Cidadeverde.com

Clientes formam filas em lojas de tecido e material para costura no Centro

  • ciro_e_kleber_1.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-21.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-20.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-18.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-17.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-16.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-15.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • ciro_e_kleber_-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

O comércio no Centro de Teresina está praticamente em pleno funcionamento durante a pandemia. Na manhã desta terça-feira (26), o Cidadeverde.com percorreu algumas ruas e percebeu que, apesar da maioria das lojas ter um aviso informando que o atendimento é apenas por delivery, o entre e sai de clientes é intenso. 

Uma das ruas mais movimentadas é Lisandro Nogueira em lojas que vendem tecido e material para costura. Na via, o comércio desse tipo de produto é escancarado e clientes chegam a formar filas na porta das lojas de aviamentos. O trânsito também é intenso com congestionamento e carros estacionados em fila dupla.  Parte da demanda tem sido de clientes que buscam material para a confecção de máscaras.

Um comerciante do ramo de alimentação disse que não vê fiscalização e o movimento tem sido intenso todos os dias. 

"É muito injusto porque a gente do setor está parado e nas outras lojas, a gente vê filas e filas", reclama o comerciante. 

Já na Rua Rui Barbosa, o movimento é bem diferente e, aparentemente, o decreto de funcionamento somente de serviços essenciais está sendo cumprido. Uma das lojas de bijuterias e acessórios há inclusive um comunicado com a frase: "não atendemos na porta. Por favor, não insista".

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com

 

Flash de Graciane de Sousa
[email protected]