Cidadeverde.com

Deputado aponta riscos em barragens

Foto: Agência Câmara

Heráclito Fortes aponta riscos em barragens sem manuntenção

 

O deputado Heráclito Fortes (DEM) chamou atenção ontem, mais uma vez, da Tribuna da Câmara, para a necessidade de manutenção das barragens no Piauí. Heráclito Fortes destacou o artigo veiculado neste espaço, na edição de ontem, intitulado “Barragens estão ao deus-dará”, e solicitou a sua transcrição nos Anais da Casa.

“Esta é uma matéria que carece da atenção de todos. Trata-se de um relato do que acontece no Piauí sobre o descaso na manutenção de várias barragens. O Piauí já foi vítima de uma barragem que estourou, a Barragem de Algodões, e deu um prejuízo terrível, ceifando vidas, destruindo plantações, e nunca foi recuperada”, destacou o parlamentar.

Heráclito Fortes citou outros casos, entre eles, o que aconteceu em Brasília e, mais recentemente, o ocorrido em São Paulo, ressaltando que nas duas situações, o desabamento se deu pela falta de manutenção.

Fiscalizar é preciso

Na ocasião, alertou ao novo governo que torne obrigatória a fiscalização de todas as construções, urbanas ou não, que tenham como base o uso do concreto.

“O concreto é amigo do homem, mas a manutenção se faz necessária. Esse governo que começa agora teria muita prudência de tornar obrigatória a fiscalização de todas as construções, urbanas ou não, que tenham como base o uso do concreto”, pontuou.

Heráclito Fortes estendeu sua preocupação não apenas ao Piauí, mas ao Brasil inteiro, para que se tenha um trabalho de manutenção periódica de barragens, pontes, viadutos, e tudo que leva concreto na sua construção.

Novo alerta

Esta não é a primeira vez que o deputado Heráclito Fortes alerta para o problema. Desde 2009, quando aconteceu o rompimento da barragem de Algodões,  em Cocal, Heráclito Fortes, na época senador, alertou o Governo do Estado para a necessidade de um plano de manutenção das barragens do Piauí.

Postura semelhante ele teve no início deste ano, quando foi emitido o sinal de alerta máximo por ameaça de rompimento da barragem do Bezerro, em José de Freitas.

A falta de manutenção das barragens foi tema de uma audiência pública do Senado realizada na segunda-feira, passada, em Teresina, por proposição do senador Elmano Férrer (Podemos).

Foto: Agência Câmara

Landim faz apelo pela liberação de recursos para nova universidade

Landim cobra instalação da Universidade do Delta

O deputado Paes Landim (PTB) usou ontem a tribuna da Câmara Federal, no tempo destinado à liderança do bloco parlamentar, para fazer um apelo pela liberação da emenda orçamentária destinada à implantação da Universidade Federal do Delta do Parnaíba.

O apelo do deputado foi dirigido ao ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva. Ele lembrou que os recursos orçamentários destinados à Universidade do Delta são de caráter obrigatório, através de emenda vinculativa, no valor de R$ 8 milhões, da bancada do Piauí.

Segundo o parlamentar, esses recursos são imprescindíveis para ajudar no início dos trabalhos de instalação da nova universidade.

O deputado disse que com a verba serão tomadas as primeiras providências para a implantação da universidade, como a nomeação do reitor pro tempore para preparar o estatuto, a eleição do novo reitor e implantação dos primeiros cursos.

Guardiã do Delta

A proposta que cria a Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), por desmembramento da Universidade Federal do Piauí (UFPI), foi aprovada pelo plenário da Câmara dos Deputados em março deste ano.

A medida está prevista em substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 5272/16, do Poder Executivo.

Landim afirmou que um dos objetivos da UFDPar, que será moderna, é proteger o próprio Delta do Parnaíba, as suas matas ciliares, sua flora e sua fauna.

“A universidade tem que despertar essa consciência crítica pela preservação ambiental e proteção dessa grande riqueza natural que é famoso Delta do Parnaíba”, defendeu. Landim disse que a nova universidade será a guardião do Delta.

Landim disse que a nova universidade só ainda não foi instalada por falta de sensibilidade do Ministério do Planejamento, mas garantiu que a implantação da UFDPar se dará no próximo ano.