Cidadeverde.com

Falar mal do Sus é bom. Já vacinar as crianças...

Fofo: Cidadeverde.com

Abertura da Campanha de Vacinação, em Teresina: sem crianças

 

A campanha contra a paralisia infantil e o sarampo chega ao fim como um retumbante fracasso. Isso apesar da prolongada campanha publicitária com apelo para se levar as crianças aos postos de vacinação, veiculada maciçamente nos meios de comunicação e nas mídias sociais.

A campanha não alcançou nem metade da meta, em um país que já ostentou vacinações em massa com índices superiores a 90% de cobertura.

A nova campanha de vacinação contra a poliomielite e o sarampo começou no dia 6 deste mês e vai até sexta-feira, dia 31. Todas as crianças de 1 a 5 anos de idade devem tomar as vacinas.

Desinteresse

Há uma semana, o Ministério da Saúde informava que a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo ainda precisava alcançar 5 milhões de crianças.  Apenas 56%  delas havia recebido as doses previstas.

Segundo o Ministério, entre os estados com menor cobertura na campanha, estão Rio de Janeiro, com 36,27% do público-alvo vacinado para pólio e 37,62% para sarampo, e Pará, que tem 41,04% para pólio e 41,04% para sarampo.

Já os estados com melhor cobertura são Rondônia, com 88,89% para pólio e 87,42% para sarampo, e Amapá, com 82,74% para pólio e 82,58% para sarampo.

Em Teresina, fracasso

O Dia D Nacional da Vacinação foi em 18 de agosto. Devido ao aniversário de Teresina, com fim de semana prolongado que naturalmente aumentaria as ausências, a Fundação Municipal de Saúde mudou sua estratégia e transferiu o Dia D para sábado passado, dia 25.

Pelo visto, porém, os pais continuaram em férias uma semana depois do aniversário da cidade. A meta de cobertura na capital é de 49.330 crianças até 5 anos. Até sábado passado, apenas 37% estavam vacinadas.

A abertura foi na Unidade Básica de Saúde Francisco Ramos, no bairro Cidade Satélite, organizada pelo Rotary, com brinquedos, pula-pula, lanches, Zé Gotinha e palhaço.

Frustração: na abertura, apesar da divulgação, não tinha uma criança. Até o encerramento das atividades, perto do meio dia, chegaram 5 crianças para a vacinação.

Em Teresina, são 104 salas de vacinas, com a mobilização de centenas de servidores. Só a vacina contra paralisia infantil custou quase R$ 500 mil.

Doenças voltam

Atualmente, o Brasil enfrenta pelo menos dois surtos de sarampo – em Roraima e no Amazonas.

Até agora, foram confirmados 1.087 casos de sarampo no Amazonas, enquanto 6.693 permanecem em investigação.

Já o estado de Roraima confirmou 300 casos da doença, enquanto 67 continuam em investigação.

Há ainda casos isolados e relacionados à importação identificados nos seguintes estados: São Paulo (2); Rio de Janeiro (18); Rio Grande do Sul (16); Rondônia (1); Pernambuco (2); e Pará (2).

Descaso

O processo de vacinação estabelecido pelo Ministério da Saúde para crianças de até 5 anos é de vital importância, não só pela proteção de doenças, como também para a redução da mortalidade infantil. A vacina é gratuita.

Todos os responsáveis pelas crianças estão devidamente informados da importância das vacinas e do perigo iminente de retorno de doenças  consideradas extintas. E muitos, seguramente, não têm um motivo justificado para tamanha indiferença com a saúde das crianças.

Entre os pais ou responsáveis por esse descaso, estão, sem dúvida, aqueles que mais gostam de jogar pedras nos políticos e no governo, especialmente no Sus, berrando que a saúde não presta!

(Com informações da EBC e da FMS)