Cidadeverde.com

Grita geral contra a taxa do lixo

Os boletos da Taxa de Coleta do Lixo já chegaram à maioria das residências e das empresas e, com eles, uma grita geral em toda a Teresina contra mais essa cobrança.

Não é para menos. O país está em brutal crise econômica, com o desemprego em marcha e os salários perdendo poder de compra, pois muitos empregadores, especialmente no setor público, não estão corrigindo seus valores.

Não bastasse isso e os tantos impostos, contribuições e taxas que o cidadão já é obrigado a pagar todo dia, vem mais essa da taxa do lixo. Os boletos estão chegando às mãos dos donos de pelo menos 133 mil imóveis na capital.

Não há quem receba uma cobrança de tributo de bom grado. Ainda não inventaram o ‘imposto simpático’.

O que compete à Prefeitura de Teresina, no momento, além de cobrar a nova taxa, é explicá-la adequadamente. É dar as informações necessárias ao contribuinte, até porque se trata de uma taxa nova, sujeita a distorções em sua implantação.

Da parte do contribuinte, o que importa é saber se a taxa cobrada é legal, se não é abusiva e se está sendo aplicada corretamente, ou seja, se o serviço correspondente é efetivamente prestado e se ele tem qualidade.

As estatísticas mostram que quem mais reclama da tal ‘indústria da multa de trânsito’ é justamente o infrator. Não seria correto nem honesto afirmar-se que quem mais reclama da taxa do lixo é quem mais suja a cidade. Não existem dados disponíveis sobre isso.

O que é possível considerar é que a grita seria bem maior se a cidade fosse um lixão a céu aberto.

A Prefeitura espera arrecadar este ano, na primeira cobrança da taxa, em torno de R$ 7 milhões. Esse valor não corresponde nem a 10% do que o município gasta anualmente com a limpeza da cidade, em torno de R$ 78 milhões.

Uma cidade limpa faz bem para todos, mas tem um custo que, como se nota, não é baixo!

Foto: Cidadeverde.com

A deputado Rejane Dias não volta à Câmara agora

Não vai

A deputada federal Rejane Dias (PT), licenciada para exercer o cargo de secretária de Educação, avisou pela mídia que não voltará a Brasília agora, para a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer.

No processo do impeachment, ela retornou à sua cadeira na Câmara, por poucos dias, para votar contra.

No exterior

Desta vez, embora tenha sido especulado que a deputada reassumiria o mandato, para votar a favor da denúncia contra o presidente, ela não vai a Brasília.

A secretária informou que durante a votação, na próxima semana, estará no Canadá, acompanhando o governador Wellington Dias em viagem ao país.

Férias 

Quem também estará fora do Brasil na próxima semana será o deputado federal Marcelo Castro, presidente regional do PMDB.

Com o país pegando fogo, na política, ele viaja para o exterior a fim de desfrutar dos encantos turísticos da Grécia.

Sua ausência na Câmara conta a favor do presidente.

Foto: Divulgação

Pastoreres com o prefeito Firmino Filho

Evangélicos

O prefeito Firmino Filho recebeu ontem em audiência o pastor Nestor Henrique Mesquita, presidente da Assembleia de Deus no Piauí, acompanhado de outras lideranças evangélicas, como Tiago Vasconcelos, Idoneil Mesquita, Ricardo Braz, Deusuilson Cirqueira e pastor Mazinho.

Bye bye

O deputado federal Heráclito Fortes já está informalmente fora do PSB. Ele só espera reabrir a ‘janela partidária’, em abril, para assinar ficha de filiação ao DEM, o partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Agespisa

A Agespisa chega ao fim de sua missão em Teresina com 1.353 servidores, sendo 721 na capital e 632 no interior. A folha de salários da empresa é de R$ 16,8 milhões. Além desses, tem mais 1.673 terceirizados.

O presidente da empresa, Emanoel Veloso, disse que a Agespisa continuará atuando na zona rural de Teresina e em mais 167 municípios.

Foto: Divulgação

Novo viaduto  - A A obra do elevado do Balão da Tabuleta, na zona Sul de Teresina, ganhou ritmo e está prestes a ser concluído, segundo o DER, que anuncia a sua inauguração para agosto. No momento, os serviços se concentram na rampa de acesso à avenida Miguel Rosa. Apenas um vão do elevado aguarda a concretagem. Os demais foram finalizados. 

* O Governo do Estado está recebendo assessoria do ex-ministro Carlos Gabas na área da previdência estadual.

* Ora, se Gabas entendesse a fundo do assunto, a Previdência federal não estaria na situação crítica em que se encontra.

* Ele foi ministro nos governos Lula e Dilma e é contra a reforma previdenciária em discussão no Congresso.

* Talvez seja melhor entender essa situação como um gesto do Governo do Piauí procurando dar trabalho a um companheiro desempregado.

Disse tudo

A jornalista Andréia Sadi, da Globonews, entrevista o deputado federal Heráclito Fortes (PSB), sobre o calendário da denúncia contra o presidente Michel Temer:

Repórter: – O que vai acontecer, na opinião do senhor?

Deputado – Alguma coisa, só não sei o que é.

 

Relator aprova investigação contra Temer

Como previsto, o relator da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), apresentou ontem o seu voto sobre o caso. Também como já antecipado pela mídia, o relatório saiu contra o presidente.

Segundo o deputado, a tramitação formal do processo foi regular, tanto em relação à denúncia quanto aos prazos de defesa. Ele viu que há indícios sérios para recebimento da denúncia de corrupção passiva apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O relator citou o recebimento do dono da JBS-Friboi, Joesley Batista, pelo presidente Temer, em horário inconveniente. E apontou também o dinheiro entregue ao então deputado federal Rocha Loures. “É preciso apurar”, defendeu.

Zveiter esclareceu que a admissibilidade da denúncia não representa risco para as instituições ou o Estado de direito, pois haverá ampla defesa. Seu voto contra o presidente foi avaliado como forte, embora não tenha citado qualquer prova contra Temer.

O relator, que é advogado,  chegou a inovar em seu voto,  ao propor que, em dúvida, decida-se em favor da sociedade, quando a lei manda que seja em favor do réu.

A defesa

Já o advogado do presidente, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, avaliou que uma eventual autorização para investigar o presidente não é uma coisa simples. “Autorização é grave, abala a governabilidade do país e o emocional de Temer.”, enfatizou.

Mariz afirmou que as provas a favor do presidente foram excluídas. Ele garantiu que Temer não recebeu dinheiro e não agiu para ajudar o dono da Friboi.  Ele disse também que a PGR não poderia ter excluído da denúncia os depoimentos de membros do Cade que não mostram pressão de Rocha Loures no Conselho a favor da JBS.

“Crime de corrupção tem três elementos. E nem a ficção da PGR mostra isso. Presidente não pediu, não recebeu e não facilitou nada pra ninguém.”, sustentou.

Pedido de vista

Os aliados de Michel Temer pediram vista coletiva,que foi concedida pelo presidente da CCJ. Isso significa duas sessões de pausa para avaliação do parecer.

Com o pedido de vista, o relatório de Zveiter deve ser votado na quarta-feira. No entanto, a discussão pode se alongar e adiar a votação para 5ª ou 6ª feira.

O processo é eminentemente político. Independentemente do resultado na Comissão, no entanto, a decisão que conta é a do plenário. São necessários 2/3 dos votos dos deputados para autorizar a investigação contra o presidente pelo Supremo.  (Com informações do site jota.com)

Foto: Pablo Cavalcante/RCV

O presidente da Águas de Teresina, Italo Jofre, nos estúdios da Rádio Cidade Verde

Folha zero

Pelo contrato assinado com a Aegea, o Governo do Estado deve entregar a Agespisa à empresa sem nenhum funcionário.

A nova gestora dos serviços de água e esgoto de Teresina ficou com todos os terceirizados, no total de 900.

E convidou vários comissionados para integrar seus quadros.

Relotação

Os funcionários efetivos da Agespisa ou estão sendo relotados em outros órgãos do governo ou aderindo ao Programa de Desligamento Voluntário (PDV).

A Aegea, agora Águas de Teresina, assumiu na sexta-feira passada a gestão dos serviços feitos pela Agespisa há mais de 50 anos.

Denúncia cai

O deputado Mainha (PP), membro da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, estima que o governo terá entre 39 e 41 votos para derrubar a aceitação denúncia contra o presidente Temer.

A previsão foi feita ontem, antes do voto do relator, mas ele já admitia a possibilidade de o parecer ser contrário ao governo.

Novo recorde

O atendimento às vítimas de trauma no Hospital de Urgência de Teresina (HUT) bateu mais um recorde, no último final de semana.

Somente nos dias 8 e 9 de julho (sábado e domingo), o HUT atendeu 22 vítimas de agressão física e 84 vítimas de acidentes com motocicletas.

Aumento

Se comparado com o final de semana anterior, esses números representam um aumento de 100% e 50%, respectivamente.

No geral, o HUT realizou nesse último final de semana 304 atendimentos e 63 cirurgias, um aumento de 7% e 23%, respectivamente.

Foto: Divulgação

São Marcos  - A Associação Piauiense de Combate ao Câncer, mantenedora do Hospital São Marcos, convidou o presidente do Conselho Nacional do Sesi, João Henrique Sousa, para solenidade de parceria entre as instituições no auditório do Hospital São Marcos, ontem. João Henrique fez a entrega de um novo equipamento de ultrassonografia para a associação. O diretor geral executivo do Hospital São Marcos, Joaquim Almeida, destacou que o equipamento vai melhorar a qualidade da obtenção das imagens dos exames dos pacientes atendidos pelo hospital.

* Começa amanhã, em Teresina, o Seminário de Gestão Escolar, promovido pela Secretaria de Educação.

* Na Câmara Federal, a oposição critica a substituição de pelo menos 20 deputados na Comissão de Constituição e Justiça.

* O remanejamento tem a ver com a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer.

* Ou seja, a oposição acha pouco e quer que o governo assista a casa pegar fogo de braços cruzados.

Filosofia de vida

Do escritor Lima Barreto, o homenageado deste ano da Feira Literária Internacional de Paraty (Flip):

- É preciso viver para depois filosofar.

Agespisa sob nova direção

Os serviços de abastecimento de água e esgoto de Teresina estão sob nova gestão. O Governo do Estado repassou oficialmente à Aegea (Águas de Teresina) os serviços administrados há mais de 50 anos pela Agespisa. O primeiro dia de trabalho do novo grupo na empresa será hoje.

A entrega da Agespisa aos novos gestores, na sexta-feira, não se deu sem tensão. Houve resistência de funcionários e sindicalistas contrários à subconcessão. A polícia foi chamada para conter os ânimos e assegurar a posse dos novos gestores.

A emissão da ordem de serviço abrevia o período de transição de 180 dias, iniciado com a assinatura do contrato, em 22 de março, o Dia Mundial da Água.

A nova gestora repassou R$ 88 milhões à Agespisa, referentes à primeira parte da outorga. Conforme estabelecido no contrato de subconcessão, os outros R$ 72 milhões serão pagos em 12 meses.

O contrato do Governo do Estado com a Aegea tem duração de 30 anos. Nesse período, a empresa deve investir R$ 1 bilhão e 700 milhões no sistema de água e esgoto de Teresina. Nos primeiros cinco anos, devem ser aplicados R$ 650 milhões desse total.

Os serviços da Águas de Teresina serão fiscalizados pela Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Teresina (Arsete).

Plano de trabalho

Segundo o Governo do Estado, as primeiras ações da nova empresa irão atender ao plano emergencial elaborado com foco no B-R-O BRÓ – período mais quente do ano – contemplando os bairros que mais sofrem com falta d’água.

Implantação de adutoras, perfuração de poços, interligações de redes e setorização no sistema de distribuição estão entre as melhorias planejadas pela empresa.

Outra prioridade do Governo, com a contratação da Águas de Teresina, será a de reduzir pela metade o desperdício de água tratada. A tecnologia adotada pelas concessionárias da Aegea permitirá que em Teresina se faça o monitoramento da água em tempo real, desde a saída da estação de tratamento até o usuário, através do Centro de Controle Operacional (CCO).

O contrato do Governo do Estado com a Aegea ainda sub judice. Ele se sustenta em uma liminar do Tribunal de Justiça. Se não houver alteração nele, a primeira prova de fogo da nova empresa será justamente no período do B-R-O-Bró. (Com informações da CCom)

Foto: Divulgação/Ccom

O senador Ciro Nogueira cola em Wellington Dias

Na cola

O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, não está para brincadeira. O governador Wellington Dias cola nele lá em Brasília e aqui ele cola no governador.

No final de semana, o senador acompanhou Wellington na inauguração de obras públicas em Floriano.

Dívidas

O secretário de Mineração, Luis Coelho, informou que estão sendo pagas as dívidas com fornecedores e prestadores de serviço, em São João do Piauí.

Uma empresa contratada para a instalação do projeto de energia solar no município deixou contas penduradas em postos de gasolina, pousadas, lojas de material de construção e empregados.

Lula vem aí!

Se mais não conseguiu em Brasília, nestes tempos de vacas magras para o PT, o deputado federal Assis Carvalho comemora a promessa do ex-presidente Lula de vir ao Piauí no próximo mês.

Lula está em campanha para voltar ao Planalto. Ele sempre ganhou no Piauí, um de seus redutos mais fieis.

Denúncia

Começa hoje, na Comissão de Constitucição e Justiça da Câmara dos Deputados, o trâmite da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer.

Para ter prosseguimento no Supremo Tribuna Federal, a acusação precisa ser admitida pelos deputados em duas etapas de votação: primeiro na CCJ, depois no plenário.

Terror

O passo inicial na CCJ é a leitura do parecer do relator Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) pela admissibilidade ou não da denúncia.

Ainda hoje, logo após a apresentação do relator, a defesa de Michel Temer deve fazer a exposição oral de seus argumentos.

No Congresso, o clima político beira ao terror.

Na fila

A expectativa é que a discussão se estenda por mais de 40 horas, já que a presidência da Comissão permitiu que todos os 66 membros e seus respectivos suplentes tenham direito à fala por até 15 minutos.

Há a possibilidade de até 40 deputados não membros, 20 contrários e 20 favoráveis ao processo, se manifestam por até 10 minutos cada.

A lista de inscrição para os oradores será aberta meia hora antes da sessão de quarta-feira.

Votação

A presidência do colegiado já adiantou que os trabalhos da comissão não vão se estender pela madrugada.

Até o momento, ainda não foi definida data para votação do parecer pelo colegiado. 

Foto: Divulgação/FUG

Caravana - A Fundação Ulysses Guimarães/Piauí encerra na próxima sexta-feira o programa de visitas, para este semestre, da Caravana Piauí em Movimento, comandada pelo ex-ministro João Henrique Sousa. Já foram visitados oito municípios. Na sexta-feira, 14, mais dois: Valença do Piauí, pela manhã, e Água Branca, no final da tarde. A caravana será retomada no segundo semestre e segue até dezembro.

* Na Assembleia Legislativa, a oposição vai pedir ao governador Wellington Dias a relação de sua comitiva na viagem ao Canadá.

* Os motoristas que rodam embriagados e em velocidade excessiva pelas BRs gostaram da decisão da PRF de paralisar suas atividades nas férias.

* Os bandidos não respeitam as caras nem os títulos. Invadiram o luxuoso condomínio Mirante dos Lagos e roubaram um magistrado.

* O Exército contratou 573 caminhões para a operação “Carro-Pipa” no Piauí.  A água é distribuída em comunidades da zona rural.

O bicho pega

Do jornalista e cartunista Albert Piauhy:

- Nos tempos da ditadura, não podíamos falar, mas podíamos andar nas ruas. Agora, podemos falar, mas não podemos andar nas ruas.

 

Dois Brasis

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Presidente Michel Temer: no centro da crise

O Brasil de hoje se divide em dois: um que está se desmilinguindo em crise política e outro que dá sinais vigorosos de recuperação de sua economia, depois de se debater por dois amargos anos com a maior recessão de sua história. Os dois países não se encontram. E também parece que não se conhecem.

A raiz da interminável crise política está, como se sabe, na delação premiada do dono do grupo JBS-Friboi, Joesley Batista, que gravou sorrateiramente o presidente da República em conversa privada.

Com a gravação em mãos, ele negociou com o Ministério Público Federal um acordo inédito. Através dele, conseguiu voar para a impunidade, depois de confessar mais de 240 crimes, e empurrou o presidente para o abismo. O Ministério Público Federal interpretou a truncada conversa entre os dois como uma tentativa de obstrução da Justiça.

Impopularidade e palanques

Desde então, as investidas para derrubar o presidente são diárias, antes mesmo que os fatos possam ser esclarecidos adequadamente, através das investigações. Com a popularidade em baixa e palanques sendo montados todos os dias para a sua sucessão, o presidente tem sido alvo fácil para os interessados em apeá-lo do poder.

Sua queda já foi dada como certa em diversas ocasiões, pela Rede Globo, que nesta crise pauta os demais veículos da imprensa nacional. Porém, ele vem resistindo. Até quando terá forças? Não se sabe. O que é certo é que bombardeio contra Temer não cessará. Portanto, a crise política vai se prolongar. E não se acabará com a sua eventual queda. Pelo contrário.

Economia reage

Enquanto o Brasil pega fogo na política, na economia o país começa a colher os frutos do ajuste fiscal feito no início do atual governo: a inflação cai a baixos patamares. O mês de junho passado apresentou deflação, a primeira em 11 anos. Os depósitos na poupança alcançaram o melhor junho em 4 anos, com um saldo positivo superior a R$ 6 bilhões.

Os juros caem. Entre outubro de 2012 e abril de 2016, a taxa básica de juros (Selic) dobrou. Ela subiu de 7,25% ao ano para 14,25%. A partir do ano passado, com as medidas econômicas do atual governo, como a que criou um limite para os gastos públicos, os juros começaram a cair: desceram dos 14,25% ao ano para 10,25%. A expectativa de especialistas do mercado financeiro é que a taxa caia ainda mais.

Segundo o último Boletim Focus, uma publicação semanal que reúne as projeções de analistas do mercado financeiro, a Selic vai chegar ao fim de 2018 em 8,50%.

E mais: a balança comercial brasileira registrou o melhor primeiro semestre em 29 anos. Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a diferença entre importações e exportações deixou um saldo positivo de US$ 36,2 bilhões no período.

A opção do país

O desemprego ainda se mantém em patamar elevadíssimo, atingindo 14 milhões de trabalhadores. E não surgiram muitas oportunidades para os jovens que ainda não ingressaram no mercado de trabalho. Vencer o desemprego é, portanto, o maior e mais urgente desafio que o país tem pela frente, na retomada do crescimento econômico.

Mas as energias que poderiam ser dispendidas para a recuperação da economia estão sendo gastas é com a crise política. 

Uma noite que não acabou

Foto:Agência Brasil

Temer faz pronunciamento após denúncias

Era 7 de março de 2017. Depois de mais um dia de intensas atividades, no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer retornava à residência oficial, o Palácio Jaburu. Passava das 22 horas. Antes, dera uma esticada até à festa em que o jornalista Ricardo Noblat, um dos mais influentes de Brasília, comemorava seus 50 anos de jornalismo.

No Jaburu, o empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS-Friboi, aguardava o presidente, para uma conversa que, conforme a versão oficial, teria sido agendada pelo deputado federal Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor especial de Temer. Na última hora, no entanto, o parlamentar não pode comparecer.

Pela garagem

O empresário entrou pela garagem. Conforme ainda a versão oficial, o número da placa de seu carro já havia sido repassado à segurança, com a orientação para trânsito livre. Não era, afinal, um qualquer. Tratava-se do dono do segundo maior conglomerado empresarial do Brasil – atrás apenas da Petrobras.

Um grupo que vendia para mais de 150 países, com um faturamento anual na casa dos R$ 170 bilhões. Um grupo que teve um crescimento de 3.400% em dez anos, com o dinheiro amigo do BNDES. E que, além de tudo, tinha a fama e o costume de abastecer os caixas dos políticos nas campanhas eleitorais.

Delação premiadíssima

Joesley aguardava o presidente dentro do carro, ouvindo a rádio CBN. Mas ele não ligou apenas o rádio do carro. Ligou também um minigravador que conduzia escondido em seu bolso e com o qual, a seguir, gravaria sorrateiramente a sua conversa com o presidente da República.

Com a gravação em mãos, o empresário acertou com o Ministério Público Federal uma delação sem precedentes. De muito bom grado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aceitou as condições do delator, que já era investigado em cinco inquéritos na Operação Lava-Jato.

No acordo feito com o MPF, referendado pelo ministro Édson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, graças à gravação, Joesley Batista recebia o perdão pelos mais de 240 crimes que confessou ter praticado e recebia também autorização para se mandar do país na hora que bem entendesse.

O empresário cuidou, então, de organizar seus negócios nos Estados Unidos, para onde transferiu a sede de seu grupo. Teve tempo também para mandar seu iate de luxo para o exterior.

A bomba

Quando, enfim, a bomba estourou, no dia 17 de maio, na Rede Globo, da qual o grupo Friboi era um dos maiores anunciantes, Joesley já estava longe. O empresário aproveitou, porém, para comprar milhões em dólares na véspera e, com isso, ganhar mais dinheiro com a crise que ele mesmo fabricara.

No dia seguinte, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) sofreria seu maior baque, ao ponto de ter que ser fechada para não quebrar. E a economia do país, que começava a dar sinais de recuperação, apresentava uma recaída brutal.

Tratado como herói nacional pela PGR, por ter delatado mais de 1.800 políticos que supostamente receberam dinheiro de seu grupo, Joesley ajustou a mira de sua metralhadora na direção do presidente Michel Temer e do presidente do PSDB, senador Aécio Neves.

Na corda bomba

Desde então, o presidente vive na corda bamba, alvo de um bombardeio diário do Ministério Público, da oposição e da imprensa. Outro já teria jogado a toalha. Mas ele contesta com veemência as acusações e garante que só sai derrubado.

Com a divulgação dos áudios, nota-se que, por cansaço ou por esperteza, o presidente pouco falou durante o encontro. Mas o pouco que disse ou balbuciou foi interpretado pelo Ministério Público Federal como uma tentativa de comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), preso pela Lava-Jato, e obstrução da Justiça.

Os peritos não se entenderam sobre o conteúdo da gravação, de qualidade duvidosa. Nem os oficiais nem os particulares. O MPF, entretanto, firmou a sua convicção e fez de Temer o primeiro presidente denunciado no Supremo por crime comum durante o exercício do cargo.

Hoje faz quatro meses do malfadado encontro do presidente com Joesley Batista. Um dia que certamente o presidente gostaria que não tivesse existido, pois aquele 7 de março findou sendo um dia que não acabou.

Piauí incentiva o desinvestimento

O Piauí aparece com frequência na cabeça das listas dos piores Estados brasileiros para se empreender. Esses levantamentos levam em conta basicamente os seguintes critérios: burocracia, mercado, acesso, inovação, capital humano, cultura empreendedora, segurança, infraestrutura e política fiscal. E não falta esforço para que a posição do Estado nesses rankings possa piorar ainda mais.

Agora mesmo tramita na Assembleia Legislativa, em regime de urgência, projeto de lei encaminhado pelo governador Wellington Dias elevando a alíquota do ICMS para diversos setores. A matéria já passou nas Comissões de Constituição e Justiça e de Administração e Finanças. A aprovação em plenário é dada como favas contadas.

Para o setor de serviços de telecomunicações – fibra ótica, provedor, etc – a alíquota sai de 25 para 28%; energia – de 25 para 27%  e combustível – gasolina e lubrificantes – de 27 para 29%.

E a crise?

O governo propõe a mudança na legislação para arrecadar mais em um momento com duas particularidades relevantes. A primeira é que o Tribunal de Justiça decidiu, mais de dez anos depois, que a alíquota do ICMS de energia e telefonia deve voltar para 17%.

Em seu primeiro governo, Wellington Dias aumentou essa alíquota de 17 para 25%. Na época, a Associação Industrial do Piauí encontrou com ação na Justiça e o julgamento saiu agora.

A outra particularidade é que o Governo do Piauí corre para aumentar mais ainda a alíquota do ICMS em um momento de recessão brutal. As empresas que não quebraram estão quase todas trincadas, sobrevivendo com extremas dificuldades.

Diante de mais esse esforço descomunal do governo para aumentar imposto, só há uma conclusão plausível: este é o jeito piauiense de incentivar o desinvestimento. 

Foto: Cidadeverde.com

Cajueiro Rei, o maior do mundo

Dinheiro sobrando

A Secretaria de Turismo anuncia licitação para a contratação de um projeto para a urbanização da área do Cajueiro Rei, no município de Cajueiro da Praia.

Só pode é estar faltando organização ou sobrando dinheiro no Governo do Estado!

Projeto já existe!

O que foi feito, afinal, do projeto contratado e pago pelo Estado com o mesmo objetivo, na gestão do secretário Silvio Leite?

Este projeto foi, inclusive, aprovado pelo Ministério do Turismo e contemplava, além de uma praça, toda a urbanização do entorno ao cajueiro, inclusive um mirante para contemplação do alto de sua copa.

O projeto foi assinado pelo arquiteto Júlio Medeiros.

Mais dinheiro

Para o deputado João Mádison (PMDB), relator, na Comissão de Constituição e Justiça, do projeto de lei do governo que muda a cobrança de impostos sobre operações relativas à circulação de mercadoria e prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, a proposta é importante para o ano de 2018.

Segundo ele, a mudança vai dar condições para que o Piauí possa se igualar a outros Estados da Federação.

Crise é de todos

Já o deputado Gustavo Neiva (PSB) avalia que, mais uma vez, o governo onera a população mais pobre, com cobranças de tributos em patamares exorbitantes, diante do poder aquisitivo da parcela com menor poder econômico.

“O governo não faz o dever de casa e impõe um custo pesado  para a sociedade, da máquina que o governo tem. Aumentar imposto é a última coisa que qualquer governo deve fazer. Porque se a crise é grande para o Estado ela é ainda maior para os seus habitantes”, observa o parlamentar.

A crise

O líder do Governo na Assembleia, deputado João de Deus (PT), disse que também lamenta que o Estado tenha que recorrer a aumento de impostos. “Só que estamos diante de uma crise, e essa crise infelizmente não é só do Piauí, mas de todo o país”, argumentou.

Contradição

O deputado Rubem Martins (PSB) também critica a mudança na cobrança do ICMS: “Não compreendo porque é que o governo do Estado está aumentando os impostos, para cobrir despesas com o aumento da máquina administrativa, exagerada, e lá o início do seu governo, diminuiu, dando incentivos para a Itaipava, que foi um dos financiadores da sua campanha”, criticou Rubem Martins.   

Municipalização

O processo de municipalização dos serviços de água e esgoto avança em Oeiras, A Câmara Municipal aprovou o projeto de lei que cria o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), uma autarquia que ficará responsável pela gestão do fornecimento e tratamento da água e esgotamento sanitário do município.

De autoria do prefeito José Raimundo (PP), o projeto teve 7 votos a favor e 5 contra.

Foto: Divulgação/Sesi-CN

Tabuleiros - O presidente do Conselho Nacional do Sesi, João Henrique Sousa, acompanhou ontem o prefeito de Parnaíba, Mão Santa, em uma audiência com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho. Também participaram do encontro o senador Elmano Ferrer (PMDB) e o deputado federal Paes Landim (PTB). Em pauta, a retomada das obras dos Tabuleiros Litorâneos, em Parnaíba.

*A Corregedoria do Tribunal de Justiça fastou dois tabeliães, do 2º e 8º Cartórios de Notas e Registro de Imóveis de Teresina.

* Entre as supostas irregularidades estão o pagamento irregular de horas extras e benesses concedidas a parentes e clientes, além de negócios com os antigos administradores do Cartório Naila Bucar.

*A Clínica de Neurologia do HGV receberá o nome do médico Francisco Ramos. A homenagem foi proposta pelo deputado Rubem Martins (PSB).

* Na Assembleia Legislativa, os Bocas-Pretas e Tupamaros estão brigando para ver quem é mais governista.

* O Sindicato dos Delegados da Polícia Civil convocou para hoje, às 11 horas, no Palácio de Karnak, um ato público contra a violência e por melhores condições de trabalho.

"Posto Ipiranga"

De um observador da cena política estadual, depois de contar 15 suplentes convocados para assumir cadeiras na Assembleia Legislativa, de modo a fazer acomodações na base do governo:

- A Assembleia tá igual ao Posto Ipiranga, que resolve tudo.

Política do Piauí contra a seca falhou

Foto: Cidadeverde.com

Barragem de Piaus, no semiárido 

O governador Wellington Dias decretou situação de emergência em mais 25 municípios do semiárido, por causa da seca. Os municípios estão nos territórios Serra da Capivara, Vale do Canindé, Vale do Guaribas e Vale dos Rios Piauí e Itaueira.

Um dos indicadores utilizados foi a perda de mais de 50% na produção agrícola, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A validade do decreto é de 180 dias.

Com o reconhecimento de emergência, as prefeituras podem solicitar apoio para ações de assistência à população, renegociação de dívidas no setor de agricultura, recursos para a perfuração de poços, operação carro-pipa, e outros benefícios, explica o secretário de Governo, Merlong Solano.

O decreto tem como base dados coletados pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, pelo Instituto Nacional de Meteorologia, e pela Agência Nacional de Águas. O monitoramento demonstra redução da ordem de 100 a 200 milímetros na precipitação pluviométrica em relação a períodos anteriores.

Fracasso

Durante muito tempo, o Piauí apostou na construção de grandes barragens para enfrentar o problema da estiagem no sertão. Essa política de acumulação de recursos hídricos não deu o resultado que se esperava. Ou não foi suficiente. O fato é que o problema da falta de água no semiárido se repete com grande intensidade.

Dados do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) mostram que as chuvas deste ano não foram suficientes para reabastecer os reservatórios de água, que estão operando abaixo de 25% das suas capacidades.Alguns com até 5%, caminhando para o volume morto. O DNOCS atestou também a exaustão de águas em poços artesianos.

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) averiguou in loco a situação de colapso de alguns municípios, inclusive na zona urbana. Muitos já são abastecidos com carro-pipa.

Em janeiro deste ano, o Governo do Estado já havia declarado situação de emergência em outros 40 municípios. Então, com o novo decreto, o total de municípios em estado de emergência em função da seca já chega a 65. E tende a aumentar no segundo semestre, atestando que a política do Governo do Piauí para enfrentar a seca falhou.

Estrago da Friboi

O presidente da Associação Piauiense de Criadores de Zebu (APCZ), deputado João Mádison, disse que o grupo JBS/Friboi estraçalhou o mercado da carne bovina no país.

Com dinheiro do BNDES, o grupo saiu fechando frigoríficos. O resultado é que os criadores viram os preços dos bois despencar.

Reativação

O Governo do Estado jogou a toalha e não espera mais pela reabertura da fábrica de cimento Itapissuma, em Fronteiras, através do Grupo João Santos.

Assim, já busca um parceiro para assumir a indústria de cimento Nassau.

Seus diretores disseram que a paralisação seria temporária. A fábrica fechou há quatro meses.

O governo procura agora outro grupo que possa administrar a indústria através de compra ou de arrendamento.

O Estado espera resolver o problema até setembro.

Atentai bem!

A anunciada audiência do governador Wellington Dias com o prefeito de Parnaíba, Mão Santa (SDD), não aconteceu.

A assessoria do prefeito informou que ele tentou várias vezes marcar a audiência com o governador, mas não foi recebido. E agora não quis mais.

Com a autoestima em dia, Mão Santa justificou a ausência no encontro com o governador, no Palácio de Karnak:

- Ele só queria tirar foto comigo.

Foto: Divulgação/Fiepi

Missão técnica iternacional em Picos

Mel

A convite do presidente do Conselho Nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi), João Henrique Sousa, o perito em apicultura Thierry Durosselle, que também é presidente da Associação Nacional dos Apicultores da França, encontra-se no Piauí em uma Missão Técnica Internacional. Ele começou a sua visita ontem pelo município de Picos.

Em evento que reuniu empresários, representantes de cooperativas, associações e empresas de mel da região de Picos, parceiras na ação, bem como diretores da Fiepi e do Senai e Sesi, Thierry Durosselle apresentou um vídeo sobre a situação do segmento em seu país.

Cooperativa

A seguir, a comitiva se dirigiu à sede da CAMPIL – Cooperativa Apícola da Microrregião de Picos.

No local, o perito francês pôde conhecer todo o trabalho realizado pela cooperativa, desde a chegada do mel e seus derivados até a saída para comercialização.

Cerco do MP

O Palácio do Planalto detectou uma nova estratégia do Ministério Público Federal contra o presidente Temer: cercar os amigos do presidente.

A prisão, ontem, do ex-ministro Geddel Vieira Lima seria mais um capítulo dessa novela.

Geddel foi ministro também dos governos Lula e Dilma.

Ele foi preso no desdobramento de investigações sobre atos seus nos governos petistas, porém aparece como amigo e ex-ministro de Temer.

Se a estratégia do MPF é mesmo a de desgastar ainda mais o presidente, ela está dando certo.

Imagem: Divulgação

Taxa de juro - O deputado Júlio César (PSD) divulgou o infográfico com a evolução da taxa de juro no Brasil.

* O presidente da CNBB, dom Sérgio da Rocha, ex-arcebispo de Teresina, recebe hoje homenagem da Arquidiocese de Teresina.

* Ele será agraciado com a medalha comemorativa dos 60 anos da Ação Social Arquidiocesana, fundada por dom Avelar Brandão Vilela.

* Pelo menos 3 mil consultas e 300 cirurgias deixam de ser realizadas com a paralisação dos médicos da rede estadual de saúde.

* O movimento começou ontem e se estende até amanhã, em protesto contra a implantação do ponto eletrônico para os médicos.

Missa do Vaqueiro

Marcos Damasceno participa da cavalgada e missa do vaqueiro de Dom Inocêncio-PI. Como vice-prefeito (do PT), monta num cavalo e puxa a cavalgada com o Sagrado Coração de Jesus no colo. Ao lado, o deputado estadual Firmino Paulo (PSDB), em outro cavalo, com a bandeira do Piauí. Um vaqueiro, dono do cavalo em que o vice-prefeito estava montado, se aproxima dele e lhe comunica:

Vaqueiro: - Damasceno, o nome deste cavalo que você está montado é Michel Temer!

Damasceno (entre espantado e revoltado):  - Não me diga uma desgraça desta!... 
 

O discurso do Podemos - pode isso, Arnaldo?

“A prática corrupta de governar com relação promíscua entre os Poderes possibilitou que o País vivesse uma das maiores crises da sua história”.

“Os brasileiros haverão de arrancar, sim, o Brasil das mãos sujas dos que o assaltaram nos últimos anos.”

“Na esteira na Operação Lava Jato há partidos destruídos, vistos por procuradores como organizações criminosas ou lavanderia de dinheiro sujo”.

É com este discurso que o senador Álvaro Dias, do Paraná, pretende chegar à Presidência da República. Para tanto, deu um salto partidário triplo, ao se filiar no final de semana ao Podemos, depois de ser eleito pelo PSDB e passar uma temporada abrigado no PV.

O senador diz mais:

“O povo quer a mudança da cultura política, do comportamento e do sistema promíscuo de governança, que é a usina dos escândalos de corrupção.”

“Este é um país em movimento, à espera de reformas fundamentais, mas não nesse ambiente de incompetência, de corrupção e de descrédito.”

“A população quer o sepultamento do modelo de governança que instituiu o balcão de negócios, o aparelhamento do Estado, loteamento de cargos.”

Toma lá, dá cá

Muito bem! Álvaro Dias é uma das reservas morais do Senado e da política nacional. É de sua autoria o projeto que acaba o foro privilegiado no país. A bem da verdade, o projeto foi aprovado no Senado, mas não andou na Câmara Federal. Portanto, até aqui não passou de uma boa intenção no sentido de contribuir com a moralização do país.

Outra: o novo partido do senador e presidenciável paranaense, o Podemos , substitui o antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN). É presidido pela deputada Renata Abreu (SP). Este partido tão comprometido com a ética na política nasceu reivindicando do governo Temer um pedaço de terra no fértil latifúndio do poder.

No “balcão de negócios” denunciado pelo senador Álvaro Dias, o Podemos botou o pé na parede para apoiar o atual governo. E acabou abocanhando a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), onde está aboletado e de onde ouve, alto e bom som, o seu presidenciável fazer seu corajoso e coerente discurso por mudança nos costumes políticos e administrativos do país.

Só resta perguntar: pode isso, Arnaldo?

No Canadá

O governador Wellington Dias viajará outra vez ao exterior este mês, no período de 14 a 25.

O pedido para ele ausentar-se do país em viagem oficial ao Canadá já está na Assembleia Legislativa.

O motivo da viagem, segundo o governo, é conhecer o Sistema Carcerário – Ressocialização de Presos e Dependentes Químicos daquele país.

Sempre é tempo para aprender, mas este tipo de viagem costuma ser feita no início do governo, não no final.

Foto: Divulgação

Deputado Júio César recebe homenagem na Defensoria Pública da União

Defensoria

O presidente regional do PSD, deputado federal Júlio César, recebeu na Defensoria Pública da União – Piauí comenda "Amigo da causa dos menos favorecidos".

Ao agradecer a homenagem, ele reafirmou seu compromisso com a demanda do cidadão.

Torneira aberta

Em 40 dias, o Piauí teve 13 liberações de recursos federais para convênios com o Governo do Estado, Prefeitura de Teresina e cidades do interior. Deste total, 5 foram liberações do Ministério das Cidades.

Os convênios contemplados são todos rescaldos ainda do período em que o ocupante da pasta era indicado pelo senador Ciro Nogueira (PP).

Os dados são do Portal da Transparência dos Recursos Públicos. Talvez aí more o laço forte que, apesar da antipatia petista, continue a unir o senador e o governador Wellington Dias.

Tudo a ver

Sobre o novo empréstimo de R$ 600 milhões que o Governo do Piauí fez na Caixa Econômica Federal, os recursos se destinam a infraestrutura, mobilidade e saneamento.

Nada mais providencial: infraestrutura do palanque oficial para as eleições de 2018;  pavimentação da reeleição do governador e de seus aliados e saneamento do caixa do Estado, que está nas últimas.

Médicos

O secretário de Saúde, Florentino Neto, solicitou ao secretário de Administração e Previdência, Franzé Silva, que fossem abonadas as faltas registradas pelo Sistema de Ponto Eletrônico aos profissionais de saúde que atuam na rede hospitalar do Estado.

Tudo em razão de falhas na parametrização do sistema no âmbito das Unidades Hospitalares. 

Ponto eletrônico

O pedido incluiu ainda a emissão de folha salarial suplementar, para que sejam feitas as devidas correções no pagamento dos salários dos servidores.

De acordo com comunicado feito ontem, pela Sead-Prev, a folha será paga no próximo dia 14 de julho.

O Estado vai pagar a diferença dos médicos, mas não desistiu do ponto eletrônico para eles.

Foto: Divulgação

Baixo custo, alto retorno - O governador Wellington Dias matou a charada: o investimento em cultura é mínimo, dá bons resultados e ainda deixa o governo bem na fita. Ontem, no Palácio de Karnak, ele participou da solenidade para liberação de recursos para 80 pontos de cultura em todo o estado.

* O deputado Dr. Pessoa (PSD) solicitou a reforma e ampliação dos leitos do Hospital Nossa Senhora do Livramento, do município de José de Freitas.

De acordo com o parlamentar, a iniciativa visa “melhorar a prestação de serviços oferecidos a população daquela região, além de proporcionar o bem estar aos pacientes”, defendeu.

* deputado Georgiano Neto (PSD) comunicou que o problema dos bancos postais dos Correios, que deveriam deixar de funcionar, foi solucionado por interferência do deputado federal Júlio César. 

* O presidente da CNBB, Dom Sérgio da Rocha, chega hoje a Teresina. Amanhã ele celebra missa às 19h na Catedral de Nossa Senhora das Dores, na Praça Saraiva.

Olho grande

Da vice-governadora Margarete Coelho, ontem, na TV Cidade Verde:

- Acho legítimo todos quererem ser vice do governador Wellington Dias. É o cargo mais desejado em termos políticos no Piauí. É um governador bem avaliado. É uma gestão que tem dado conta dos problemas e ainda há aquela possibilidade que sempre existe do governador reeleito se afastar para ser candidato ao Senado e o vice ser galgado à condição de governador. 

Câmara engavetará denúncia contra Temer

A denúncia contra o presidente Michel Temer, recebida do Supremo Tribunal Federal na quinta-feira passada, já foi lida pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados e deverá ser analisada agora na Comissão de Constituição e Justiça, a CCJ, composta por 66 membros.

Esse colegiado será responsável por recomendar ou não a análise em plenário da denúncia encaminhada ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele acusa o presidente de cometer crime de corrupção passiva.

Como nas demais situações desse gênero, entretanto, cabe ao plenário da Câmara dar aval ou não para que o STF possa aceitar a denúncia e abrir o processo. Se a Câmara autorizar a ação contra Michel Temer, ele terá de se afastar da Presidência por 180 dias, até ser julgado.

São necessários pelo menos 342 deputados contra o presidente para a abertura do processo. O governo precisa de apenas 172 votos para que a denúncia seja engavetada.

Mesmo com todo o barulho que a oposição e a mídia fazem em torno do caso, a vitória do presidente na Câmara é praticamente certa.

Denúncia perde força 

A denúncia contra ele, de impacto arrebatador no primeiro momento, vem perdendo força. A bola estava no campo do adversário e chegou ao seu, que é o da política. 

A oposição consegue fazer muito barulho, mas não faz gol. Nem a sua torcida ela consegue mais agitar, pois muitos de seus membros também estão na lista de investigados e denunciados. A greve geral convocada contra o governo, na sexta-feira, por exemplo, foi um fiasco.

Mas não é esse o cenário mais favorável ao presidente, nesta nova etapa da denúncia. Há outro que passa praticamente despercebido. É o do corporativismo. Dos 66 deputados que integram a Comissão de Ética, 31 são citados em inquéritos e delações da Operação Lava Jato, segundo a mídia. Doze são investigados.

Acerto de contas

Há tempos o Congresso quer dar o troco ao Ministério Público, que vem rondando as duas casas legislativas com suas denúncias e investigações. Já tentou de diversas formas, mas não obteve êxito. Porém, chegou a hora para um acerto de contas.

Assim, no exame do processo contra Temer, não haverá propriamente uma defesa literal e apaixonada do governo. Os parlamentares, pela sua maioria, farão outro raciocínio: se entregarem a cabeça do presidente ao Ministério Público, a próxima a rolar pode ser a de qualquer um deles.

Então, por que darão mais poderes ao MPF? Basta que 172 dos 513 deputados digam que a acusação é inconsistente e ela cai. 

Foto: Divulgação

O deputado Silas Freire, entre Renata Abreu e Álvaro Dias, no Podemos

No Podemos

O senador Álvaro Dias, o deputado federal Silas Freire e o ex-jogador Marcelinho Carioca se filiaram no sábado (1º) ao Podemos.

As filiações foram assinadas na cerimônia de lançamento do partido, em Brasília. O senador Romário (RJ) enviou um vídeo ao evento no qual também anunciou a filiação à legenda.

O Podemos , que substitui o antigo Partido Trabalhista Nacional (PTN) e é presidido pela deputada Renata Abreu (SP),  teve a troca de estatuto e de nome homologada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em maio, sendo agora oficializada no evento. 

BR-135

A solução encampada pela bancada federal do Piauí, para intervenção imediata na BR-135, a “estrada da morte”, foi a lançada pelo superintendente estadual do Dnit, Paulo de Tarso Cronemberger.

Ele sugeriu que se fizesse uma operação nos pontos mais críticos da rodovia, em caráter de urgência, com o remanejamento da verba de manutenção das estradas federais no Piauí.

Luta antiga

A propósito, o parlamentar que mais se bate pela BR-135, há muito tempo, é o deputado federal Paes Landim (PTB). Ele já fez vários pronunciamentos cobrando ações do governo federal para a estrada.

Em vários discursos da tribuna da Câmara, Landim disse que a BR-135 é um atentando, em face dos riscos que ela oferece aos seus usuários.

Desconto

Se os médicos acharam muito o corte linear de 30% nos valores de seus contracheques, eles não perdem por esperar.

A Secretaria de Administração fará mais dois descontos, nos mesmos percentuais, nos próximos meses.

No sistema de controle de frequência, os profissionais aparecem como faltosos.

Ponto falho

O Sindicato dos Médicos do Piauí alega que a historia é outra: o sistema de ponto eletrônico implantado pelo governo é falho e pegou até quem estava de férias.

O secretário Franzé Silva disse que a situação será avaliada hoje.

Foto: Divulgação

Posse na Academia Brasileira de Cerimonial e Protocolo

Posse – A piauiense Emília Nunes tomou posse na Academia Brasileira de Cerimonial e Protocolo, no auditório do TCU, em Brasília. Ela foi empossada na cadeira que tem como patrono o embaixador Aluzio Napoleão, que foi chefe do Cerimonial da Presidência da República, no Governo Juscelino Kubitschek. O ex-senador Hugo Napoleão, filho do patrono da cadeira, discursou na cerimônia.

* Na corrida ao Planalto, o senador Álavor Dias (PR) mostrou que é bom de salto triplo. Ele pulou do PSDB para o PV e, agora, para o Podemos.

* O ex-prefeito de Corrente, Jesualdo Cavalcanti, está em São Paulo, para se submeter a uma cirurgia.

* O empresário Edmilson Carvalho é o novo presidente do Setut. A posse foi na semana passada. Ele já dirigiu a entidade.

* O senador Ciro Nogueira voltou ao presidente Temer na sexta-feira. Foi agradecer o interesse do governo pela BR-135.

Coisas de Oeiras

Do jornalista Elivaldo Barbosa, sobre as mudanças políticas em Oeiras: os Tupamaros e Bocas Pretas estão na base governista na Assembleia Legislativa, mas as diferenças políticas entre os grupos rivais seguem vivas e acirradas. Na posse de Bessah Filho (PP), o pai do novo parlamentar, ex-deputado federal B. Sá (PP), deu uma "espetadinha" nos adversários da política oeirense, afirmando que os Bocas Pretas são aliados de primeira hora do governador Wellington Dias e não pegaram carona em adesões recentes. O deputado Mauro Tapety (PMDB) não deixou por menos:

- Nossa aliança com o governador Wellington Dias de fato é recente, mas é sincera, tem valor  e consistência; em nossa palavra o governador pode confiar.

Wellington Dias, um petista ensaboado

Foto: Divulgação

Os acertos finais para assinatura de empréstimo na Caixa

A semana que passou foi marcada por dois atos, na cena política, protagonizados pelo PP, que apontam para a correlação de forças, entre os partidos da base aliado, na disputa eleitoral de 2018 no Piauí.

No primeiro ato, o PP, através de seu presidente nacional, senador Ciro Nogueira, abriu o cofre da Caixa Econômica Federal para arrancar um empréstimo no valor de R$ 600 milhões para o Governo do Piauí.

Entre a autorização da Assembleia e a assinatura do contrato do empréstimo foram três meses. Conforme o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, para fazer operações de crédito semelhantes o Estado já levou até três anos.

No segundo ato, o presidente do PP abriu a porta do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, para a bancada do Piauí e outras lideranças estaduais levarem diretamente para ele um pedido de socorro para a BR-135, a conhecida “estrada da morte”.

O que parecia impossível aconteceu: o ministro se comprometeu a liberar, no próximo semestre, R$ 30 milhões para obras emergenciais nos pontos críticos da estrada. Esses recursos se somarão a outros R$ 20 milhões que serão aplicados em serviços de intervenção imediata na rodovia. Os recursos serão remanejados da verba do Dnit destinada à manutenção das estradas federais no Piauí.

Tirando proveito

O empenho do senador Ciro Nogueira nestas duas causas alcançou maior repercussão porque o presidente do PP vinha de uma sucessão de ataques desferidos contra ele e sua mulher, a deputada federal Iracema Portella, por petistas do Piauí. Se ele cruzasse os braços, o Governo do Piauí estaria em apuros, especialmente em relação ao empréstimo, vital para seu caixa neste momento.

Em vários Estados que perderam o acesso ao Planalto, com a queda da presidente Dilma Rousseff, os governadores tentam repetir a operação política posta em prática pelo governador Wellington Dias, para chegar ao cofre de Brasília através de aliados de prestígio no atual governo.

No Ceará, o governador Camilo Santana (PT) quis usar o PSDB do senador Tasso Jerreissatti. Não deu. Na Bahia, o PT quis usar o PP e o PSB, mas não conseguiu avançar. Lá o Produto Interno Bruto (PIB) já caiu 4,9%! 

Não é em todo lugar que dá um petista ensaboado como o governador Wellington Dias. 

Foto: Divulgação

Audiência com o ministro do Planejamento sobre a BR-135

 

Posts anteriores