Cidadeverde.com

Teatro da insensatez

“Reassumo as funções da Presidência da República. Entre exercícios e fisioterapia, os trabalhos que já vinham sendo tocados pela nossa equipe seguem com afinco. O apoio que estou recebendo será fundamental para minha total recuperação. Muito obrigado! Um forte abraço a todos!”

Com esse comunicado, publicado ontem pela manhã através das redes sociais, e ainda se recuperando de uma delicada cirurgia, o presidente Jair Bolsonaro reassumiu o governo e está despachando de um escritório improvisado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Como dizia Leal Júnior, em seus tempos de comentarista esportivo, é uma situação que causa espécie.

As cenas de Bolsonaro despachando de um quarto de hospital vão ser curtidas fartamente nas redes sociais, de modo a encher a bola de um governo que ainda não saiu do palanque.

O fato, porém, é que nos próximos dias o Brasil terá um presidente que fará de conta que governa, de um hospital, em São Paulo, e o governo acontecendo de fato, na vida real, em Brasília.

Que não aconteça nada de grave com a saúde do presidente é o desejo de todo brasileiro de boa vontade, neste momento. Mas todo esse esforço que ele faz, nesta fase pós-operatória, para parecer que governa é absolutamente desnecessário.

A pressa do presidente de reassumir o poder apenas sugere uma indisfarçável desconfiança sobre a estabilidade interna da equipe dele, a começar por sua relação com o vice-presidente Hamilton Mourão.

A equipe médica que atende o presidente bem que poderia se impor, ou mesmo o hospital, para não correr o risco de ter a sua credibilidade abalada.

No país de Tancredo Neves, esse tipo de encenação beira a insensatez.

 

 

Eleição na Alepi

Deu o previsto na eleição da nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

O deputado Themístocles Filho (MDB) venceu ainda na véspera do pleito a queda de braço com o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do PP, e o deputado federal Assis Carvalho, presidente regional do PT.

Renovação

Os dois parlamentares lançaram um candidato de oposição à presidência da Assembleia logo depois das eleições de outubro, sob o argumento de renovar o comando da Casa.

Desde então, o deputado Hélio Isaías (PP) vinha carregando essa candidatura.

Fim de linha

Quarenta e oito horas da eleição, porém, o grupo de oposição jogou a toalha e aceitou se compor com o presidente da Assembleia, apoiando a sua recondução ao cargo.

Formou-se uma chapa de consenso para a eleição será realizada amanhã.

Rebelde

Ontem, após o anúncio do acordo, o deputado Nerinho (PP) rebelou-se contra a aliança e se inscreveu como candidato avulso a presidente.

É possível que tenha o voto dele próprio.

Virar o disco

Agora é esperar que, com a definição da nova Mesa da Assembleia, finalmente vire-se o disco e se busque um assunto de interesse da população para ocupar as atenções e as preocupações de todos.

Essa pauta da eleição da Assembleia já deu o que tinha que dar.

Foto: Divulgação

Com o novo ministério - O prefeito Firmino Filho retornou satisfeito e esperançoso de seu primeiro contato com o ministério do presidente Jair Baolsonaro, em Brasília. Acompanhando a Frente Nacional de Prefeitos, ele esteve com os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; e da Economia, Paulo Guedes. Nas audiências, reforçou ao governo as demandas municipais, e também falou sobre as necessidades dos municípios com vistas a um maior diálogo federativo.Firmino esteve ainda com o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, e com o secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa, brigadeiro Ricardo Machado .Outro compromisso de sua agenda foi com o presidente nacional do Sebrae, João Henrique Sousa. 

 

 

* O Ministério Público de Contas pediu a cabeça do diretor d Maternidade Dona Evangelina Rosa, justificando que por lá a situação é calamitosa.

* Se a moda pegar, em qual órgão da administração pública vai sobrar gestor para tocar o expediente?

* Pollyanna Keccy Vieira da Rocha assume hoje, às 9 horas, o cargo de vereadora de Teresina pelo PV.

* Ela foi convocada com a renúncia da vereadora Teresa Brito para assumir o mandato de deputada estadual.

 

 

Brasil brasileiro

Do humorista Fraga:

- O Brasil tem jeito. Mas não desse jeito.