Cidadeverde.com

Corpo mole ameaça Haddad no Nordeste

Reprodução

No Ceará, Cid Gomes bate boca com petistas

 

Um vídeo ganhou as redes sociais de segunda-feira para cá. É uma gravação de um apelo do ex-governador do Ceará, Cid Gomes (PDT), ex-ministro da Educação do governo Dilma, e senador eleito, para que o PT faça uma autocrítica, neste segundo turno.

Conforme o ex-governador, sem uma mea-culpa e sem um pedido público de desculpa, o candidato do partido, Fernando Haddad, não ganhará a eleição.

O apelo do senador eleito, irmão do ex-ministro Ciro Gomes, candidato derrotado do PDT à presidência da República, foi feito durante um evento do PT organizado pelo governador do Ceará, Camilo Santana.

No mesmo instante, os petistas reagiram à proposta de Cid Gomes, que encerrou o seu discurso debaixo de vaia. Ele reagiu chamando os petistas de babacas.

O bate-boca entre o senador e a militância petista pode significar para o candidato Fernando Haddad o estouro da boiada, no Nordeste, a única região que lhe deu vitória no primeiro turno.

Na região, já são muitos os aliados do candidato do PT que não acreditam em sua vitória. Ainda estão com ele porque não têm para onde ir. 

Mas podem, perfeitamente, cruzar os braços, dificultando ainda mais a reação de Haddad, que está a 20 pontos do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, nas pesquisas de intenção de voto.

Muitos já estão fazendo corpo mole. Nessa perspectiva, fica difícil o candidato do PT virar o jogo e muito fácil ele não repetir a votação que recebeu no primeiro turno.

 

 

Foto: Agência Senado

Senador Manoel Dias

Senado

Um tio do senador eleito Marcelo Castro (MDB) já ocupou uma cadeira no Senado. Trata-se de Manoel Dias, nascido em São Raimundo Nonato, em 1914, e falecido em Fortaleza, em 1999.

Ele foi jornalista, industrial e político.

Militância

Filho de  José Dias (mais conhecido como Coronel José Dias, que hoje dá nome a um dos municípios da região de São Raimundo Nonato) e de Ana da Silva Dias (mãe Dié), Manoel Dias foi prefeito de sua cidade natal, deputado estadual e senador.

Foi casado com Maria Ester de Castro Dias, com quem teve 12 filhos, dentre eles o ex-deputado Batista Dias (dois mandatos), o arquiteto e empresário Raimundo Dias, o engenheiro e acadêmico Cid de Castro Dias e o empresário Nelito Dias.

Suplência 

Manoel Dias chegou ao Senado em 1965. Ele era suplente do senador Jose Cândido Ferraz, que se licenciou para tratamento de saúde.

Em sua breve passagem pelo Senado, aprersentou requerimento para a criação de uma Universidade Federal em Teresina, tendo defendido sua proposta em pronunciamento proferido em 13 de agosto de 1965.

Outro tio de Marcelo Castro, o médico Waldir Dias, também de São Raimundo, foi suplente do senador Alberto Silva em seu primeiro mandato (1979-1987).

No muro

O prefeito Firmino Filho anunciou ontem que, por não se sentir representando por nenhum dos candidatos finalistas na disputa pela presidência da República, ficará neutro no segundo turno.

Ou seja, manterá a posição do primeiro turno, já que não fez campanha para o candidato de seu partido, o tucano Geraldo Alckmin.

 

 

 

* O vereador Neto do Angelim está arrumando as malas para trocar o PSDC pelo PR do deputado Fábio Xavier.

* Outros vereadores da capital estão na mesma situação. Eles se elegeram por partidos que serão se fundirão a outras legendas para sobreviver.

* O presidente d Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (MDB), já foi apresentar seu filho Marco Aurélio Sampaio em Brasília.

* Ele começou pelas visitas com os que cuidam da construção da BR-222, no trecho que corta o Piauí, via Batalha e Esperantina, em direção ao Maranhão.

 

 

Transfusão 

Da senadora Regina Sousa (PT), ao criticar ontem, da tribuna do Senado, a mudança na logomarca da campanha do candidato Fernando Haddad:

- Não concordo que devia ter mudado a cor. Para mim, é vermelho. Quem for muito contra o vermelho faça uma transfusão de sangue azul.