Cidadeverde.com

Voo cego nas asas da gastança

Por pouco, em meio a uma nova agonia financeira, o Piauí não faz um voo cego nas asas da gastança.

O Governo do Estado lançou aviso de licitação para comprar, pelo período de um ano, a um custo superior a R$ 26 milhões, 222.200 quilômetros de voo em um jato biturbinado e de 4.320 horas de voo de um helicóptero monoturbinado potência mínima de 700 SHP.

O objetivo da licitação, conforme explicado no edital publicado no Diário Oficial do Estado, página 17, edição do último dia 19, e no Mural de Licitações do Tribunal de Contas: “Atender a uma necessidade de locomoção do Exmo. Senhor governador do estado do Piauí, de seus familiares e de outras autoridades”.

No governo Wilson Martins, a imprensa denunciou um disparate desses, de compras para servir às mordomias do governador, e ele não teve dúvida em determinar o cancelamento da licitação, tendo o cuidado de enfatizar que o edital havia sido lançado à sua revelia.

Pregão suspenso

Ontem, o secretário de Administração e Previdência divulgou nota informando que determinou que a Superintendência de Licitações suspenda o pregão eletrônico nº 16/2018 - DL/SEADPREV/PI.

Esse pregão é o que tem como finalidade o registro de preço para contratação de empresa especializada na prestação dos serviços de locação de aeronaves, por km/voo e por hora/voo.

Segundo a nota, a suspensão acontece para que o edital possa ser revisado e avaliado.

A Sead-Prev esclareceu ainda que “a licitação visa atender às necessidades de transporte aos órgãos do Governo Estado do Piauí em atividades executivas oficiais, como Gabinete do Governador, a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, secretarias de Segurança, Saúde e Justiça, entre outros.”

No olho de uma crise financeira e fiscal gigantesca, como a atual, um governo sensato e preocupado com os recursos públicos jamais faria uma licitação como essa.

 

 

Foto: Divulgação/TCE

TCE faz audiência pública sobre lotação de PMs em gabinetes

PMs nas ruas

O Tribunal de Contas do Estado realizou ontem audiência pública para discutir a cessão de policiais militares para os Poderes e órgãos da administração pública.

O objetivo era discutir o tema face ao déficit de contingente da Polícia Militar e ao quadro de insegurança pública, agravado com a ausência de policiamento nas ruas da capital e cidades do interior.

O que fazer

A reunião, solicitada pela Rede de Controle da Gestão Pública do Piauí, encaminhou a formação de uma comissão para estudo das normas legais que permitem a cessão dos militares e análise do quadro atual da Policia Militar.

A ideia é elaborar um relatório da situação, apontando propostas e recomendações que podem ser adotadas.

Homenagem

O senador Elmano Férrer (Pode-PI) prestou homenagem ontem ao ex-senador Alberto Tavares Silva, pela passagem do centenário de seu nascimento.

Da tribuna do Senado, Elmano o definiu como um dos maiores expoentes da política piauiense do século 20.

Canteiro de obras

Na visão de Elmano Férrer, o doutor Alberto Silva, como era chamado pelos piauienses, foi uma personalidade marcante na política estadual e nacional. Elmano disse que o Piauí se tornou um canteiro de obras sob o comando de Alberto Silva, com os setores de saúde, energia e transporte recebendo especial atenção.

— Era um homem à frente de seu tempo. Com seu carisma, seu entusiasmo, seus ideais inovadores e espírito ousado, Alberto Silva tornou-se um mito na história do Piauí e conquistou espaço cativo no coração dos piauienses – enfatizou.

Jefferson Rudy/Agência Senado

Elmano presta homenagem a Alberto Silva no Senado

Apertando o cinto

Definitivamente, o Piauí não é para amadores. Num dia, o secretário de Fazenda ocupa a mídia local para declarar que o Estado vai cortar gastos.

A medida, segundo ele, tem o objetivo de economizar, pois o pagamento da folha de pessoal do Estado corre o risco de atrasar nesta virada de ano.

Perto da lua

No outro dia, sai a notícia de que o Estado iria licitar R$26 milhões em horas de jatinho e de helicóptero para os deslocamentos do governador durante um ano.

Não é nada, são 222.200 km de voo em um jato biturbinado.

Se o governo tivesse feito mais uma forcinha, daria perfeitamente para chegar à lua, distante da terra 384.400 quilômetros.

Volta ao mundo

Uma volta ao redor da terra tem aproximadamente 40.000 quilômetros.

Desse modo, o que o Governo do Piauí está querendo licitar daria perfeitamente para dar mais de cinco voltas ao redor do planeta.

Foto: Cremísia/APL

Medalha do Centenário - Os acadêmicos Hugo Napoleão e Fides Angélica receberam a Medalha do Centenário da APL e o diploma correspondente. Quando houve a cerimônia para entrega da comenda, os dois estavam viajando. Todos os acadêmicos foram agraciados com a medalha, entregue pelo presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery.

 

 

* O prefeito de Parnaíba, Mão Santa, está em Brasília, batendo à porta dos ministérios. Ontem, ele esteve no Ministério da Saúde.

* O Governo do Estado pretende economizar pelo menos R$ 150 milhões com a reforma administrativa que pretende implantar em 2019.

* Passada a comoção do assassinado do jovem acadêmico de medicina, tudo volta ao normal e a insegurança continua na mesma.

* O presidente Michel Temer sancionou ontem a lei do reajuste do Judiciário, após acordo com o Supremo para acabar o auxílio-moradia.

 

 

Comida do cachorro

Em Parnaíba, o veterano Juaci, dono de um tradicional restaurante na beira-rio, bom papo, conta que uma vez um cliente andava com os filhos pequenos e, ao final do almoço, pediu para embrulhar as sobras para levar para o cachorro. Os meninos gritaram:

- Oba! O papai vai comprar um cachorro!

 

Magistrados brigam pelo auxílio-moradia

Não é fake-news: a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que mantenha o auxílio-moradia para os juízes mesmo com o reajuste salarial de 16,4% aprovado pelo Congresso para os ministros da corte,  com efeito cascata para a categoria em todo o país.

Em petição enviada na última sexta-feira (23), a entidade solicita ao ministro Luiz Fux que não revogue as liminares que concedeu em favor do pagamento do benefício a magistrados e procuradores de todo o Brasil. Para a AMB, os estados e a União têm condições de arcar com as despesas, a despeito da crise financeira que enfrentam.

Acordo

A extinção do auxílio-moradia, hoje no valor de R$ 4,3 mil por mês, faz parte do acordo fechado em agosto pelo presidente do STF, Dias Toffoli, com o presidente Michel Temer em troca do aumento salarial para a cúpula do Judiciário.

Pela proposta aprovada pelos parlamentares e que aguarda a sanção de Temer para virar lei, o salário de um ministro do Supremo, teto do funcionalismo público, passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil.

Os magistrados alegam que, mesmo com o reajuste salarial, poderão sair perdendo com o fim do auxílio-moradia, benefício sobre o qual não incide cobrança de imposto.

Somente em um país com tanta carência moral uma entidade que congrega magistrados tem a cara de pau de defender uma aberração como essa em que se transformou o auxílio-moradia. (Com informações do site congressoemfoco.com)

 

 

Foto: Cidadeverde.com

Conselheiro Olavo Rebelo, presidente do TCE

PM's nos gabinetes

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Olavo Rebelo, informou que a audiência pública que será realizada hoje no TCE, para discutir a lotação de policiais em gabinetes, será um evento aberto a todos os interessados na questão.

A audiência começa às 9 horas, na Escola de Gestão e Controle.

TCE faz a sua parte

“O governo tem que cortar gastos, ser mais eficiente e, em terceiro lugar, tapar os ralos da corrupção que grassa na máquina pública em níveis insuportáveis. O TCE, creio, tem feito a sua parte, mas, como ocorre com a PF(com toda sua reconhecida efetividade), que não acaba com as drogas e os traficantes, as instituições de controle também têm dificuldade nessa outra luta árdua, mormente por que os que fraudam sempre estão se aperfeiçoando”, analisa o presidente do Tribunal de Contas.

Cada um em seu quadrado

O presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira, apoia a iniciativa do TCE.

Ele disse que tem defendido quere o governo realoque para seus lugares de origem policiais civis e militares, professores, médicos e outros profissionais.

A contrapartida

Para o senador, é prestando os serviços para os quais foram admitidos pelo Estado que esses profissionais podem melhor servir ao público que lhes paga os salários.

“Agora, com satisfação, percebo que o Tribunal de Contas também escolheu trilhar o mesmo caminho”, comentou, nas redes sociais.

Violência

Um novo e brutal crime chocou os piauienses no final de semana. O acadêmico de medicina Antônio Rayron, da Universidade Federal do Piauí, foi morto com um tiro, durante assalto em uma estação de passageiros, na Avenida Miguel Rosa, zona sul de Teresina.

Ele voltava de um plantão no HUT, onde era bolsista.

Reincidente

Um menor, de apenas 15 anos, foi apreendido como autor do crime. Segundo a polícia, foi a terceira apreensão dele em menos de dois meses.

O adolescente confessou o crime à polícia assim que foi capturado, na manhã de ontem, no bairro Macaúba, zona sul de Teresina, na casa da avó.

Foto: Cidadeverde.com

Alberto Silva, 100 anos - Aberta no sábado à noite, no Castelo de Eventos, em Parnaíba, prossegue até o dia 19 de dezembro a exposição “A Memória Afetiva do Ilustre Filho da Parnaíba – Alberto Tavares Silva”. O evento faz parte das celebrações do centenário de nascimento do ex-governador e foi organizado pela Fundação Alberto Silva e o Sesc Piauí. Aos 96 anos, Dona Florisa Silva compareceu à abertura do evento e agradeceu a homenagem.

 
 

* Na entrada do Porto das Barcas, ponto de atração turística de Parnaíba, o turista é recebido por um paredão de som.

* O som é produzido pelo principal bar situado à entrada do complexo. Certamente é uma concessão pública.

* Definitivamente, o Piauí não é para amadores. Num dia, o secretário de Fazenda ocupa a mídia local para declarar que o Estado vai cortar gastos, pois a folha de pessoal corre risco de atrasar.

* No outro dia, sai a notícia de que o Estado vai licitar R$26 milhões em horas de jatinho e de helicóptero para os deslocamentos do governador durante um ano.

 

 

A hora que lhe convém

Casamento de Júlia e Leo, no Mansão Bliss. Mesa em que estão os conselheiros Kennedy Barros, Kleber Eulalio, deputado Júlio Cesar, o ex deputado Hugo Napoleão e o jornalista Arimatéia Azevedo. Hugo desconfia ao ver Azevedo tomando cerveja. O jornalista justifica:

- Vou “manerar”, pois amanhã faço prova do Enade.

Logo em seguida o jornalista muda para o uísque. E Hugo pergunta:

- Você não tem prova no Enade? 

Arimatéia, de uma golada:

- Tenho, mas é só meio-dia.

 

TCE discute lotação de policiais em gabinetes

Enquanto o governador Wellington Dias tateia para definir o plano de ação de seu novo mandato, o Tribunal de Contas do Estado sai na frente.

O TCE marcou para amanhã (26) uma audiência pública para tratar sobre a cessão de policiais militares para outros poderes e órgãos da administração pública. O evento terá início às 9h, na Escola de Gestão e Controle.

A audiência pública será aberta à sociedade e, segundo a assessoria do TCE, tem por objetivo promover a discussão, à luz dos aspectos jurídicos e técnicos, da cessão de policiais militares para outros Poderes e órgãos da Administração, especialmente, para imprimir guarda patrimonial.

Foram convidados para participar da audiência o governador do Estado, o Comandante e Subcomandante da Polícia Militar, todos os interessados chefes de Poderes e órgãos da Administração Pública beneficiários da cessão.

Conforme o TCE, as deliberações, opiniões, sugestões, críticas ou informações emitidas na audiência pública ou em decorrência desta terão caráter consultivo e não vinculante, destinando-se, portanto, a subsidiar a sua atuação.

Do mesmo modo, visa assegurar a participação da sociedade na formulação e condução de políticas públicas e ações administrativas para concretização do direito constitucional à Segurança Pública.

Efetivo reduzido

Aplauso ao Tribunal de Contas pela iniciativa de discutir um dos pontos mais importantes envolvendo a segurança pública.

De fato, os policiais que servem aos Poderes fazem falta nas ruas, no policiamento das cidades.

Há muito tempo a PM trabalha com um efetivo reduzido. Ainda há assim, muitos policiais são colocados à disposição de gabinetes, com desvio de função, pois acabam cuidado da guarda patrimonial.

Isso não se justifica, já que não são poucos os profissionais recrutados nas empresas particulares de vigilância e segurança contratadas pelo poder público para exercer essa mesma função.

Que essa audiência pública no TCE possa resultar na efetiva devolução dos policiais aos seus postos o quanto antes. E que essa devolução comece já pelo Tribunal de Contas!

E a folha de pagamento continua sendo notícia

Quando assumiu o seu primeiro mandato de governador, em 2003, o petista Wellington Dias garantia que a folha de pagamento do Estado deixaria de ser manchete dos jornais. Isto é, o assunto folha iria desaparecer do noticiário porque seria revolvido de vez.

Quinze anos depois, não deixou de ser. É o só no que ainda se fala, todo final de ano. Aliás, desde o começo do segundo semestre, todo ano.

Ontem, por exemplo, o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, tratou do assunto na TV Cidade Verde.

Ele garantiu no programa ‘Notícia da Manhã’ o pagamento do 13º salário do servidor, ameaçado diante da prolongada crise financeira que afeta o Estado e o país.

Contingenciamento

O secretário afirmou também que o governo faz todos os esforços e estudos para manter a tabela de pagamento do servidor público em dia. 

Rafael Fonteles disse que o Estado faz contingenciamento rigoroso de despesas para evitar um colapso financeiro.

Ele ressaltou que o governo não pode ficar na dependência de receitas extraordinárias para fechar as contas e que nos próximos dias serão anunciadas mudanças na máquina administrativa.

O ponto central, porém, é este: o pagamento da segunda parcela do 13º salário do funcionalismo está assegurado.

Ou seja, a folha de pagamento de pessoal não deixou de ser notícia no Piauí.

Neste caso, pelo menos, uma notícia boa.

 

 

Nem aí

O PP, pela palavra de seu presidente, senador Ciro Nogueira, não se mostrou sensibilizado com a proposta de fim da reeleição do presidente da Assembleia Legislativa, para valer a partir da próxima legislatura.

Ciro Nogueira garantiu que o projeto não altera em nada o plano de seu partido de lutar pela presidência da Casa, em aliança com o PT.

Eleição na APPM

O prefeito Jonas Moura, vice-presidente da APPM, ganhou um aliado de peso para a sua candidatura à presidência da entidade.

O atual presidente, Gil Carlos, abraçou a campanha de Jonas e busca o consenso para a sua sucessão.

Turma do barulho

A informação que chega do litoral do Piauí, mais precisamente da Praia do Cajueiro, dá conta que o local, um dos preferidos dos turistas que fogem das badalações, está literalmente abandonado.

A polícia não funciona, o Detran também não e muito menos o Conselho Tutelar.

O resultado é que a meninada toma conta do pedaço e desanda a faer barulho com seus paredões de som, dia e noite.

O problema não é novo, porém nenhuma autoridade dá ouvido.

"Fica, Doutor!"

Os prefeitos do interior estão para lançar a campanha “Fica, Doutor”, em defesa dos médicos cubanos.

Eles suspeitam que os profissionais brasileiros que os substituirão não se dedicarão da mesma forma aos pacientes.

Maternidade

Os reflexos da interdição da Maternidade Dona Evangelina Rosa, pelo Conselho Regional de Medicina, já começaram.

As quatro maternidades do município – situadas nos bairros Buenos Aires, Dirceu, Promorar e Satélite – já estão superlotadas.

E muitas grávidas em trabalho de parto estão voltando da porta desses hospitais por falta de vaga.

 
 

*Foi apimentado o debate de ontem da TV e Rádio Cidade Verde com os quatros candidatos à presidência da OAB-PI. A eleição será amanhã.

* A conta de água em Teresina sofreu um aumento de 7,31%. Uma contribuição para aplacar o calorzão do BR-O-BRÓ.

* A Receita Federal está comemorando 50 anos de criação. É uma instituição estratégica do governo.

* Não é de hoje que se fala na construção de uma nova maternidade do Estado em Teresina.

* As crianças que nasceram quando essa conversa mole começou já estão é votando.

 

 

Pisando no pé

Deu ontem nas mídias sociais:

- Aqui esperando o pessoal preocupado com a saída dos médicos cubanos postar algo sobre o fechamento da Maternidade Evangelina Rosa.

 

MDB propõe fim da reeleição do presidente da Assembleia

O MDB jogou uma cartada que imagina ser decisiva para apaziguar os ânimos na Assembleia Legislativa e abrir caminho para uma nova eleição do deputado Themístocles Filho para o comando da Casa.

Um projeto apresentado pelo deputado João Mádison, com o endosso da bancada emedebista, propõe o fim da reeleição do presidente da Assembleia, mas a partir da próxima legislatura.

A ideia é fortalecer a candidatura do Themístocles Filho para uma nova eleição de presidente da Assembleia, já que se trata de uma nova legislatura.

Mas a proposta assegura aos partidos mais interessados em sua cadeira – no caso, o PP e o PT – a perspectiva de assumir o comando da Casa a partir da eleição seguinte, em fevereiro de 2021.

No começo da semana, o presidente regional do MDB, senador eleito Marcelo Castro, defendeu um entendimento acerca da sucessão da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

Briga desnecessária

Ele avalia que não seria interessante nem inteligente os partidos da base governistas se digladiarem para tirar da presidência da Assembleia um aliado, especialmente quando se trata de um político com espírito agregador, como é o caso de Themístocles Filho.

O governador Wellington Dias ainda não se manifestou sobre a questão. Já o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas, pregou abertamente uma aliança de seu partido com o PT para enfrentar o deputado Themístocles Filho.

O presidente da Assembleia, por sua vez, em seu estilo comedido e pragmático, prefere se movimentar nos bastidores, afastando-se de polêmicas.

Ele tem a seu favor o fato de prestigiar sempre os colegas, ao longo de seus vários mandatos como presidente da Assembleia. E tem contra ele justamente os vários mandatos como presidente da Casa.

 

 

Licença

A Assembleia aprovou ontem autorização para o governador Wellington Dias se ausentar do país. Ele irá à Inglaterra, para proferir palestra sobre gestão pública.

Os deputados Gustavo Neiva (PSB), Rubem Martins, (PSB) e Luciano Nunes (PSDB) votaram contra.

Cidadania

O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha Barros, ainda nem foi diplomado, mas já está em vias de ganhar um título de cidadão piauiense.

A proposta foi apresentada pelo deputado João Madison (MDB).

Duplicação

Da Assessoria do ex-governador Wilson Martins, a propósito da nova paralisação das obras de duplicação da BR-343, em Teresina:

“Por dever de justiça, durante o governo Wilson Martins, todas as obras de mobilidade da cidade de Teresina avançavam sem que houvesse quaisquer paralisações, vez que o monitoramento era diário e reuniões semanais com os atores envolvidos no processo; ressalvo a paralisação do rodoanel por conta de decisão judicial atendendo demanda de assentamento.”

Leite de pedra

O governador Wellington Dias mandou para a Assembleia Legislativa a proposta de criação de um novo Programa de Recuperação de Créditos Tributários do Estado.

Está querendo tirar leite de pedra.

Justiça Eleitoral

O TRE vai inaugurar o novo prédio onde serão instaladas todas as zonas eleitorais do Piauí. Trata-se de um imóvel moderno e funcional, instalado em área nobre e com acesso fácil.

O terreno desse Fórum Eleitoral foi adquirido na gestão do desembargador Edvaldo Moura, como presidente do TER, e do então corregedor-geral, desembargador Joaquim Santana, sem ônus para a União Federal e com autorização do Poder Legislativo do Piauí.

Quando se findou aquela gestão, 62% das obras estavam concluídas.

 
 

* A Agência de Desenvolvimento Agropecuário do Piauí (Adapi) reforçou as barreiras sanitárias na Divisa com o Ceará.

* Já foram detectados 11 focos de peste suína naquele Estado. O Piauí compra pouco porco de lá.

* Aos poucos, o futuro ministro Sérgio Moro monta a sua equipe com membros da Lava Jato.

* Ou seja, a partir de janeiro, a “República de Curitiba” se transfere para Brasília de malas e cuias.

 

 

O poder da burrice

Do humorista Fraga:

- A gente só descobre o poder da idiotice quando um idiota chega ao Poder.

 

Estado volta a atrasar pagamento de precatórios

O Governo Estado voltou a atrasar o pagamento dos precatórios (dívidas judiciais). Estão a descoberto os meses de outubro e novembro, o que pode levar a novo bloqueio judicial nas contas do Estado.

Os recursos não repassados somam mais de R$ 25 milhões, correspondentes a mais dois meses de atraso. As transferências para a conta dos precatórios devem ser feitas até 20 de cada mês.

Há um mês, o Tribunal de Justiça, por decisão de seu presidente, desembargador Erivan Lopes, bloqueou as contas do Governo do Piauí para o pagamento de parcelas de precatórios que estavam com quatro meses de atraso.

Os valores bloqueados nas contas do Estado, pelo Tribunal de Justiça, chegaram a R$ 48 milhões.

À época, o presidente do TJ explicou que total bloqueado era referente aos meses de junho, julho, agosto e setembro, nos valores de R$ 12 milhões para cada mês.

O Governo do Estado apresentou recurso judicial ao Tribunal de Justiça contra a decisão, mas não obteve êxito. Também reclamou ao Supremo Tribunal Federal, que ainda não julgou o recurso.

O bloqueio das contas do Estado é um complicador a mais para o governador Wellington Dias, que ainda tenta fazer caixa para pagar a segunda parcela do 13º salário do funcionalismo.

Além disso, o Estado tem dívida na praça com fornecedores e prestadores de serviço. A empreiteira que executava os serviços de duplicação da BR-343, na saída de Teresina, por exemplo, abandonou a obra por falta de pagamento.

Como está no fim do mandato, este ano o governador não pode mais deixar dívidas para a gestão seguinte pagar. Sem dinheiro extra e com os recursos bloqueados, fica complicado o fechamento dessas contas.

 

Obra de duplicação da BR-343 é abandonada

Foto: Cidadeverde.com

Duplicação da BR-343: terceira paralisação das obras

 

A duplicação da BR-343, na saída Norte de Teresina, já se arrasta há seis anos e não ficará pronta tão cedo. A primeira empresa vencedora da licitação para executar a obra, a Getel, abandonou o canteiro sem concluir os serviços.

Foi chamada a segunda colocada, a Construtora Copa, que retomou as obras e, há algumas semanas, retirou seus equipamentos da estrada. A empreiteira acaba de comunicar oficialmente ao DER e ao Dnit que deixou a obra por falta de pagamento.

Com isso, é incerta a conclusão da duplicação da BR-343, em Teresina. O convênio do Governo do Estado com o Dnit, delegando a obra ao DER, já foi prorrogado duas vezes e se encerra no próximo dia 10, sem que os serviços tenham sido concluídos.

O Dnit está apreensivo porque nem as obras de drenagem na área em frente ao residencial Mirante do Lago foram feitas. Assim, com a aproximação do período das chuvas, é grande o risco de novas inundações no trecho e de interrupção do tráfego na BR.

Três paralisações

As obras de duplicação das BRs-343 e 316, na capital, foram iniciadas em 2012, sendo paralisadas por longos períodos por três vezes.

É um caso espantoso, pois são apenas 9 quilômetros em direção ao Norte do Piauí e mais 8 quilômetros em direção ao Sul do Estado.

No início da década de 70 do século passado, no primeiro Governo Alberto Silva, o Piauí foi ligado de ponta a ponta por rodovias asfaltadas.

As obras foram tocadas pelo Governo do Estado, totalizando mais de 1.200 quilômetros de asfalto apenas nessa ligação rodoviária que começava em Luís Correia e acabava em Cristalândia, no Extremo-Sul do Estado, já na divisa com a Bahia.

Além de muitos outros trechos de rodovias estaduais, o Governo do Piauí fez, naquele período, por delegação do DNER, hoje Dnit, o asfaltamento das BRs-222 (de Piripiri a Tianguá, no Ceará) e da BR-316 (de Picos a Araripina). Os batalhões de engenharia do Exército encamparam vários trechos.

Era um tempo em que tudo era difícil, mas o Governo do Piauí entregou esses trechos com asfalto de boa qualidade.

Quatro governos

Hoje, com tudo mais fácil, o Piauí precisa de quatro governos para fazer apenas 17 quilômetros de estradas, dentro da capital, com tudo ao alcance da mão.

Juntaram-se e não deram conta desse serviço os governos Wilson Martins, Zé Filho e Wellington Dias.

Pelo visto, o atual governador vai precisar gastar mais um pedaço de seu quarto mandato para concluir essas obras.

Por essas e outras, o jornalista Deoclécio Dantas bradava sempre: “Êta Piauí difícil!”

Eu completo: e bota difícil nisso!

PT vira um Arenão

 

Na eleição presidencial de domingo passado, o PT escapou no Nordeste. O candidato da sigla à presidência da República, Fernando Haddad, ganhou com folga apenas nos nove Estados da região. Em mais dois, Pará e Tocantins, venceu com diferença apertada. Nos demais, foi derrotado.

Em São Paulo, o seu berço e sua principal base, o Partido dos Trabalhadores perdeu feio. O candidato Fernando Haddad obteve apenas 32% dos votos, contra 68% de Jair Bolsonaro, do PSL.

Os petistas sofreram derrotas fragorosas ainda em Minas (58% a 41%) e Santa Catarina (76% a 24%).

O Estado que deu a maior vitória, proporcionalmente, para Bolsonaro foi o Acre, antigo e tradicional reduto do Partido dos Trabalhadores.

Lá, Haddad conseguiu ontem apenas 23% dos votos, contra 77% de Bolsonaro.

Um levantamento do jornal O Estado de São Paulo indica que, entre os mil municípios brasileiros com os maiores IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), Bolsonaro venceu em 967, enquanto Haddad conquistou 33.

Já nas mil cidades brasileiras menos desenvolvidas, Haddad ganhou em 975 e Bolsonaro em apenas 25.

Nas eleições passadas, o PT fez quatro governadores no Nordeste (Bahia, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte) e comemorou a eleição de cinco aliados – dois do PSB (Paraíba e Pernambuco)), um do MDB (Alagoas), outro do PCdoB (Maranhão) e um do PSD (Sergipe).

Fuga para os grotões

Com a chegada ao poder, em 2002, na primeira eleição de Lula, aos poucos o PT foi perdendo força eleitoral nas metrópoles, que eram sua base.

Os tradicionais eleitores do partido se desgarraram dele, nessas regiões, em função de alianças, concessões e outras atitudes petistas que os contrariaram e os desapontaram.

O PT recompôs essas baixas investindo politicamente nos chamados grotões, as regiões mais pobres do país.  

No Nordeste, uma dessas áreas, o partido se fez forte com as políticas de inclusão social, especialmente com o Bolsa Família, que se transformou no maior cabo eleitoral dos petistas na região.

Nasce um novo Arenão

A eleição deste ano passará a gestão do programa às mãos de um populista de direita, Jair Bolsonaro. Ele terá em mãos todas as armas para invadir e destroçar os últimos redutos do PT nas próximas eleições.

Em resumo, a eleição presidencial deste ano reduziu o PT a um partido do Nordeste.

Foi em um partido político de expressão apenas nordestina que se transformou a toda poderosa Arena. Era a sigla de sustentação do governo militar e chegou a ser chamada até de “o maior partido do Ocidente”.

Depois, a Arena virou PDS, igualmente chapa branca, mas com influência restrita ao Nordeste. A seguir, o PDS virou PFL, também com peso apenas na região.

E, por último, o PFL, neto da Arena e filho do PDS, sendo apenas um partido do Nordeste, virou pó!

O PT de hoje é aquele Arenão de ontem.

(A coluna deixa de ser atualizada pelas próximas duas semanas, em função das férias do titular)

Sérgio Moro é picado pela 'mosca azul'

Foto: EBC

Juiz Sérgio Moro deixa a Lava Jato e entra no governo

 

O coordenador da Operação Lava Jato, juiz Sergio Moro, aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para ser ministro da Justiça. A decisão foi anunciada ontem, pelo próprio juiz e pelo presidente eleito, depois de um encontro reservado entre eles, no Rio de Janeiro.

Segundo a imprensa, o Ministério da Justiça terá um novo desenho, com novas atribuições, no futuro governo, devendo ser ampliado, abrangendo a área de Segurança Pública, mais a Secretaria da Transparência e Combate à Corrupção, além da CGU e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Ao aceitar ser indicado para o Supremo, Sergio Moro vai repetir, provavelmente, a trajetória do ministro Alexandre de Moraes.

A pessoas próximas, o juiz da Lava Jato disse que poderia fazer "coisas boas" na Justiça. Uma questão fundamental seria ter o controle da PF. Daí o peso de uma eventual fusão da Justiça com Segurança Pública em sua decisão para compor o ministério.

Sedução

Muito bem. O trabalho do juiz Sérgio Moro na Lava Jato é reconhecidamente muito importante para o país, pois se trata do maior esforço de combate à corrupção da história do Brasil.

Por isso mesmo, é delicada a ida dele para o governo, onde estará pisando em um terreno escorregadio, movediço.

Mas, estas alturas, ele não tinha mais outra alternativa, depois de se mostrar seduzido pelo aceno feito pelo presidente eleito para ser ministro.

O Executivo e o Judiciário são poderes harmônicos, mas diferentes, com funções específicas.

Quanto ao juiz Sergio Moro achar que poderá fazer ‘coisas boas’ no Ministério da Justiça, muitos outros também poderiam fazê-las. O difícil é encontrar quem faça o que ele tem feito na Lava Jato.

De  todo modo, está claro quer Sérgio Moro foi picado perla mosca azul. Por melhores que sejam suas intenções, não custa repetir o Eclesiastes, “Vaidade, vaidade de vaidades, tudo é vaidade!”

 

Posts anteriores