Cidadeverde.com

Governadores do Sul apoiam reforma

Dois dias depois da divulgação da “Carta dos Governadores do Nordeste”, com críticas ao projeto de reforma da Previdência apresentada pelo Governo Bolsonaro, seis governadores dos estados do Sul e do Sudeste do país anunciaram apoio irrestrito à proposta.

Eles comunicaram no sábado que irão trabalhar no Congresso Nacional, junto às bancadas de seus Estados, para congregar apoio incondicional à aprovação da reforma.

"Nós apoiamos incondicionalmente o presidente Bolsonaro nessa missão de reformar a Previdência. Somos da opinião de que, se não fizermos um esforço, se não tivermos essa posição de um certo sacrifício, nós estaremos condenando o Brasil a um crescimento medíocre da economia nos próximos anos", afirmou o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo). 

O encontro aconteceu em Belo Horizonte, e reuniu os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). O governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), não esteve presente por questões de agenda. 

A única ressalva do grupo foi feita pelo governador do Espírito Santo. Para ele, "boa parte do que foi proposto" estaria dentro do que acredita que é preciso ser feito com o sistema, porém, alguns pontos necessitam ser aprofundados.  

"Eu sou favorável a uma reforma, tenho alguns pontos que destaco como necessidade de debate mais profundo, como a questão da capitalização, do benefício da prestação continuada, da aposentadoria rural", explicou Casagrande. 

Nordeste

Na quinta-feira passada, os governadores do Nordeste se encontraram em São Luís e criticaram a principal bandeira do governo Bolsonaro até o momento – a reforma da Previdência.

Os governadores nordestinos se declararam "em defesa dos mais pobres, tais como beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social, aposentados rurais e por invalidez, mulheres, entre outros". 

O grupo defende a exclusão da proposta de implantação de um regime de capitalização para a Previdência. 

Como se vê, as restrições dos dois grupos de governadores à proposta de reforma da Previdência são praticamente as mesmas, com a diferença que o grupo do Sul e Sudeste se declara favorável à aprovação das mudanças e o do Nordeste prefere ficar nas críticas, tentando fazer média com a população. Isso mesmo sendo eles os que mais precisam da reforma previdenciária.

 

 

Greve na Uespi

A Universidade Estadual do Piauí (Uespi) deflagra hoje uma greve geral por tempo indeterminado.

Em síntese, o comando de greve reivindica: reajuste salarial para os professores e servidores; equiparação e progressão de professores provisórios; autonomia financeira para extensão, pesquisas e bolsas estudantis; contratação de mais professores e pagamento dos salários dos terceirizados.

Não dá!

 O Governo do Estado já comunicou que não tem condição de atender à pauta.

Primeiro, porque já chegou ao limite prudencial fixado pela Lei de Responsabilidade Fiscal para despesas com pessoal;

Segundo, porque não tem dinheiro em caixa.

Protesto

O Comando de Greve convocou a comunidade acadêmica da Uespi para ato público hoje, a partir das 7h30.

O ato público será no portão de entrada da universidade, no Campus Pirajá.

Rumo às bases

Com mandato renovado mais uma vez para o comando do MDB no Piauí, o senador Marcelo Castro refirmou no sábado o seu compromisso de trabalhar pelo fortalecimento do partido, com foco no municipalismo.

Foto: Divulgação

Marcelo Castro recebe convencionais do MDB

 

 

* A Associação Reabilitar e o Governo do Estado inauguram hoje, às 8 horas, as obras de reforma e ampliação do Centro Integrado de Reabilitação (Ceir).

*A Assembleia Legislativa realiza na quarta-feira, 20, a partir das 10h, uma sessão solene em homenagem à Campanha da Fraternidade 2019.

* Promovida anualmente em todo o país pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Campanha deste ano traz como tema “Fraternidade e Políticas Públicas”.

* A sessão foi proposta pela deputada Teresa Britto (PV), que tem grande inserção nos movimentos sociais e nas campanhas da Igreja Católica.
 

 

Classificado

Do deputado estadual João Mádison, secretário geral do MDB no Piauí, a quem interessar possa:

- O MDB não é uma sigla de aluguel!