Cidadeverde.com

My Brother, a voz que cala

Foto: Divulgação

Cantor My Brother

 

O currículo dele é muito breve. Pouco se sabe de sua vida. Apenas que era do Rio de Janeiro, morou em Brasília uma temporada e há pelo menos 30 anos residia em Teresina. O que era extensa era a lista de fãs que conquistou no Piauí.

Pelo nome – João Cecílio Lopes – quase ninguém sabia quem era. Ele fez fama nos meios artísticos e políticos pelo seu vozeirão e pelos trajes exóticos, tornando-se conhecido com o nome artístico de My Brother.

Ontem, um câncer de fígado contra o qual lutava há algum tempo calou a voz do cantor. Ele morreu aos 70 anos e seu corpo foi sepultado no final da tarde, no cemitério São Judas Tadeu, na zona Leste.

Nas redes sociais, vários seguimentos do meio artístico e fãs lamentaram a perda. O Governo do Estado emitiu nota de pesar destacando o seu valor artístico e lembrando a participação dele  no Projeto Boca da Noite, em várias apresentações. Em 2015, o artista recebeu o título de cidadão teresinense.

My Brother ganhou projeção no meio político piauiense ao gravar em 1998 o jingle da campanha de reeleição do governador Mão Santa, composto pelo cantor Lázaro do Piauí.

Ele cantava na noite e era também instrumentista e compositor, sendo vencedor do Concurso Sambas Autorais 2013 promovido pela Fundação Monsenhor Chaves, com a música “O samba é meu partido”.

Mas o artista não marcava apenas pela sua voz poderosa e inconfundível. Ele era, antes de tudo, um gentleman, sempre elegante, polido e carismático, a dispensar atenções e cortesia a todos os que o rodeavam. Este o My Brother que viverá na lembrança de seus amigos e admiradores.

.

 

Foto: Cidadeverde.com

Caminhada da Fraternidade, na travessia da Ponte JK

Caminhada

Pelo menos 70 mil pessoas participaram ontem da Caminhada da Fraternidade 2018, realizada pela Arquidiocese de Teresina.

O evento, em sua 23ª edição, foi aberto com celebração de missa campal pelo arcebispo de Teresina, dom Jacinto Brito.

Este ano, o tema central da caminhada foi o respeito às diferenças.

 

Firme e forte

O senador Elmano Férrer (Podemos) garantiu que a sua pré-candidatura ao Governo do Estado está firme e vem crescendo nos últimos dias.

Ele sente também que, exatamente por isso, sua pré-candidatura começa a incomodar as forças governistas.

O senador afirmou que anda em perfeita sintonia com o deputado Dr. Pessoa (SD), pré-candidato ao Senado em sua chapa.

 

Foto: Divulgação

Salipi - O professor Wilson Seraine, estudioso da obra de Luiz Gonzaga, fez ontem à noite a última palestra do Bate-papo Literário do Salipi 2018. Ele apresentou um painel sobre a cultura nordestina, em todas as suas expressões – música, literatura, dança, etc. O Salipi foi encerrado ontem à noite, no Espaço Cultural Rosa dos Ventos, na Universidade Federal do Piauí, com show do cantor Chico César, antecedido por palestra do poeta Bráulio Bessa, no Cine-Teatro  da UFPI.

 

 

 

* O ex-presidente Lula incluiu o novo livro do governador Wellington Dias entre as suas leituras no cárcere.

* Ele recebeu o livro do próprio autor, na semana passada. O título da obra, “A melancia do presidente”, relata um “causo” envolvendo Lula.

* Os pré-candidatos às eleições deste ano compareceram em massa ontem à Caminhada da Fraternidade.

* Com 3% de aprovação, o presidente Michel Temer está no limite da margem de erro para zerar a sua popularidade.

 

 

Duas por uma

Em seu novo livro de “causos”, intitulado “A melancia do presidente”, o governador Wellington Dias conta que, quando assumiu a paróquia de São João do Piauí, ainda muito jovem, o padre Solon Aragão recebeu instrução do bispo para que procurasse uma mulher na casa dos 40 anos para auxiliá-lo. Muito irreverente, o padre propôs:

- Posso escolher duas de 20 anos cada uma?