Cidadeverde.com

Piauí tem promessa de energia melhor e mais barata

Foto: Cidadeverde.com

Cepisa passa à inicitiva privada 

 

O fato mais relevante para o Piaui na semana que passou foi o leilão da Cepisa, arrematada pela Equatorial Energia, uma holding que controla a Cemar, no Maranhão, e a Celpa, no Pará. A empresa foi a única a dar lance no leilão, com índice de deságio de 119 pontos.

De capital pulverizado, a companhia tem entre seus acionistas a Blackrock, Opportunity e Squadra Investimentos, além de 69,7% de participação de administradoras e minoritários.

A Cepisa foi a primeira das seis distribuidoras estaduais de energia da Eletrobras a ser leiloada. As outras cinco estão na fila.

Redução da tarifa

A Equatorial abriu mão de toda a flexibilização tarifária. Ou seja, com a privatização, a redução imediata de tarifas para o consumidor será da ordem de 8,5%, segundo a Aneel. A correção da tarifa deverá ser feita em até 45 dias após a assinatura do contrato. A assinatura acontece em até 90 dias.

No total, o investimento feito pela Equatorial para comprar a Cepisa foi de R$ 815,05 milhões. Desse montante, R$ 720 milhões serão aportados na empresa e R$ 95 milhões vão para o governo federal em forma de outorga.

Investimentos

Segundo o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., o processo de capitalização da Cepisa vai "quase dobrar" os investimentos na companhia.

Além disso, a nova controladora assumirá o pagamento, em 25 anos, de R$ 844 milhões ao Fundo de Reserva Global de Reversão (RGR), usado para custeio do setor elétrico, o que tem potencial para gerar redução nas tarifas de energia de todos os brasileiros.

A Cepisa tem 1,2 milhão de consumidores e 3,1 mil funcionários. No ano passado, a empresa apresentou um prejuízo de R$ 496,7 milhões. Sua dívida chega a R$ 2,4 bilhões.

Qualidade da energia

A Cepisa está entre as cinco distribuidoras de energia que descumpriram os parâmetros de qualidade nos últimos dois anos. O levantamento, realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi divulgado na semana passada.

A pesquisa focalizou as seis distribuidoras estaduais Eletrobras que serão privatizadas.

Dessas seis empresas, apenas a Amazonas Distribuidora de Energia atendeu aos índices de qualidade, com uma taxa de 0,83 em 2016 e de 0,70 em 2017.

De acordo com a Aneel, se o indicador está abaixo de 1, significa que foi cumprido o parâmetro de qualidade. Quando está acima de 1, a distribuidora descumpriu.

Nesse caso, a Cepisa aparece com um índice de 1,15 em 2016, e com 1,16, no ano de 2017.

Equatorial é top

Segundo a Aneel, o descumprimento das metas que determinam a qualidade está relacionado à falta de investimentos e problemas de gestão nas distribuidoras.

A Cemar, administrada pela Equatorial, aparece há vários anos na cabeça do ranking das empresas com melhor desempenho operacional entre as distribuidoras de energia.

Enfim, o Piauí tem uma promessa real de contar com energia de melhor qualidade e a preço justo.

Alexandre Carvalho, o mago do rádio

Fotos: Arquivo

 

O Piauí acaba de perder um dos grandes nomes da época de ouro do rádio, Alexandre Carvalho, também bancário aposentado e escritor. Ele morreu na tarde de quarta-feira e o corpo foi sepultado ontem.

Depois de aposentado, dedicou-se à literatura. Seu livro de estreia foi Os Brasinhas, que conta a história do conjunto jovem guarda mais famoso do Piauí, ainda em atuação.

Escreveu também um romance e o livro Nas Ondas do Rádio, ainda inédito, com a história da radiofonia piauiense.

Durante muitos anos, a voz de Alexandre Carvalho embalou os sonhos da juventude piauiense de sua geração. Ele trabalhou nas principais emissoras de rádio de Teresina, atuando tanto na locução quanto na programação.

Teve seu nome associado ao sucesso de muitos programas. Foi mestre de muitos profissionais do rádio.

“Alexandre Carvalho foi um brilhante e criativo diretor artístico de rádio. Montou e bolou uma série de programas ao longo de 50 anos. Destaco aqui a nova programação e equipe da Rádio Clube 700, em 1979, que venceu a imbatível Pioneira em muitos horários e por um ano aproximadamente”, resume o radialista Zé Lula.

Inovação

Ele recorda que Alexandre Carvalho mudou o rádio com uma programação moderna e uma plástica inovadora, ao montar a grade da Clube 700, com a máquina do som, com Eudes Pereira, Frank Silva e Luiz Carlos Maranhão. “Depois vinha Ze Povim e Ze Ignorantim, seguido do noticiário, com Carlos Augusto. A seguir, a Elvira Raulino. Depois, Antônio Emídio e, fechado a tarde, o compadre Zé Nunes e a equipe de esportes, com Bolinha, Sérgio Pinheiro, Walters Arraes e Luiz Borges. Tudo sob o comando e direção deste mago que fez história no rádio, Alexandre Carvalho”.

 

Alexande Carvalho nos anos 70

A lembrança que fica

Além de um exímio profissional, um cidadão exemplar, de bom gosto artístico, sobretudo musical e literário.

“Era homem versátil, de conversa agradável, espírito conciliador, admirava a beleza da vida e por ela lutou até o fim com raro destemor e bravura pessoal”, destaca o professor e acadêmico Jônathas Nunes.

Como escreve do Rio de Janeiro o médico e escritor piauiense Edmar Oliveira, ao se despedir do amigo, “Alexandre Carvalho leva um pouco muito importante dos que ouviram sua voz nas ondas sonoras do rádio”.

A juventude transviada de sua época embota seus olhos nas lágrimas de cabeludos que hoje estão de cabeleira rala ou branca.

Alexandre Carvalho leva um pouco daquelas jovens tardes de domingo e de outros belos dias. Mas deixa também a lembrança alegre de sua marcante e inesquecível passagem pela vida de todos que o admiravam!

Que a alma dele tenha o merecido descanso dos justos!

Alexandre Carvalho entre Weyden Cunha e Galego

Os primeiros impactos da candidatura do Dr. Pessoa a governador

Foto: Wilson Filho/Cidadeverde.com

Senador Elmano Férrer anuncia desistência de candidatura ao governo

 

O primeiro impacto do pré-lançamento da candidatura do deputado estadual Dr. Pessoa (SDD) a governador aconteceu nas hostes da oposição: o senador Elmano Férrer desistiu ontem de sua candidatura ao governo pelo Podemos.

O deputado estava cotado para ser o primeiro candidato a senador no palanque de Elmano. Os entendimentos caminhavam para que o cantor Frank Aguiar fosse candidato à segunda vaga, pelo PRB.

Ontem pela manhã, o senador reuniu partidos aliados e a imprensa para anunciar que estava jogando a toalha. Elmano alegou que ‘forças ocultas’ agiram contra a sua candidatura e ele não obteve os apoios que esperava.

‘Forças ocultas’

O senador não nominou as “forças ocultas”, mas afirmou que elas partiram de pessoas que desejam que o Piauí continue paralisado. 

Elmano anunciou que volta ao Senado e vai trabalhar pela pré-candidatura de seu colega Álvaro Dias à presidência da República.  O senador adiantou que ainda não decidiu se vai apoiar ou não um nome para governador nas próximas eleições.

Com a desistência do senador os dez partidos emergentes que já haviam anunciado apoio à sua candidatura ficam livres para tomar seu rumo na sucessão estadual.

Reação do governo

O segundo impacto da pré-candidatura do deputado Dr. Pessoa foi sentido na base governista. As primeiras avaliações são de que finalmente entra em campo um candidato que pode dar dores de cabeça ao governador Wellington Dias.

Embora o governador se mantenha como franco-favorito, o candidato do SDD se apresenta com potencial para crescer exponencialmente em cima dos desgastes do governo e de suas alianças para as próximas eleições.

As próximas pesquisas de intenção de voto confirmarão se de fato o Dr. Pessoa passa a ser uma novidade na sucessão ou apenas fogo de palha.

Quando o carro anda diante dos bois

1.  Na sucessão de 2014, o governador Wilson Martins limpou as gavetas para sair do Palácio do Karnak e concorrer ao Senado. Para tanto, procurou deixar a casa arrumada.

Ainda em janeiro, ele já anunciava o nome do candidato do governo à sua sucessão, que era o deputado federal Marcelo Castro, presidente regional do PMDB.

O vice-governador Zé Filho não tinha outra alternativa a não ser concordar. Quando, porém, sentou na cadeira de governador como titular, Zé Filho virou a mesa e se lançou candidato. Foi um Deus-nos-acuda nos hostes governistas.

2. Na sucessão de 2018, o governador Wellington Dias, sem o cuidado de conversar com os aliados, anuncia que:

a) cada partido só teria um candidato na chapa majoritária;

b) em função disso, a vice-governadora Magarete Coelho não poderia concorrer à reeleição, já que o Progressistas estava contemplado com a vaga de candidato a senador;

c) a senadora Regina Sousa, do PT, seria candidata a vice-governadora, quebrando o critério do candidato único e tirando o sonho do MDB de indicar o companheiro de chapa do governador;

d) o candidato à segunda vaga de senador no palanque governista seria o deputado federal Marcelo Castro, contrariando a reivindicação do MDB, que era a vice;

e) os aliados têm o dever de votar na reeleição do governador, mas não têm o direito de formar alianças com o seu partido para as eleições proporcionais. A chapa puro sangue  lançada pelo PT este ano é uma inovação na política estadual.

A casa cai

Em 2014, a casa caiu. A pressa do governador Wilson Martins de botar o carro diante dos bois contribuiu para a vexatória derrota dele e a do governador Zé Filho.

O que dará esse arranjo político formulado pela mente do governador Wellington Dias, para 2018, só vendo!

O que é certo, porém, é que ele é ainda mais ousado que o das eleições passadas.Um verdadeiro cavalo de pau na política.

 

 

Piauí, sócio da Cepisa

O Governo do Piauí vai continuar com sócio da Cepisa, a primeira das seis distribuidoras da Eletrobras a ser vendida. O leilão está marcado para amanhã.

O Estado vai continuar como sócio da empresa recebendo 29% de ICMS todo mês sem fazer força.

Plamta

O Governo do Estado divulgou que, com o pagamento das faturas de abril à rede hospitalar conveniada, está sendo normalizado o atendimento aos usuários do Plamta/IASPI, o plano de saúde dos servidores estaduais.

Esse pagamento foi iniciado no dia 20 e está em andamento.

Atendimento

Apesar disso, o atendimento nos hospitais não se normalizou, como cheguei a informar ontem, com base em informações do governo.

Da rede credenciada pelo Plamta, apenas o Hospital São Paulo mantém o atendimento aos usuários.

Outros grandes hospitais, como o Prontomed, São Marcos, Santa Maria e Itacor, não atendem mais os usuários do plano de saúde do estado.

No sufoco

Com isso, aumentou em demasia a procura pelo Hospital São Paulo. E este também não tem mais capacidade de atender, pois está superlotado.

Esta ainda é, infelizmente, a situação da relação entre o Iaspi e os hospitais e clínicas conveniados do Plamta.

A ameaça de descredenciamento não passou de bravata, pois não há outros hospitais que possam ser conveniados.

 

 

* A missa de ação de graças pelo aniversário do deputado Heráclito Fortes será celebrada dia 30, às 8 horas, no Santuário da Vila da Paz.

* O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae Piauí, inaugura amanhã, às 8 horas, a Loja Brasil Original, no Shopping Rio Poty.

 *Após a solenidade, acontecerá um talkshow sobre a valorização do artesanato, com a participação dos arquitetos Flávio Franco e Sérgio Matos e da designer Nicole Tomazi.

* A Strans renova os alvarás de mototáxi até o próximo dia 31. Teresina tem 2.300 mototaxistas cadastrados.

 

 

O gênio

Da vice-governadora Margarete Coelho, sobre o cerco à participação das mulheres na política:

- O gênio saiu da garrafa. É muito difícil enfiar ele de volta lá pra dentro.

Pessoa apruma o discurso

Foto: Divulgação

Deputado Dr Pessoa lança pré-candidatura ao governo

Quem acompanhou ontem a entrevista do deputado estadual Dr. Pessoa (SD), no lançamento de sua pré-candidatura a governador, no Salão Branco da Assembleia Legislativa, notou que ele voltou da reunião nacional de seu partido um outro homem. Ou pelo menos um outro estrategista.

O seu discurso foi aprumadíssimo. Em bom piauiês, o deputado se mostrou passado na casca do alho. Começou explicando a troca da candidatura ao Senado pela de governador.

Pessoa disse que recebeu carta branca de seu partido para concorrer a qualquer cargo eletivo nas próximas eleições, de senador a deputado estadual.

Ele fez uma reflexão e chegou à conclusão de que no Congresso Nacional faria menos pelo povo do Piauí. “Aqui vou botar a mão na massa, e fazer o que sempre fiz: cuidar de pessoas”.

Um Piauí diferente

O parlamentar afirmou que o povo clama pela sua candidatura a governador, para mudar a realidade do Estado. E ele aceitou o desafio.

“Vou entrar para ganhar, não para fazer como a Seleção Brasileira na Copa. Seu eu quisesse o Piauí que aí está, eu nem seria candidato. O Piauí vai ser diferente”, animou-se.

Pessoa disse que pretende ser governador para enfrentar o caos que ele enxerga em três setores: saúde, segurança e educação.

“Quero ser governador pra que as pessoas não fiquem nos corredores dos hospitais à espera de atendimento. A saúde é uma calamidade; para restabelecer a segurança. Hoje, o piauiense não pode andar na rua sem perigo de assalto; e para tirar a educação da situação capenga em que se encontra”, promete.

A chapa

Sua chapa ainda está em aberto, mas ele não demonstrou preocupação com isso. “A chapa: Deus está botando a mão e o povo tá fazendo o chamamento”.

Ao se apresentar como um político de mãos limpas, ele disse que vai querer em seu palanque apenas nomes que cheguem para somar com o Piauí. Ou seja, ele repele alianças com políticos citados em casos de corrupção.

Por fim, jogou no que é o seu maior obstáculo e ao mesmo tempo o seu principal trunfo – a linguagem simplória: “Não tenho a eloquência que muitos esperam, mas sei cuidar de gente”.

Em resumo, como candidato a governador pela oposição, o deputado chega com um discurso melhor que a encomenda.

 

 

Plamta

O IASPI (Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Estado do Piauí) esclarece que o pagamento do mês de abril está sendo efetivado à rede credenciada.

A maior parte dos hospitais recebeu no dia 20 e o atendimento aos usuários do sistema IASPI Saúde /PLAMTA está se normalizando.

Corrupiões

Quase R$ 25 milhões, sendo R$ 15 já liberados e investidos em Planos Municipais de Saneamento Básico e outros R$ 9 milhões em vias de licitação,  todos pela Funasa (Fundação Nacional de Saúde), através da atuação do piauiense Henrique Pires, mas o tema parece ter ressuscitado agora, em tempos de campanha eleitoral.

Saneamento

A atuação de Henrique Pires nessa área em Brasília, como presidente da Funasa, somou mais de 5 anos.

Nesse período, ele bateu junto aos prefeitos na tecla do saneamento, buscando a capacitação para trazer os recursos.

E tanto funcionou que cidades como Água Branca, Bom Jesus e Paulistana, entre outras, já alcançaram percentuais expressivos de cobertura sanitária e outras cidades estão no mesmo caminho.

Greve

Os Trabalhadores da educação realizam hoje, às 10 horas, uma nova assembleia no Clube Social do SINTE-PI, para definir o rumo do movimento grevista no Estado.

O movimento dos servidores da educação busca o cumprimento do reajuste salarial de 6,8”% e 3,95% para docentes e funcionários de escola respectivamente.

A categoria completou 46 dias de greve e contabiliza 70% de escolas estaduais paradas.

 

 

* A assessoria do deputado federal Heráclito Fortes (DEM) já distribui os convites para a missa de seu aniversário.

* A celebração será no próximo dia 1º, às 8 horas, no Santuário de Nossa Senhora da Paz, na Vila da Paz.

* Em São Paulo, a Justiça determinou ao governador Márcio França (PSB) a retirada dos releases do portal do Governo do Estado, em função da lei eleitoral.

* No Piauí, o governador Wellington Dias mandou retirar do site oficial as notícias das ações do governo bem antes do início do prazo vedado pela lei.

 

 

Balão

Do deputado Dr. Pessoa (SD), ontem, no pré-lançamento de sua candidatura a governador, quando indagado se tinha rompido um acordo com o senador Elmano Férrer (Podemos) para subirem ao mesmo palanque nas próximas eleições:

- Eu não trabalho com balão!

Dr. Pessoa vai esquentar a sucessão

O deputado estadual Dr Pessoa foi dormir pré-candidato a senador e acordou pré-candidato a governador, pelo Solidariedade. A decisão do parlamentar ocorreu depois de muitos e intensos contatos políticos, dentro e fora do seu partido, passando pela direção nacional da sigla.

O anúncio da candidatura do deputado ao governo será feito hoje, às 9 horas, no Salão Nobre da Assembleia Legislativa. É uma mudança radical de estratégia. O parlamentar vinha se destacando nas pesquisas de intenção de voto para senador, mas tinha seu nome especulado também para o governo.

A candidatura do Dr. Pessoa ao Palácio de Karnak é festejada, sobretudo, pela direção nacional de seu partido, que prometeu apoiá-la com firmeza. Ele será o único candidato a governador do SD em todo o país.

O partido abriu entendimentos para lançar o cantor Frank Aguiar como candidato à primeira vaga do Senado, pelo PPR, e o ex-prefeito de Novo Oriente do Piauí, Marcus Vinícius, à segunda vaga de senador, pelo PTC.

Elmano em xeque

A mudança de rota do Dr. Pessoa põe em xeque a pré-candidatura do senador Elmano Férrer ao Governo do Estado pelo Podemos.

O novo candidato tem condição de atrair para o seu palanque os dez pequenos partidos – autodenominados de emergentes – que estavam em conversação com o senador.

Se, de um lado, a candidatura do Dr. Pessoa complica a chapa de Elmano, que o queria como candidato a senador, de outro ela facilita as campanhas dos candidatos a senador Ciro Nogueira (Progressistas) e Wilson Martins (PSB), ameaçados pela liderança do deputado em várias pesquisas de intenção de voto.

A candidatura do deputado do SD a governador promete, no entanto, um novo clima para a campanha eleitoral no Piauí, até aqui morna. Ele é uma liderança popular de grande identificação com a oposição e de forte penetração no eleitorado mais pobre.

 

 

Foto: Cidadeverde.com

Cepisa é a empresa mais atraente entre as seis que vão a leilão

Cepisa abre vendas

O processo de privatização da Cepisa, distribuidora da Eletrobras no Piauí, cujo leilão está marcado para a próxima quinta-feira, está bem encaminhado, na avaliação do presidente da estatal, Wilson Ferreira Júnior.

O Estadão informa que a licitação da empresa, que possui as melhores condições entre os ativos de distribuição à venda da companhia, vai inaugurar de forma positiva o processo de desestatização das distribuidoras da holding.

Dobradinha

Em campanha para a Câmara Federal, a vice-governadora Margarete Coelho (Progressistas) amiudou as andanças em companhia do tucano Firmino Filho e da primeira-dama Lucy Silveira, pré-candidata a deputada estadual.

A vice-governadora, o prefeito de Teresina e a primeira-dama participaram da Expocorrente.

Foto: Divulgação

Margarete com Lucy e Firmino na Expocorrente

Quem beija meu filho...

As conversações do fim de semana apontam para a candidatura do deputado estadual Severo Eulálio à reeleição e o nome de Marco Aurélio como candidato único do MDB à Câmara Federal, na vaga que se abre com o deslocamento do deputado Marcelo Castro para a disputa do Senado.

É o esquema governista jogando todas as fichas para manter o deputado Themístocles Filho na base.

Carro voa

Um carro foi flagrado pela PRF a 170 quilômetros por hora na BR-343, próximo a Piracuruca.

Até agora, a Operação Férias da Polícia Rodoviária Federal já expediu mais de 1.700 multas por excesso de velocidade nas estradas piauienses.

A velocidade máxima nas BRs é de 100 quilômetros por hora.

Seis radares móveis estão espalhados nas estradas federais que cortam o Piauí.

Foto: Divulgação

Mulheres na política - A médica Lúcia Santos, ex-presidente do Sindicato dos Médicos e pré-candidata a deputada federal, já se articulou com a presidente nacional do PSDB Mulher, deputada federal Yeda Crusius, de quem recebeu incentivo e instruções para a campanha.

 

 

* O pré-candidato a governador do Piauí pelo PSL, publicitário Fábio Sérvio, participou da convenção nacional do partido, ontem, no Rio.

* O esquema do governador Wellington Dias se surpreendeu, mas não se abalou com a candidatura do deputado Dr. Pessoa ao governo.

* Para os governistas, o parlamentar terá extremas dificuldades para montar suas chapas de candidatos a deputado estadual e federal.

* As lideranças dos policiais informam que não estão sendo pagas as diárias nem da Civil nem da PM.

* As queimadas à beira das estradas voltaram, bem antes do que de costume. São incêndios criminosos que ficam na impunidade.

* Vários focos foram vistos no final de semana em alguns trechos da BR-343, entre Lagoa do Piauí e Angical.

 

 

Palpite

Do deputado Robert Rios, pré-candidato a senador pelo DEM, reconhecendo antecipadamente nas redes sociais a vitória do governo nas próximas eleições:

- Wellington Dias resolveu premiar a Regina Sousa pela segunda vez – é senadora sem voto e será governadora. 

MDB busca saída honrosa para ficar

Fotos: Cidadeverde.com

Themístocles Filho e Wellington Dias

 

O MDB do Piauí fez um pacto de silêncio no final de semana, depois do estresse vivido pelo partido após a reviravolta na composição da chapa majoritária governista. Amanhã ou terça-feira a sigla anuncia oficialmente a sua posição para o novo cenário.

O governador Wellington Dias puxou o tapete do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho, que queria ser candidato a vice-governador, mas não deixou o MDB abandonado à própria sorte.

Incontinenti, o governador ofereceu a segunda vaga de candidato a senador em seu palanque para o presidente regional do partido, deputado federal Marcelo Castro. Uma estratégia sua para assegurar o apoio da sigla à chapa pura do PT, formada por ele e pela senadora Regina Sousa, como vice.

Aliado fiel

O MDB não quer faltar com a solidariedade ao deputado Themístocles Filho. O partido viu o esforço do presidente da Assembleia para se firmar como vice. Ele enfrentou de peito aberto na Casa todas as tempestades para aprovar os projetos de interesse do governador.

Em muitos momentos, de tanto quebrar lança, Themístocles se comportou mais como um líder do governo do que propriamente como chefe de um Poder.

Assim, ajudou a aprovar empréstimos, aumento de impostos, reforma na Previdência estadual e outras matérias impopulares.

Tradição quebrada

Além dos trunfos políticos e pessoais do deputado Themístocles Filho para figurar como candidato a vice-governador, existia ainda uma tradição a referendar a sua postulação. É a de o vice-governador sair da Assembleia.

Foi de lá que Wellington tirou Wilson Martins em 2006; que Wilson tirou Zé Filho em 2010; e que Wellington tirou Margarete Coelho em 2014.

 

 

Wellington anuncia Regina Sousa na vice

Pragmatismo

Apesar de tudo isso, o MDB tem o seu lado pragmático. É o que predomina no partido. Por isso, não quer perder a chance de reeleger a sua bancada e até de conquistar novos o na política estadual.

A chapa pura do PT para deputado estadual foi uma cláusula que, agora se confirma, saiu da cabeça do governador para fortalecê-lo nas negociações para formação da chapa majoritária.

Ela cai agora, junto com a candidatura de Themístocles a vice, e isso facilita enormemente a vida dos emedebistas.

Além do mais, com a candidatura de Marcelo Castro ao Senado, o deputado estadual Severo Neto deixa de concorrer à reeleição para buscar uma cadeira na Câmara Federal. E seus colégios passam às mãos dos candidatos do MDB à Assembleia Legislativa.

Pau da barraca

Calejado em muitas disputas políticas, colecionado vitórias e derrotas, o presidente da Assembleia sabe ganhar e, sobretudo, também sabe perder. Então, dificilmente ele vai chutar o pau da barraca. Sua reeleição para a Assembleia é tranquila.

Com espírito partidário, ele não iria contribuir para o sacrifício pessoal dos companheiros que acreditaram em sua candidatura a vice-governador e brigaram por ela até o fim.

O prêmio de consolação que se coloca à sua frente é a candidatura de seu filho Marco Aurélio para a Câmara dos Deputados.

Assim, Themístocles tem a possibilidade de recuperar em Brasília, com o apoio do governo, uma cadeira que já foi de seu pai e também de seu irmão Marlos Sampaio.

 

Deputado Marcelo Castro: na vez para o Senado

 

A arte de engolir sapo

Desde que aderiu ao Wellington Dias, o MDB ocupa posições no governo. Aliás, o governador inchou a máquina administrativa, com a criação de novos cargos, para atender ao partido.

Todos no MDB sabem que a política é a arte de engolir sapo. Essa puxada de tapete – a negativa da vaga de vice – vai ser apenas mais um cururu que descerá goela abaixo. A vida segue.

Quando os emedebistas correram para os braços do governador, em 2016, alegaram que estavam tomando aquela decisão em nome da governabilidade.

Portanto, é descabido imaginar que o partido vá romper com o governo em função desse traumático e vexatório episódio da semana passada. O MDB é de aderir, não de romper.

O pacto de silêncio a que o partido se impôs é apenas uma estratégia para serenar os ânimos, colocar curativos nas feridas e ganhar tempo em busca de uma saída honrosa para ficar.

 

Imbróglio Plamta/hospitais: pior não passou

Foto: Catarina Malheiros/Cidadeverde.com

Secretário de Administração e Previdência, Ricardo Pontes

 

Segue sem solução à vista o imbróglio entre o Governo do Estado e a rede hospitalar privada credenciada pelo Plamta/Iaspi Saúde.

Ontem, o secretário de Administração e Previdência, Ricardo Pontes, disse que o governo está pagando as faturas de abril.

Ele garantiu também que até o dia 10 de agosto serão feitos os pagamentos relativos a maio.

O Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhospi) emitou nota ontem informado, por sua vez, que os pagamentos à rede credenciada, referentes ao mês de abril, ainda não foram efetuados.

Segundo a nota, na quarta-feira (18) o sistema foi aberto para encaminhamento das faturas, mas de forma incompleta, pois deixou de fora as faturas referentes a urgência e emergência.

Portanto, conforme a entidade, a suspensão dos atendimentos permanece até que haja a regularização dos pagamentos.

Descredenciamento

O governo ameaça mandar suspender os credenciamentos dos hospitais, se eles se negarem a atender os beneficiários do Plamta.

Seria a atitude correta, se o Estado tivesse feito a sua parte e não tivesse com os pagamentos de hospitais, clínicas e laboratórios credenciados com um atraso além da conta.

Pelo contrato, esses pagamentos devem ser feitos 60 dias depois da prestação dos serviços. Ocorre que o último mês pago pelo governo foi o de março.

Nessas circunstâncias, a rede credenciada fica em dificuldades extremas para manter a oferta dos serviços, pois tem dívidas com empregados, fornecedores e até bancos.

Ou seja, os hospitais e clínicas fizeram compras confiando no recebimento de um dinheiro que não chegou.

É compreensível que o governo também tenha as suas dificuldades, em razão da crise econômica, que está presente em todo lugar.

Em resumo, é ruim a situação financeira do governo e também a dos hospitais.

Mas crítica mesma é a situação dos servidores públicos, que pagam o Plamta compulsoriamente, com desconto em seus contracheques, e não podem contar com os serviços na hora da necessidade.

Como descontou antecipadamente a contribuição dos servidores – que tem um fim específico – a rigor, o governo não tem justificativa para atrasar os pagamentos.

Ação na Justiça

O Ministério Público do Estado, através da 44ª Promotoria de Justiça de Teresina, e a Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Piauí, protocolaram uma Ação Civil Pública junto à Justiça Federal do Piauí para que seja realizado o sequestro de R$ 40 milhões da conta única do Estado.

Esse valor corresponde à metade da dívida do governo com os hospitais e deverá ser revertido ao Instituto da Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Estado (Iaspi/Plamta).
 
É mais uma tentativa para resolver o problema, isto é, pagar os hospitais e normalizar o atendimento aos beneficiários do Plamta.

O governo só funciona na pressão. Sem esse movimento dos hospitais, dificilmente os pagamentos de abril estariam sendo providenciados.

Mas a ação do MPE/OAB parece um remédio com efeitos colaterais desastrosos. Se o pleito for atendido, e a moda pegar, em pouco tempo o Estado viverá uma situação de total desequilíbrio financeiro, a exemplo de outros nos quais a Justiça interferiu para pagar credores.

Nesse caso, o que já é ruim pode ficar ainda pior.

 

Wellington abre o jogo da sucessão

Foto: Jorge Bastos/Palácio de Karnak

Governador recebe MDB e joga cartas na mesa sobre a chapa majoritária

 

Enfim, o governador Wellington Dias jogou as cartas na mesa sobre a composição da chapa majoritária governista para as próximas eleições.

Em reunião com o MDB, o governador apresentou a chapa da situação com ele mesmo na cabeça e a senadora Regina Sousa como vice, além de Ciro Nogueira e Marcelo Castro concorrendo ao Senado.

Com isso, ele enterra o sonho do MDB de emplacar o presidente da Assembleia, deputado Themístocles Filho, na vaga de candidato a vice e embala o seu sonho pessoal de guindar a senadora petista à condição de sua companheira de chapa.

Também quebra o critério que ele mesmo estabeleceu para sacar a vice-governadora Margarete Coelho da chapa – o de que cada partido aliado só teria direito a indicar um candidato.

Na nova situação, o PT emplaca dois nomes, quando o PSD e o PRB também reivindicam uma vaga de senador.

Enterro de luxo

O governador descartou o presidente da Assembleia como seu vice com muita classe, como é do seu estilo.

Primeiro, ele declarou que era grato ao MDB pela colaboração que deu ao seu governo e destacou o empenho pessoal de Themístocles para aprovar na Assembleia os seus projetos mais polêmicos e impopulares.

Depois, Wellington apontou ainda as qualidades de líder do deputado Themístocles Filho.

Ao cobrir o presidente da Assembleia com loas e ditirambos, fez o que popularmente se chama de enterro de luxo.

Papel presente

O governador embrulhou a sua chapa em papel de presente, com laços de fita. Ele argumentou que estava precisando de um candidato “competitivo e articulado” para a segunda vaga de senador, tendo a escolha recaído sobre o nome do presidente estadual do MDB, deputado federal Marcelo Castro, cujos olhos brilharam.

Ontem mesmo, Marcelo declarava que se o partido indicar o seu nome para concorrer ao Senado ele se sentiria muito honrado. Também avisou que estava pronto para a luta.

De encher os olhos

E por falar em olhos, a contraposta do governador enche os olhos de qualquer candidato a deputado estadual pelo MDB.

Com o eventual deslocamento de Marcelo Castro para a disputa da senatória, o deputado estadual Severo Filho sairia para concorrer à Câmara Federal. Seus colégios seriam rateados entre os demais candidatos emedebistas à Assembleia.

Outra: a coligação proporcional com o PT fica liberada.

Pedido de desculpas

A propósito, o deputado João Mádison (MDB) está devendo um pedido de desculpa público ao deputado Assis Carvalho, presidente regional do PT.

Não era dele, Assis, a proposta da chapa pura do Partido dos Trabalhadores para a eleição de deputado estadual.

Ficou claro que Assis foi apenas o porta-voz de uma ideia do próprio governador para se cacifar nas negociações com o MDB.

De Assis era apenas a veemência na defesa da proposta.

Que tiro foi esse?

Se já vinha mal nas pesquisas de intenção de voto, a senadora Regina Sousa fica em situação ainda mais delicada depois da justificativa do governador de que precisa de um candidato “competitivo e articulado” para a segunda vaga.

A senadora se sentia prejudicada pela indefinição de sua candidatura ao Senado e, depois dessa, fica ainda mais difícil deslanchar, se não for confirmada como candidata a vice.

Detalhe: o governador reconheceu que Regina não é competitiva nem articulada para a eleição de senadora, mas não explicou em que ela é mais competitiva e mais articulada que a vice-governador Margarete Coelho para ocupar seu lugar na chapa majoritária.

Barba de molho

Depois desse drible do governador no MDB, digno de Copa do Mundo, o senador Ciro Nogueira passa a ter motivos para por as barbas de molho como candidato à reeleição na chapa governista.

Até onde o PT vai efetivamente com ele? Os petistas sairão à praça pública para brigar pela sua reeleição?

Se o deputado Marcelo Castro for confirmado na chapa majoritária, quem será o primeiro candidato da coligação governista ao Senado?

 

Lula e Wellington caem, mas lideram com folga

A segunda rodada de pesquisas do Instituto Opinar, divulgada ontem pelo Grupo de Mídia Cidade Verde – TV, Rádio, Revista e Portal de Notícias – mostra que o cenário eleitoral não teve alterações expressivas no Piauí em um mês.

Os números apurados estão, portanto, dentro da expectativa, pois sequer as chapas das principais coligações estão definidas. Também nada de relevante ocorreu na área política no Estado nesse período. Pelo contrário: com as atenções voltadas para a Copa do Mundo, a política foi praticamente esquecida. Ela só se movimentou nos bastidores.

Foram ouvidos 1.082 eleitores em 51 municípios do estado. O levantamento ocorreu no período de 12 a 14 de julho. A margem de erro é de 2,97% para mais ou para menos.

Os números estão registrados no Tribunal Superior Eleitoral - BR 06707/2018 e no Tribunal Regional Eleitoral  - PI 01929/2018.

Infográficos: TV Cidade Verde

Lula lidera, em queda

A pesquisa mostrou que o ex-presidente Lula mantém-se na liderança da corrida ao Planalto, no Estado, mas em queda, com 65,53% das intenções de voto.

No levantamento anterior, divulgado em 14 de junho, o petista tinha 69% das intenções das preferências do eleitor piauiense.

Na nova pesquisa, o segundo colocado é o deputado Jair Bolsonaro (PSL), com 8,23%, seguido da ex-ministra Marina Silva (Rede), 3,88% e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT), com 2,22%.

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) teve 2,03% das citações e o ex-ministro Henrique Meireles (MDB) apenas 0,45%.

 

Cenário sem Lula

Já em um cenário sem Lula, os três Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro(PSL) aparecem empatados tecnicamente com percentual de 9%. 

Nesse contexto, os votos em branco, nulos e indecisos passam de 61%.

 

Governador

Pela mesma pesquisa, o governador Wellington Dias (PT) segue firme liderando a corrida ao Palácio de Karnak. Ele tem 47,69% das intenções de votos, com 40 pontos à frente do segundo colocado. 

O deputado estadual Luciano Nunes, pré-candidato do PSDB, aparece com 7,21% das intenções de voto e o senador Elmano Férrer, pré-candidato pelo Podemos, figura com 5,18%.

Comparando com a última pesquisa, o governador teve uma queda de quase 3% nas intenções de votos. A marca anterior era de 50% e caiu para 47,69%.

Luciano Nunes subiu um ponto, mas se manteve tecnicamente empatado com o senador Elmano Férrer.

 

Senado

O ex-governador Wilson Martins (PSB) manteve-se na posição de pré-candidato ao Senado mais lembrado pelos eleitores piauienses, com 21,2% nas intenções de votos. Ou seja, ele cresceu 2 pontos percentuais em comparação com a pesquisa anterior. 

Estão embolados no segundo lugar o deputado Dr. Pessoa (Solidariedade), com 15,8% das intenções de votos; o cantor Frank Aguiar (PRB), com 14,5%; e o senador Ciro Nogueira (Progressistas), com 14,3% das preferências.

Chama a atenção o deslocamento para baixo de Frank Aguiar, que na primeira pesquisa com 17,1%; e a subida de Ciro, que estava com 11,9%.

Esse movimento se dá, contudo, dentro da margem de erro e, antes de qualquer outra leitura, mostra que ambos têm poder de fogo até aqui.

A senadora Regina Sousa (PT) aparece com 5,8% dos votos e o pré-candidato Robert Rios com 7,2%. Nesse caso, ambos caíram, também dentro da margem de erro. Regina largou com 6,7%, em junho, e Robert com 8,9%.

A pesquisa para o Senado é a que tem o maior índice de eleitores indecisos: 67% dos entrevistados disseram que não sabem em quem votar ou não quiseram responder à pesquisa.

 

Posts anteriores