Cidadeverde.com

Site Os Mosqueteiros completa 9 anos de sucesso no mercado piauiense

Sites de descontos e promoções estão consolidados no mercado desde o boom da compra coletiva, em 2010. Para os brasileiros que estão sempre interessados em fazer economia, essa modalidade tem crescido de forma exorbitante.

No Piauí, não é diferente. Para se ter uma ideia, no site Os Mosqueteiros, primeiro site de descontos lançado no estado, já foram publicadas mais de 5 mil ofertas.

O sucesso reflete a soma de dois fatores. O primeiro deles é o baixo preço das ofertas, que atrai diferentes públicos ávidos por promoções que realmente valham a pena. Em 9 anos de existência, o site Os Mosqueteiros já proporcionou aos piauienses uma economia superior a R$ 53 milhões.

Para quem gosta de economizar, essa é uma excelente estratégia. Além do pagamento no boleto, a possibilidade de dividir a compra no cartão também é uma vantagem importante, já que nem todos os estabelecimentos aceitam o parcelamento. Não é à toa que a quantidade de clientes cadastrados no site chega a quase 160 mil, com mais de 528 mil cupons gerados até o momento.

Na outra ponta, a diversidade de ofertas atrai parceiros de vários setores, seja ela da área de estética, culinária ou automotiva. Para a empresa parceira, além de atrair mais clientes pelo preço oferecido, a divulgação feita nas redes sociais do site ajuda a reforçar a marca e atingir maior público.

O início de tudo

A primeira oferta lançada no site foi uma lavagem de carro no Posto Avant, no dia 20 de novembro de 2010, há exatos 9 anos. Fora do estado, essa modalidade de negócios já era febre. Sites americanos, como o Groupon, foram os pioneiros a iniciarem a atividade no Brasil. Depois as empresas nacionais entraram na onda.

Nesse período, cinco sócios estavam abrindo uma empresa de tecnologia e comunicação, a Chipy Desenvolvimento Web, que une profissionais de várias áreas. Era o início de uma startup e Os Mosqueteiros foi o primeiro projeto criado.

"Queríamos um serviço inédito aqui na cidade, que explorasse novas possibilidades. Não havia, naquele momento, serviço semelhante em Teresina. Então iniciamos uma corrida para estruturar tudo. O boom do modelo de negócios no âmbito nacional nos ajudou a explicar para compradores e empresas parceiras como tudo funcionava", conta Camila Guimarães, diretora de Marketing e uma das sócias fundadoras da startup.

A completa estrutura que alia tecnologia, atendimento comercial, publicidade e administração garantiu o pioneirismo e a consolidação do projeto no estado.

De lá pra cá, o modelo de negócio sofreu transformações. Dois sócios seguiram para outras atividades e a empresa continuou com os sócios-fundadores: Thiago Bezerra (Diretor Administrativo), Camila Guimarães (Diretora de Marketing) e Hildoane Viana (Diretor de TI), focados em levar para seus clientes descontos e novas experiências através do e-commerce. Para que o site se mantenha no ar, é necessária o envolvimento de mais cinco colaboradores, do atendimento ao cliente à direção de arte.

"Buscamos acompanhar mudanças globais e, com a nossa experiência e conhecimento do mercado local, estamos completando 9 anos de atividades intensas no ramo. São 9 anos de descontos e anúncios, sempre proporcionando um ambiente seguro de compra e oferecendo suporte para empresa e cliente durante o período de vendas e de atendimento", completa Camila Guimarães.

Apesar de também já serem o maior site de desconto do estado, o trabalho de expansão não para. Atualmente, a home do site foi modificada para aprimorar a divulgação de, pelo menos, 120 ofertas que estão no ar semanalmente. Além disso, está sendo finalizado um aplicativo que eliminará a apresentação de papel (voucher) nos estabelecimentos parceiros.

"Já estamos realizando testes com os parceiros para que todos estejam prontos para essa mudança. Além do aplicativo, que está sendo criado com muito cuidado para que funcione de forma plena e constante, já realizamos uma grande mudança de layout no primeiro semestre e a meta é estar com tudo isso em funcionamento, e ter ainda outras novidades até antes do nosso próximo aniversário", comemora a diretora de marketing.

 

BC vai lançar rede de pagamentos que substituirá TEDs e DOCs

Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou que pretende por em funcionamento, no final de 2020, uma rede de pagamentos instantâneos que substituirá as atuais formas de transferências bancárias.

As afirmações foram feitas à Comissão de Assunstos Econômicos (CAE), do Senado Federal, durante audiência sobre a alta do dólar na tarde de terça-feira (19).

Campos Neto explicou que as atuais formas de transferência bancária, como TED e DOC, que têm restrições de horário e custos elevados, serão substituídas por operações instantâneas, simplificadas e feitas em alguns segundos.

Essa rede funcionará 24 horas por dia, durante o ano todo. 

Segundo ele, será uma revolução tecnológica que vai dar mais segurança e baixar o custo para pessoas e empresas, além de gerar inclusão financeira, competição e eficiência.

Sem muitos detalhes, Campos Neto confirmou ainda um projeto para "redesenhar" o cheque especial. 

 

Exportações de pele e couro crescem mais de 300% no Piauí

Foto: Reprodução Youtube

 


No Piauí, embora o setor de maior relevância nas exportações sejam as sementes, grãos e frutos oleaginosos, o couro vem se destacando e, atualmente, representa uma fonte crescente de lucros para o Estado.

Dados da Receita Federal apontam que, no período que compreende de janeiro a agosto de 2019, o setor de peles e couros apresentou um crescimento 302,2%, se comparado aos anos anteriores. De acordo com as informações, neste ano o Piauí já exportou US$ 2,57 milhões em couro.

Logo em seguida, aparece o setor de peixes e crustáceos, com um crescimento de 167,9%.

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Igor Néri, esse crescimento é motivo de comemoração. “O Piauí é rico em potencialidades que, se corretamente exploradas, contribuem para o seu desenvolvimento. Nosso trabalho tem sido o de atrair investidores, oferecendo sempre bons incentivos fiscais para as empresas que querem se instalar aqui, apresentando possíveis lugares para investimento e mostrando aos empresários que o Piauí tem muita coisa boa e que se for para somar, fazemos questão deles aqui”, afirma o secretário.

Foto: Divulgação / SDE

Recentemente a Rhoma Pelles, empresa gaúcha de produção de couro, firmou parceria junto a SDE e ao Governo e hoje, encontra-se instalada no estado. A empresa produz couro e peles e distribui o produto final para marcas conhecidas no Brasil. O Piauí é uma aposta da marca para ampliar os negócios.

Segundo o diretor Rodrigo Hartmann, a matéria-prima é muito forte não só no Estado, como no Nordeste também. “Estamos instalados há cerca de um ano aqui em Teresina, com essa filial instituída, buscando ampliar novos negócios, porque a gente sabe que a questão da matéria-prima de carneiro e cabra é muito forte, não só no Piauí, mas no Nordeste todo”, destaca.

 

Prazo para renegociar dívidas no Banco do Nordeste termina em dezembro

Foto: Arquivo / Cidadeverde.com

Termina em dezembro o prazo para produtores rurais aproveitarem os descontos de até 95% sobre o saldo devedor de operações de crédito em atraso com o Banco do Nordeste.  O instrumento tem vigência até 30 de dezembro de 2019.

Segundo o banco, o saldo de dívidas regularizadas supera R$ 12 bilhões. Já são 343 mil operações repactuadas. No Piauí o montante é de R$ 1,5 bilhão, distribuído em 35,6 mil operações de crédito que estavam em atraso.

Os débitos renegociados podem ser estendidos até 2030, com pagamento das parcelas a partir de 2021. O benefício é válido para produtores rurais com dívidas contratadas até 2011, com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

Média salarial dos piauienses caiu R$ 52; maior queda foi no setor público

Foto: Roberta Aline

O rendimento médio das pessoas ocupadas no Piauí caiu R$ 52 de um trimestre para o outro, saindo de R$ 1.471 para R$ 1.419.

No setor privado, houve queda de renda entre as pessoas com carteira assinada. Os empregos formais tiveram redução de R$ 109, em média. Já os informais tiveram uma alta de R$ 62 - a maior entre as categorias. 

As informações fazem parte da PNAD Contínua Trimestral, divulgada nesta terça-feira (19), pelo IBGE. Clique aqui para ver dados sobre o número de desempregados.

Os salários do setor privado são, em média, R$ 1.144. A média dos formais é R$ 1.514 e dos informais é R$ 771.

No setor público também houve redução da média salarial, de R$ 2.684 passou para R$ 2.579, o que significa R$ 105 a menos.

A maior média salarial no Piauí permanece sendo dos empregadores com CNPJ, ou seja, já formalizados. Essa categoria sofreu a segunda maior perda de remuneração do período, passando de R$ 4.903 para R$ 4.236, ou R$ 667 a menos. 

A maior queda de remuneração ficou no setor público com carteira. Os salários passaram de R$ 3.733 para R$ 3.017 (menos R$ 717).

Além do setor privado sem carteira houve apenas mais uma alta de rendimento, que foi na categoria de trabalhadores por conta própria com CNPJ. O rendimento médio subiu R$ 10, chegando agora a R$ 1.982.

Todos os demais setores tiveram resultado negativo.

A soma de todos os salários injetou R$ 1.759.000 na economia piauienses - R$ 7 mil a mais que o trimestre imediatamente anterior e R$ 96 mil a mais que o mesmo período do ano passado. 

Piauí registra leve queda na taxa de desemprego e aumenta força de trabalho

Foto: Yala Sena / Cidadeverde.com

 

O Piauí registrou uma leve queda na taxa de desemprego no 3º trimestre de 2019. Entre abril e junho, o estado tinha uma taxa de 12,8%, e entre julho e setembro, a taxa registrada foi de 12,7%. Esse percentual representa 195 mil piauienses.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (19) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do IBGE. 

Para o órgão, o Piauí registrou estabilidade, assim como outros 22 estados da Federação. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o desemprego aumentou no Piauí. A taxa subiu de 12,3% para 12,7%.

Empregados e desempregados

Em números, o Piauí tem 2,62 milhões de pessoas aptas ao trabalho, o que significa que elas têm acima de 14 anos.

Desse total, 1,53 milhão de piauienses compõem a força de trabalho, ou seja, estão trabalhando ou procurando emprego. Outros 1,09 milhão estão fora da força de trabalho - não trabalham por opção ou incapacidade.

Das pessoas dentro da força de trabalho, 1,33 milhão estão trabalhando e 195 mil estão desempregadas.

Entre um trimestre e outro, o número de pessoas desempregadas subiu de 186 mil para 195 mil no Piauí, mas essa alta não refletiu na taxa de desemprego do estado porque houve redução das pessoas fora da força de trabalho e, consequentemente, houve aumento do número de pessoas ocupadas.

A pesquisa mostra que a taxa de participação dos piauienses na força de trabalho subiu de 56,1% para 58,3% nos últimos dois trimestres. O nível de ocupação subiu de 49% para 50,9%.

Emprego formal e informal

O número de empregados do setor privado subiu de 429 mil para 465 mil de um trimestre para o outro. Houve aumento tanto no emprego formal (223 mil para 233 mil) quanto no informal (de 206 mil para 232 mil). 

O mesmo movimento foi constatado quanto aos trabalhadores domésticos. 

Já no setor público, houve redução de empregos. O número de contratados com carteira assinada caiu de 17 mil para 13 mil. E sem carteira caiu de 84 mil para 72 mil. Por outro lado, 8 mil pessoas entraram na folha de pagamento como estatutários ou militares.

O número de empregadores com CNPJ subiu de 27 mil para 33 mil. Já os informais caíram de 25 mil para 18 mil.

Quem trabalha por conta própria fez o caminho contrário, os formais passaram de 39 mil para 38 mil e os informais subiram de 365 mil para 382 mil.

Setores

Dos 10 setores listados pelo IBGE, houve redução no número de empregos em apenas três: transporte, atividades administrativas e outros serviços. 

 

 

Clique aqui para ver dados sobre o rendimento médio.

Dívidas com bancos representam mais da metade das pendências dos negativados

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

 

O número de brasileiros com contas em atraso cresceu 1,58% em outubro, quando comparado ao mesmo período do ano passado. As informações são de um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). 

A maior parte das dívidas (53%) em aberto no país está ligada a instituições financeiras — um avanço de 6 pontos percentuais em relação a 2016. 

Já o comércio responde por uma fatia de 17% do total de dívidas – em 2016, a participação desse setor era de 20%. 

O setor de comunicação foi responsável por 12% das pendências e as contas de água e luz por 10%.

Analisando os resultados por região, apenas o Nordeste apresentou queda no número de negativados, com recuo de -1,00%. As demais regiões tiveram crescimento no número de consumidores negativados. O Norte registrou alta de 5,59%, Sudeste de 3,34%, Centro-Oeste de 2,49% e Sul de 1,29%.

Menos dívidas

Na contramão do crescimento das contas em atraso, o número de dívidas apresentou queda de 2,34% no mesmo horizonte de comparação.

Considerando a abertura por número de dívidas relacionadas ao setor credor, houve um crescimento de 18,6% entre as concessionárias de água e luz, enquanto os bancos registraram alta de 1,9%. 

Por outro lado, os segmentos de comunicação e comércio registraram quedas de 24,6% e 5,4%, respectivamente.

Quem mais deve

Quando se observa o perfil de quem está com contas em atraso, o levantamento mostra um aumento expressivo da inadimplência entre os que possuem idade mais avançada: crescimento de 7,1% na faixa de 64 a 84 anos e de 4,1% entre a população de 50 e 64 anos.   

Em contrapartida, entre os consumidores mais jovens, há um recuo no volume de inadimplentes — retração mais acentuada na faixa de 18 a 24 anos, com uma diminuição de 21,6% em outubro na comparação com igual mês de 2018. Também houve queda nas faixas de 25 a 29 anos (-9,9%) e de 30 a 39 anos (-1,5%). 

Quanto devem

Somando todas as pendências, cada consumidor inadimplente deve, em média, R$ 3.254,78. Pouco mais da metade (53,1%) têm dívidas de até R$ 1.000 e 46,9% acima desse valor. 

Petrobras reajusta preço da gasolina e do diesel a partir desta 3ª

Foto: Roberta Aline / Cidadeverde.com

 


A gasolina vendida às refinarias terá nova alta. O reajuste é de R$ 0,05, que representa um aumento médio de 2,8%. O valor passa a vigorar nesta terça-feira (19).

A última alta da gasolina havia sido há 53 dias. O reajuste acompanha evolução do preço do petróleo e a escalada do dólar, que atingiu nesta segunda o maior valor nominal da história. 

Também houve reajuste de 1,2% no preço do óleo diesel.

O repasse às bombas depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras. O valor cobrado pelas refinarias da Petrobras representa cerca de 30% do preço final da gasolina.

Desde o último reajuste, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o preço de bomba da gasolina variou 0,4% (ou R$ 0,04 por litro). Na semana passada, o combustível foi vendido no país a um preço médio de R$ 4,407 por litro.

PI: Semana do Empreendedorismo terá palestra sobre o "Jeito Disney de encantar o cliente"

Foi iniciada nesta segunda-feira (18) a Semana Global do Empreendedorismo. O movimento acontece em vários países e é coordenado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com o apoio de diversas instituições e empresas. Na abertura do evento, realizada hoje no auditório do Sebrae Teresina, houve o Seminário de Liderança Feminina, no formato de talk show. 

Além do seminário e de outras atividades que acontecerão na capital – a exemplo do Fórum de Educação Empreendedora e da palestra O  Jeito Disney de Encantar e Fidelizar o Cliente, com Leonarth Piancó – o evento contará também com palestras e oficinas sendo realizadas em várias cidades do Piauí, sendo coordenadas pelas unidades regionais da instituição localizadas em Parnaíba, Piripiri, Floriano, São Raimundo Nonato, Bom Jesus e Picos.

PNUD seleciona projetos de inovação no Piauí; vencedor leva R$ 100 mil

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

 

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) lançou edital para seleção de projetos no Piauí e no Amazonas. 

O objetivo é identificar experiências e metodologias de inovação alinhadas aos aceleradores ou às cadeias de produção locais. 

Cada proposta vencedora receberá R$ 100 mil para ampliar, aprimorar ou dar continuidade a projetos que promovam o desenvolvimento sustentável da região.

Como participar

Para participar é necessário enviar proposta até 27 de novembro. O quesito ‘inovação’ considera caminhos ou estratégias que utilizem novos produtos, serviços, tecnologias, organização de novos processos, novos modelos de negócio, métodos organizacionais ou inovações sociais. No Piauí, os temas que devem ser contemplados são: 

- Governança
- Educação inclusiva de qualidade
- Empreendedorismo
- Agricultura familiar inclusiva e produtiva
- Conservação ambiental 
- Uso sustentável dos recursos naturais
- Ambiente seguro e inclusivo
- Igualdade de gênero 
- Empoderamento de mulheres e meninas
- Cadeia das melíponas 
- Cadeia do turismo

Os critérios para a avaliação serão alinhamento ao tema, impacto social, replicabilidade da inovação, clareza metodológica da inovação, sustentabilidade da inovação, previsão de uso dos recursos recebidos e resultados alcançados.

Clique aqui para ver o edital e aqui para mais informações.

Posts anteriores