguiram sair do hotel sem problemas.

Operação

Seis viaturas do Corpo de Bombeiros e outras da PM, além de ambulâncias do Samu, foram usadas na operação.

O Corpo de Bombeiros fez uso também da escada Magirus, que tem 69 metros e pode alcançar até o último piso de um prédio de até 23 andares.

As causas estão sendo investigadas,

Caminhoneiros

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, informou que 50 empresas estão sendo investigadas por participação ilegal na greve dos caminhoneiros.

Ele disse também que caminhoneiros estão sendo manipulados por distribuidores.

Os infiltrados

Já o Palácio do Planalto denuncia, em sua conta no Twitter, que “Quem atrasa o fim da paralisação são os mesmos de sempre. São aproveitadores que tentam desvirtuar causas legítimas”.

Ora, e por que o governo não toma as providências que são de sua responsabilidade?

Não à exploração

Federação do Comércio do Pauí lançou ontem nota assinada pelo seu presidente, Valdeci Cavalcante, condenando toda e qualquer prática de preço abusivo na crise de abastecimento provocada pela paralisação dos caminhoneiros:  

“Nesse momento, a classe empresarial, mesmo sofrendo os impactos das manifestações, deve unir forças em uma grande mobilização social para assegurar a ética e o bom senso, mantendo os preços justos das nossas mercadorias e serviços, combatendo os preços e práticas abusivas e qualquer tipo de exploração contra nossos consumidores e toda a sociedade.”

  

 

 

*O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018 teve menos candidatos do que o do ano passado. Os números foram divulgados ontem.

* O Enem deste ano teve 5.513.662 inscritos confirmados, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Educação. Em 2017, foram 6.731.203 inscritos.

* A Editora Quimera adiou o lançamento do livro “A melancia do presidente”, do governador Wellington Dias.

* O lançamento seria na noite de segunda-feira, no auditório da Ufpi, e foi suspenso em função da paralisação dos caminhoneiros, que fechou a universidade.

 

 

O livro do governador

O presidente da Fundação Cultural Nogueira Tapety, de Oeiras, Carlos Rubem, o Bill, enfrentou a crise de combustíveis, pegou a BR e veio bater no Cine-Teatro da Ufpi, no início da noite de segunda-feira, para o lançamento do novo livro do governador Wellington Dias, “A melancia do presidente”. Já no local do lançamento, ao ser informado de sua suspensão, na última hora, por causa dos efeitos da paralisação dos caminhoneiros, Bill não perdeu a viagem:

- Já vi que não é “A melancia do presidente”, mas “O abacaxi do governador”.