Cidadeverde.com

Piauí tem promessa de energia melhor e mais barata

Foto: Cidadeverde.com

Cepisa passa à inicitiva privada 

 

O fato mais relevante para o Piaui na semana que passou foi o leilão da Cepisa, arrematada pela Equatorial Energia, uma holding que controla a Cemar, no Maranhão, e a Celpa, no Pará. A empresa foi a única a dar lance no leilão, com índice de deságio de 119 pontos.

De capital pulverizado, a companhia tem entre seus acionistas a Blackrock, Opportunity e Squadra Investimentos, além de 69,7% de participação de administradoras e minoritários.

A Cepisa foi a primeira das seis distribuidoras estaduais de energia da Eletrobras a ser leiloada. As outras cinco estão na fila.

Redução da tarifa

A Equatorial abriu mão de toda a flexibilização tarifária. Ou seja, com a privatização, a redução imediata de tarifas para o consumidor será da ordem de 8,5%, segundo a Aneel. A correção da tarifa deverá ser feita em até 45 dias após a assinatura do contrato. A assinatura acontece em até 90 dias.

No total, o investimento feito pela Equatorial para comprar a Cepisa foi de R$ 815,05 milhões. Desse montante, R$ 720 milhões serão aportados na empresa e R$ 95 milhões vão para o governo federal em forma de outorga.

Investimentos

Segundo o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., o processo de capitalização da Cepisa vai "quase dobrar" os investimentos na companhia.

Além disso, a nova controladora assumirá o pagamento, em 25 anos, de R$ 844 milhões ao Fundo de Reserva Global de Reversão (RGR), usado para custeio do setor elétrico, o que tem potencial para gerar redução nas tarifas de energia de todos os brasileiros.

A Cepisa tem 1,2 milhão de consumidores e 3,1 mil funcionários. No ano passado, a empresa apresentou um prejuízo de R$ 496,7 milhões. Sua dívida chega a R$ 2,4 bilhões.

Qualidade da energia

A Cepisa está entre as cinco distribuidoras de energia que descumpriram os parâmetros de qualidade nos últimos dois anos. O levantamento, realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi divulgado na semana passada.

A pesquisa focalizou as seis distribuidoras estaduais Eletrobras que serão privatizadas.

Dessas seis empresas, apenas a Amazonas Distribuidora de Energia atendeu aos índices de qualidade, com uma taxa de 0,83 em 2016 e de 0,70 em 2017.

De acordo com a Aneel, se o indicador está abaixo de 1, significa que foi cumprido o parâmetro de qualidade. Quando está acima de 1, a distribuidora descumpriu.

Nesse caso, a Cepisa aparece com um índice de 1,15 em 2016, e com 1,16, no ano de 2017.

Equatorial é top

Segundo a Aneel, o descumprimento das metas que determinam a qualidade está relacionado à falta de investimentos e problemas de gestão nas distribuidoras.

A Cemar, administrada pela Equatorial, aparece há vários anos na cabeça do ranking das empresas com melhor desempenho operacional entre as distribuidoras de energia.

Enfim, o Piauí tem uma promessa real de contar com energia de melhor qualidade e a preço justo.