Cidadeverde.com

‘Karolina com K’ e o novo secretariado

Foto: Francisco Leal/CCom

Wellington anuncia sua nova equipe

 

Em “Karolina com K”, uma das músicas de maior sucesso de seu repertório, o sanfoneiro Luiz Gonzaga conta como ele dividiu com um colega a renda de uma festa na qual tocaram a noite inteira:

 

-Vamu contar o dinheiro, Ansermo!! É 20 pra tu..e 20 pra eu!!
-Eu vou contar... Pronto!!
-Um pra eu...um pra tu...um pra eu...
-Um pra eu...um pra tu...um pra eu...

 

E foi assim nessa batida até o último tostão:


-Um pra eu...um pra tu...um pra eu...
-Mais um pra eu...mais um pra tu...um pra eu...
-Pronto, Ansermo!! Aqui tá o teu...aqui tá o meu...

 

Lembrei-me desta música do Rei do Baião ao passar a vista na relação do novo secretariado do governador Wellington Dias, anunciado oficialmente ontem, quatro meses depois de sua posse no quarto mandato no Palácio de Karnak.

Reeleito em um palanque no qual juntou uma ampla base política, o governador dividiu os cargos com os aliados fazendo a mesma conta de Gonzagão.

As melhores pastas ou ficaram em sua cota pessoal ou na do PT, o seu partido, o que dá na mesma.

E ainda escolheu os ocupantes das que entregou aos partidos aliados. Vejamos:

Secretário de Governo – Osmar Júnior (PCdoB), ex-vice-governador e ex-deputado federal. É da cota pessoal do governador, que já o teve como vice em seu primeiro mandato;

Secretário de Segurança – Fábio Abreu (PR), deputado federal e ex-secretário da mesma pasta no governo passado. Voltou ao cargo na cota do governador;

Secretário de Fazenda – Rafael Fonteles. Empresário e petista. É outro que retornou ao cargo na cota do governador;

Secretário de Planejamento – Antônio Neto, petista histórico. Também voltou aos cargos pelas mãos do governador;

Secretário de Administração e Previdência – Merlong Solano, deputado federal do PT. É coringa do governador.

Secretário de Saúde – Florentino Neto, petista e ex-prefeito de Parnaíba. O Progressistas do senador Ciro Nogueira e o presidente estadual do PT, deputado federal Assis Carvalho, estavam brigando pelo cargo. Para manter Florentino em sua equipe, o governador aplicou aquela conhecida passagem do folclore futebolístico: “fez que foi e não foi, mas acabou fondo”. Deu certo;

Secretário de Educação – Ellen Gera, professor, técnico. Outro que entrou na cota pessoal do governador, com as bênçãos da deputada federal Rejane Dias (PT), a quem auxiliou quando ela era secretária de Educação;

Secretário de Assistência Social, Cidadania e Trabalho – Zé Santana, deputado estadual. Volta ao cargo na cota do MDB;

Secretário de Justiça – Carlos Edilson. Advogado. Indicação do deputado Dr. Hélio (PR);

Secretária de Infraestrutura – Janaina Marques. Deputada do PTB. Ela retorna ao cargo por convite pessoal e direto do governador, sem nenhuma influência de seu partido;

Secretário para Inclusão da Pessoa com deficiência – Mauro Eduardo. Indicação da deputada Rejane Dias (PT);

Secretário de Transportes – Manoel Gustavo Costa de Aquino. Engenheiro. Indicação do Progressistas;

Secretário de Defesa Civil – Geraldo Magela. Engenheiro, ex-presidente do Idep. Outro da cota pessoal do governador;

Secretário das Cidades – Gustavo Xavier. Engenheiro indicado pelo irmão, deputado Fábio Xavier, presidente regional do PR;

Secretário da Agricultura Familiar – Herbert Buenos Aires. Bancário. É da cota pessoal do governador;

Secretária do Agronegócio – Simone Pereira. Assistente social. Indicação do PSD do deputado federal Júlio César;

Secretária de Cultura – Bid Lima. Atriz. Continua no cargo por indicação do deputado Fábio Novo (PT);

Secretário de Mineração, Petróleo e Energias Renováveis – Wilson Brandão, deputado estadual do Progresistas, mas está na equipe do governador sem qualquer interferência do partido;

Secretário de Desenvolvimento Econômico – Igor Nery. Indicação do deputado estadual Nerinho (PTB), também sem qualquer interferência do partido;

Instituto de Terras do Piauí (Interpi) – Chico Lulas, procurador do Estado e ex-presidente da OAB-PI. Também é da cota do governador;

Diretor geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) – Castro Neto, engenheiro e filho do presidente regional do MDB, senador Marcelo Castro;

Coordenador de Comunicação – Allison Bacelar, jornalista e prata da casa. Já era diretor da CCom. Outro secretário da cota do governador;

Diretor do Instituto de desenvolvimento do Piauí (Idepi) – Leonardo Sobral. Formado em Direito. Indicação do deputado João Mádison (MDB);

Presidente da Agespisa – Genival Sales. Vereador do PT em Piripiri e funcionário de carreira da empresa. Cota pessoal do governador;

Presidente da Fundação de Esportes do Piauí (Fundespi) – Clemilton Queiroz, ex-candidato a prefeito de Amarante pelo PT. Formalmente, é indicação do deputado Oliveira Neto (Cidadania);

Diretor do Detran – Aarão Lobão – Advogado. Reconduzido ao cargo por indicação do PP;

Presidente da Fundação Hospitalar (com atribuições reduzidas) – Pablo Santos, deputado estadual do MDB;

Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi) – Décio Solano, advogado e ex-vereador do PT em Teresina;

Coordenador de Fomento à Irrigação – B. Sá, ex-deputado federal e ex-prefeito de Oeiras. Ocupou o cargo na gestão passada sem chance de irrigar um hectare de terra;

Secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – Sádia Castro, jornalista e professora universitária. Indicada pela sua irmã, deputada federal Magrete Coelho (PP);

Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Piauí (Fapepi) – Antônio Cardoso do Amaral, proressor. No preenchimento desse cargo, pelo qual ninguém briga, o governador prestigia o professor Nota 10 da premiada Escola Augustinho Brandão, de Cocal dos Alves;

Presidente da Emater – Francisco Guedes. Petista histórico. Também escolha pessoal do governador;

Agência de Defesa Agropecuária (Adapi) – José Genilson Sobrinho. Engenheiro agrônomo. Indicação do deputado estadual Firmino Paulo, do Progressistas, mas sem o conhecimento do partido;

Cadeira vazia

Secretário de Turismo – O nome não foi anunciado, mas deve ser da cota do PDT dos deputados Flávio Nogueira e Flávio Nogueira Júnior;

Outros cargos, como os comandos da PM e dos Bombeiros, Agência de Tecnologia da Informação (ATI), são nomeações meramente técnicas.

No geral, o Progressistas e o PSD, dois importantes aliados da campanha passada, praticamente ficaram a ver navios.

Bancada do PT cresce

Mas isso não é tudo. O governador convocou quatro deputados para sua equipe. São eles: Wilson  Brandão  (Progresistas), Pablo Santos ( MDB), José Santana ( MDB) e Janaína Marques ( PTB).

Com isso, serão convocados os suplentes Warton Lacerda, Ziza Carvalho e Cícero Magalhães, todos do PT, além de Belê Medeiros, do PP.

Com essa dança nas cadeiras na Assembleia Legislativa, o PT passa a ter a maior bancada na Casa, no total de oito, apesar de nenhum parlamentar do partido ter saído para o secretariado.

Como se vê, a única diferença entre a contagem do governador e a de Gonzagão é que Wellington puxou ainda mais brasa para a sua sardinha.