Cidadeverde.com

Enchentes se repetem a cada dez anos

Reprodução

Avenida Marechal Castello Branco, alagada na cheia de 2009

 

Como as secas, as enchentes também são cíclicas. O Piauí vive mais uma temporada de cheias que se repetem a cada dez anos, aproximadamente.

Nos últimos 50 anos, o Estado viveu uma grande cheia em 1974. O fenômeno se repetiu em 1985.

Outra vez o estado foi inundado por enchentes em 1995. A última grande cheia foi registrada em 2009.

Foi nesse ano que o Estado viveu o maior desastre natural de sua história, com o rompimento da Barragem de Algodões, no município de Cocal da Estação, no Norte do Piauí.

Todas essas enchentes deixaram milhares de famílias desabrigadas, em vários municípios, e prejudicaram gravemente a infraestrutura física das cidades, especialmente das ribeirinhas. 

Foto: Cidadeverde.com

Barragem de Algodões, após o rompimento, em 2009

O drama se repete

Chove torrencialmente em todo o Piauí há várias semanas. Os rios, riachos, barragens e açudes estão transbordando.

As águas inundam também as cidades, com graves danos para toda a malha viária e para as habitações construídas em áreas de risco.

Muitas estradas estão praticamente intrafegáveis, com buracos nas pistas e pontes com sua estrutura física abalada.

Parnaíba, a cidade mais baixa do Piauí, se transformou em uma Veneza. A cidade está dentro d’água.

Diques-Avenidas

Em Teresina, os estragos só não são maiores porque ao longo do tempo foram feitas várias obras de proteção da cidade contra as enchentes.

A primeira delas foi a Avenida Maranhão, que na verdade é um dique. O primeiro trecho, entre a Cepisa e a ponte rodoferroviária João Luís Ferreira, foi construído para proteger a parte mais baixa da área central, onde se situava então a zona comercial.

Também foi construída a Avenida Boa Esperança, outro dique que protege a zona Norte, no Encontro dos Rios Parnaíba e Poti, a parte mais baixa da cidade.

Tanto a Avenida Maranhão quanto esse dique foram construídos no primeiro governo Alberto Silva, na década de 1970.

A Maranhão foi ampliada para as zonas Norte e Sul no Governo Lucídio Portella (1979-1983) e o dique da zona Norte foi reforçado e ampliado depois das cheias de 1995 e 2009, pela Prefeitura de Teresina e pelo Governo do Estado.

Drenagem

Outra obra importante nesse setor é a Poticabana, também um dique de contenção de cheias, inaugurada em 1990.

Por último, o projeto Lagoas do Norte, que interligou 17 lagoas da região, melhorando significativamente o sistema de drenagem das águas.

Sem essa obra, pelo menos 5 mil famílias já teriam sido atingidas pelas cheias deste ano apenas naquela área.

Apesar disso, a capital ainda enfrenta problemas de drenagem em muitas áreas. São problemas crônicos que se repetem a cada período chuvoso.

O desafio do momento é dar assistência às famílias já atingidas pelas águas. Também estar devidamente prevenido para os problemas que ainda virão, pois a previsão é de mais chuvas no Estado nos próximos dias.

Foto: Divulgação/PMT

Projeto Lagoas do Norte melhora sistema de drenagem das águas das chuvas